New face: Emilly Nunes se prepara para temporada internacional

Modelo paraense indígena esteve entre as recordistas do SPFW

Bruna Dias
fonte

Foram 17 entradas na passarela do São Paulo Fashion Week deste ano, um recorde entre as modelos que estavam ali. Mas a paraense Emilly Nunes, 23 anos, é mais que números, ela consegue iluminar a quilômetros de distância, o sorriso da modelo também é capaz de transcender as telas. Sim, porque quem acompanha a modelo nas redes sociais sente de longe toda a sua essência.

Descendente de indígenas da comunidade Aruãs, Emilly Nunes foi descoberta nas telas do smartphone. As suas fotos postadas no Instagram foram parar nas mãos do scouter (profissional responsável por identificar e selecionar candidatos para se tornarem modelos) Vivaldo Marques até chegarem em Anderson Baumgartner, diretor da Way Model.

VEJA MAIS

image Baile da Vogue: Marca paraense veste convidados com referências amazônicas
Normando vestiu a editora sênior de moda da revista, além da modelo Emilly Nunes e o influenciador Arthur Freixo

image Capa da Vogue pela segunda vez no ano, paraense Emilly Nunes é aposta no mundo fashion
Natural de Soure, Ilha do Marajó, a modelo já tem carreira internacional no horizonte

image Modelo natural de Soure, na ilha do Marajó, é capa de uma das maiores revistas de moda do mundo
A edição brasileira da Vogue tem na capa a modelo paraense Emilly Nunes, de 21 anos, com profissionais da cadeia produtiva da moda

Com traços tipicamente brasileiros, a modelo nasceu em Belém e foi criada em Soure, Ilha de Marajó. Ela já trabalhou como operadora de caixa, em um supermercado do Pará, e vendedora de uma empresa de telefonia, ofertando chips para celulares nas ruas. Mesmo que saibamos do passado de Emilly, é impossível alguém ousar em dizer, que a jovem não tenha nascido modelo. Os passos foram dados há décadas, quando ela andava pela casa onde morava usando os saltos da mãe.

Os trabalhos realizados por ela, que está há menos de três anos no mercado da moda, são marcantes e cheios de talento. Ela já estampou a revista Vogue Brasil, com as capas “Paratodos” (maio/2020) e “Guardiões da Floresta” (set/2020), também da Vogue Portugal, e fez publicidades de prestigiadas grifes. 

Em recente entrevista para a Vogue no Instagram, Emilly mostrou que além de talento ela quer ser espelho. A modelo revelou a incomodação, por não se sentir representada há alguns anos, mas ao mesmo tempo, destacou a sua responsabilidade em abrir portas.

“Por muito tempo a gente foi invisibilizado. Eu vim para abrir portas”, diz a modelo. “Eu quero mostrar lá fora que sim, a gente está aqui, a gente pode ocupar esses lugares”, acrescenta.

Agora a modelo e o Brasil estão de olho na carreira internacional. Emilly Nunes é a aposta da WAY Model, mesma agência de nomes consagrados como Sasha Meneghel, Carol Trentini e Alessandra Ambrósio, para despontar entre os mais disputados nomes da moda.

Veja o bate papo com a modelo:

Emilly, como tem sido carregar o Pará, Norte e Amazônia na sua trajetória profissional?

EN: Tem sido de uma força muito grande poder representar o Pará nessa caminhada, é uma grande honra. 

Como a tua vivência no Marajó e o contato direto com a cultura paraense fazem a diferença hoje no teu trabalho?

EN: Procuro ao máximo trazer minhas vivências para a minha vida e meu trabalho, conseguir se manter na moda sendo nortista é uma luta constante. 

Você falou para a Vogue que está ajudando a “abrir portas”, como é adicionar ao seu trabalho mais esse desafio? É difícil para uma nortistas alcançar o topo?

EN: É uma luta diária, todos os dias correndo atrás e mostrando que, sim, podemos estar aqui e esse lugar também pode ser ocupado por nós. Quem é do Norte sabe que a batalha precisa ser muito maior.

 Certamente você já está em um patamar elevadíssimo no Brasil, fala para a gente um pouco sobre os seus sonhos? O que você tem sonhado ultimamente?

EN: Meu maior sonho hoje é a carreira internacional, tem sido essa a minha meta e tenho me preparado para a próxima temporada.

Você foi uma das recordistas no São Paulo Fashion Week. Fala um pouco como foi a correria? Tem alguma coisa engraçada que ocorreu entre um desfile e outro?

EN: Quem vê os desfiles prontos, não imagina a correria que é fazer aquilo tudo. Fiz 17 desfiles, então são muitos cabelos diferentes, castings, provas de roupa, visitas aos ateliês das marcas....

Um momento engraçado era sempre na troca de cabelo, é uma correria e ficam diversas pessoas amontoadas ao mesmo tempo desfazendo o cabelo antigo e fazendo um novo. 

Você está na WAY Model, agência Sasha Meneghel, Carol Trentini e Alessandra Ambrósio, como está o planejamento para a carreira internacional?

EM: Temos tido muitas reuniões e agora após o SPFW começa minha preparação para a temporada internacional.

 

Moda e Beleza
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM MODA

ÚLTIMAS EM MODA