Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

MPF identifica invasores e donos de boiadas em Terra Indígena Apyterewa, no Pará

Condições precárias de acesso à saúde e educação também foram constatadas pelo MPF

Fabyo Cruz

Representantes do Ministério Público Federal (MPF) estiveram na Terra Indígena Apyterewa, localizada entre os municípios de Altamira e São Félix do Xingu, na região sudoeste do Pará, para verificar a invasão no local e a situação nas aldeias do povo Parakanã, indígenas de recente contato que vivem na área demarcada. Durante a visita, que ocorreu entre 30 de maio e 2 de junho, foram identificados alguns invasores e donos de boiadas que ameaçam constantemente os indígenas.

VEJA MAIS

Polícia Federal prende homem por garimpo ilegal em terra indígena do Pará
Suspeito foi detido por extração ilegal de minérios, uma porção de ouro e posse de munições. Equipamentos usados no garimpo foram destruídos.

Porto em Itaituba: Justiça Federal suspende construção em terra indígena
Obra estava na aldeia Praia do Índio, no território do povo Munduruku, que segundo o MPF, não foi ouvido sobre a obra

Garimpeiros deixam TI Baú; PF evita conflito na área indígena
Ação foi realizada na região em que 9 garimpeiros teriam sido feitos reféns

Conforme as informações divulgadas pelo MPF, invasores lançaram ameaças contra os indígenas no mês passado, chegando a se aproximar das aldeias com rebanhos de gado que foram deixados no local. A Polícia Federal (PF) foi acionada e precisou ir até a área para conter a tensão.

Márcio de Figueiredo, procurador da República, que atua em Redenção, no sudeste paraense, conduziu a visita às três aldeias que ficam na região mais invadida do território indígena, Ka’até, Tekatawa e Awura (também chamada de Paredão). Ele constatou a presença de invasores nas proximidades de todas as aldeias e as condições precárias de acesso à saúde e educação, principalmente nas aldeias Ka’até e Tekatawa. Na primeira, o atendimento de saúde fica a dois dias de caminhada pela mata. Na segunda, é preciso um dia inteiro de caminhada.

“Eu pude colher diretamente os relatos dos indígenas afetados pelos recentes contatos agressivos na  Terra Indígena Apyterewa. A partir desses relatos serão tomadas medidas imediatas para qualificação e persecução dos invasores mencionados. Também tive a oportunidade de constatar a situação ligadas à saúde indigena, como a ausência de transporte médico em caso de emergências e inexistência de políticas públicas que levem em consideração as particularidades das comunidades”, disse o  procurador da República.

VEJA MAIS

Polícia Federal é acionada para fazer busca por garimpeiros que invadiram terra indígena
Até o final da tarde deste domingo (22) ainda não há informações sobre o resgate dos invasores

MPF aciona forças de segurança após ameaças de ataques em Terra Indígena no Pará
Lideranças indígenas teriam sido avisadas por moradores da região sobre possíveis preparações de ataques contra as aldeias

Ministério da Justiça determina envio da Força Nacional à terra indígena Sarauá, no Pará
Decisão foi publicada no Diário Oficial e as tropas vão tentar expulsar os invasores da região, que vem sofrendo com desmatamento e queimadas há pelo menos cinco anos

“Nós também constatamos a existência de crianças e adolescentes indígenas que não estão frequentando a escola, assim como a necessidade de incrementar a estrutura das aldeias maiores com acesso a internet e alojamento para os profissionais que atuam no local ”, completou Márcio de Figueiredo.  A visita do MPF contou com o apoio conjunto do Ibama, Funai e da Força Nacional.

Os dados coletados vão embasar a atuação do MPF nos próximos meses, tanto para melhoria das condições de vida dos Parakanã quanto para coibir os crimes ambientais e as invasões dentro da terra indígena. A desintrusão  (retirada de não indígenas) da Terra Indígena Apyterewa é uma dívida antiga do Estado brasileiro, objeto de processo judicial em que o governo foi obrigado a retirar todos os invasores.

Entenda o caso

A Terra Indígena Apyterewa é uma das mais invadidas e mais desmatadas do país. Homologada desde 2007, teve a sua desintrusão prevista como uma das condicionantes prioritárias antes das obras da usina hidrelétrica de Belo Monte.

O MPF processa o Estado brasileiro para obrigar a desintrusão e, desde 2009, pede à Justiça Federal que multe o governo por não cumprir as decisões judiciais. Conflitos com fazendeiros e grileiros são frequentes na área e nos últimos dois anos invasores confrontaram diversas vezes fiscais ambientais e servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) que trabalhavam na área, chegando a atirar bombas contra eles.

O Ministério Público Federal compareceu às aldeias Parakanã ameaçadas no interior da Apyterewa e identificou alguns invasores e proprietários de gado, cujas identidades permanecem em sigilo para não comprometer as investigações.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA