Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Praça da Fortaleza: lugar é marco da ocupação militar portuguesa em Santarém

Nos séculos XVII e XVIII os ataques dos indígenas e franceses eram frequentes no município

Ândria Almeida

Você sabia que a Praça da Fortaleza, localizada no centro do município de Santarém, abrigava uma fortaleza para proteger a cidade de ataques da França, indígenas e outras nações que tentavam a época colonizar a Amazônia?

A Fortaleza de Nossa Senhora do Bom Sucesso do Monte Alegre dos Tapajós, como era chamada, ocupava o espaço em um pequeno morro, onde atualmente tem como principal vizinha a Escola Frei Ambrósio, conhecida na última década como Mirante do Tapajós.

De acordo com o historiador Sidney Canto, a Fortaleza do Tapajós faz parte do processo de colonização portuguesa que era feito de duas formas: a mais pacífica, por meio das missões religiosas que vinham catequizar os indígenas e já faziam o processo de colonização, como fez Portugal. E também a ocupação militar, onde se construíam fortes em pontos estratégicos da Amazônia, com uma guarnição militar, fornecendo segurança aos colonos, e ainda proteção da terra contra invasores de outras nações.

“No caso de Santarém, a posição estratégica escolhida foi o alto de um morro que ficava perto do Rio Tapajós, onde ele se encontrava com o Rio Amazonas, e ali dava segurança não somente ao Rio Amazonas, mas também a quem navegava pelo rio Tapajós”, contou o historiador.

VEJA MAIS

Alter do Chão: Floresta encantada é a grande pedida para o mês de julho
A área foi batizada pelos visitantes como ‘encantada’ por levar brilho aos olhos de quem conhece o lugar

Circuito de canoagem é uma das aventuras de verão no tradicional encontro das águas em Santarém
Se uns dos objetivos para o verão for viver uma experiência turística diferente, os aventureiros locais e de outras regiões têm uma nova opção de imersão nos rios Tapajós e Amazonas

Ufopa aponta surto de covid-19 em Santarém
Laboratório de Biologia Molecular da Ufopa indica aumento de 10 para 45% de casos positivos em julho

Famílias afetadas pelas cheias recebem kits de ajuda humanitária em Santarém
No município de Santarém a subida do rio foi tão intensa que ultrapassou a cheia histórica de 2009

Nos séculos XVII e XVIII os ataques dos indígenas e franceses eram frequentes no município. “Durante os primeiros anos da ocupação portuguesa em Santarém, havia a guarnição militar que vigiava a navegação do Rio Amazonas e impedia o contrabando de drogas do sertão do interior do Tapajós”, relatou.

A Fortaleza era imponente, com muros grossos e peças de artilharia, no entanto não se mostraram eficientes para a defesa de Santarém, já que era possível fazer desvios usando outros canais do rio para fugir da fiscalização. Diante disso, o interesse militar na manutenção do local foi acabando e o lugar ficou abandonado.

“Houve algumas tentativas de restauração. A primeira que se tem notícia, foi executada após o levantamento feito em 1749, que aconselhava a reforma da fortificação. No entanto, a obra foi realizada a partir do ano de 1762, a mando do governador Manoel Bernardo de Melo e Castro”, explica.

Mesmo após os reparos, a falta de manutenção levou o local a ruínas novamente. No ano de 1801, o lugar passou por uma nova tentativa de recuperação.

“Já em 1868, após o repasse de uma verba de 11:237$120 réis, boa parte da alvenaria já havia sido concluída, bem como aterro e nivelamento. Nesta época o Forte ganhou seis novas peças de artilharia. Segundo o autor Arthur Vianna, esta foi a última tentativa de reconstrução do forte que com o tempo transformou-se em ruínas. No lugar foi construído o Grupo Escolar de Santarém que hoje é a Escola Frei Ambrósio”, detalhou o historiador.

Para o historiador, o motivo da ruína da Fortaleza, ironicamente foi o descaso. “Curiosamente não foi destruída pelos inimigos internacionais franceses, holandeses, espanhóis ou ingleses, a qual se propunha defender, mas pelo descaso de um povo que falhou em preservar sua história”, finalizou.

 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ