Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Greve de ônibus em Belém: falta de coletivos aumenta preço das passagens no transporte alternativo

Passageiros tiveram que desembolsar até o dobro do valor que estão acostumados a pagar em dias normais

Laís Santana

Sem opções para se locomover durante o primeiro dia da greve dos rodoviários em Belém, nesta terça-feira (3), a população teve que pagar mais caro pelo preço da passagem em corridas de aplicativos e no transporte alternativo. De acordo com os motoristas de aplicativo, aumentou o número de solicitações de corrida ao longo do dia, principalmente durante a chuva da tarde e no início da noite. Enquanto isso, as vans e microônibus também aproveitaram para fatura cobrando cerca de cinco a dez reais por passageiro. 

VEJA MAIS

Greve dos ônibus impõe aulas híbridas em instituições de nível superior em Belém
A paralisação dos rodoviários provocou mudanças na rotina dos estudos, com a volta das aulas online

Greve de ônibus em Belém: paralisação dos rodoviários entra no segundo dia
Empregados em empregadores deverão se reunir na Justiça do Trabalho nesta quarta (4)

Greve de ônibus: 'Piorou', dizem trabalhadores que estão pagando R$7 no retorno para casa
Van, microônibus e a carona amiga, valeu tudo para não pegar falta nesta terça-feira (3), em Belém

Nas redes sociais, muitos internautas reclamaram do aumento no preços das corridas nos aplicativos de transporte. "30 contos um Uber do Guamá pra Presidente Vargas, normal é de 10 ou 15, no máximo", escreveu Carla Adriane. 

Em outra postagem, um passageiro mostra uma corrida do Guamá para Batista Campos que em dias normais custaria R$ 13, nesta terça-feira não saiu por menos que R$ 23. 

"Uma distância, da Mauriti com a Rua Nova para a Antônio Baena com Almirante R$ 13,98", descreveu Izabela Santos. 

Greve de ônibus

Além do valor mais alto, os passageiros também reclamaram da qualidade do serviço. "Mais caro e mais demorado. Motoristas fazem a gente esperar mais que o necessário pra cancelamos a corrida. Aceitam e depois de mais de 7min cancelam a corrida", relatou Helton Nunes. 

O cenário não era diferente para quem aguardava nas paradas de ônibus por uma alternativa para voltar para casa. Na av. Visconde de Souza Franco, a equipe de reportagem de O Liberal flagrou vans cobrando até R$ 10 para passageiros com destino final em Ananindeua, na região Metropolitana de Belém. Quem quisesse se deslocar para outros destinos como Guamá e Icoaraci precisou desembolsar de R$ 5 a R$ 7. 

Tem ônibus em Belém? Greve continua, mas 40% da frota deve voltar a rodar; saiba quando
Justiça determina que 40% da frota de ônibus deve rodar para atender a população

Setransbel recorre à Justiça para desobstrução de garagens e frota em circulação
Movimento grevista dos rodoviários atinge 750 mil usuários na Grande Belém

Greve de Ônibus: 750 mil usuários estão sem transporte na Grande Belém
O Setransbel, por nota, afirma que a greve dos rodoviários não cumpriu o prazo correto de notificação de 72 horas

Para a diarista Maria José Bordon, a falta de ônibus dificultou muito o deslocamento. Ela esperava por uma condução que a levasse da av. Visconde de Souza Franco até o Guamá, bairro onde mora. "Sem dúvida foi um dia difícil pra nós que dependemos do transporte público. Agora eu estou aqui esperando para ver se meu filho vem me buscar de moto porque está difícil chegar em casa", contou. 

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM