Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Para gamers e gateiros: Lan house oferece jogos e interação com gatos; entenda

A empreendedora paraense Roberta Borges viajou para São Paulo e quis inovar nos espaços de entretenimento em Belém; o local estreia nesta sexta-feira, em Belém

Gabriel Mansur

Você já ouviu falar de uma lan house voltada para gamers e que tenha um espaço para interação com gatos? Em Belém, será possível jogar online e ainda interagir com gatos que têm um quarto próprio, na "X2 Gaming - CatLan", que será inaugurada nesta sexta-feira (1º). A estudante de administração e empreendedora Roberta Borges, de 23 anos, trouxe a proposta para a cidade e conta como resolveu unir a paixão gamer com a alma gateira.

VEJA MAIS

eSports: jovens paraenses cobiçam carreira como atletas de esportes eletrônicos; vídeo
Modalidade contemporânea é disputada dentro de um ambiente virtual e não requer esforço físico, mas exige inteligência, raciocínio rápido e coordenação motora

Seleção brasileira se classifica para a Copa do Mundo de futebol virtual, disputada na Dinamarca
Os brasileiros garantiram a vaga ao vencer a seleção do Peru nas semifinais das qualificatorias sul-americanas; A soma dos prêmios chega a 400 mil dólares

O local abriu na quinta-feira (30) apenas para dez pessoas sorteadas pela conta do Instagram da CatLan, que puderam experimentar os computadores e terem a oportunidade de serem os primeiros clientes a interagir com os bichanos. 

Roberta explica que a ideia surgiu após uma viagem para São Paulo, onde viu diversas possibilidades de entretenimento que faltavam para Belém. Frequentadora de lan houses, a jovem empreendedora viu a oportunidade de inovar na cidade:

“Indo para outras lan houses aqui da cidade eu vi que tinha muita coisa a melhorar, então eu decidi criar a minha própria, com meus próprios valores e com interação com os gatos”, explica. 

Espaço de interação com gatos

A "X2 Gaming" é a primeira lan house do Brasil a oferecer interação com os bichanos. Rengar, Deagle e Jett são três gatos irmãos, adotados após a estudante ver que um amigo estava precisando encontrar um lar para os pets. Na lan house, os animais têm um espaço livre para interação, mas Roberta pondera: “Nós temos uma regra: que os gatos tenham o espaço deles. Então se eles não quiserem, a gente pede para as pessoas não forçarem a interação. A gente, apesar de oferecer essa interação, respeita muito o espaço dos gatos”.

Rengar, Jett e Deagle (Arquivo Pessoal)

VEJA MAIS

Onde passear com pet em Belém: confira docerias que aceitam a entrada de cachorros e gatos
Muitas docerias e cafés de Belém permitem a entrada e permanência de cachorros e gatos. Confira quais são

Onde passear com pet em Belém: confira os cafés que aceitam a entrada de cachorros e gatos
Pensou em tomar um café no fim da tarde na companhia do seu pet? Confira os locais que permitem a entrada e permanência de cachorros e gatos

Onde passear com pet em Belém: confira restaurantes que aceitam a entrada de cachorros e gatos
Diversos restaurantes permitem a entrada e permanência de cachorros e gatos; Confira quais são

Onde passear com pet em Belém: confira lugares que aceitam a entrada de cachorros e gatos
Diversos estabelecimentos permitem e até possuem áreas exclusivas para seu amiguinho de quatro patas. Confira

A inovação, além de proporcionar o acolhimento dos bichanos em uma moradia limpa, alimentação e brinquedos, também é saudável para os humanos: “A interação também serve como uma terapia. Jogar online estressa muito, então os gatos ajudam muito contra estresse, depressão, ansiedade. Esse também é o motivo da ideia de uma lan house com gatos”, disse a estudante de administração.

Quem esteve no local durante a tarde desta quinta-feira, aprovou o ambiente. Amanda Cavalcante tem 18 anos e é estudante de fisioterapia, começou a jogar durante a pandemia. “Eu gosto de jogar, jogo com frequência. Jogo com meu namorado, conheci meu namorado por conta dos jogos. Eu normalmente jogo com ele, vim aqui porque gostei da ideia da lan house e gosto muito de animais”, disse Amanda.

Amanda Oliveira, na pré-estréia da X2 Gaming (Gabriel Mansur/O Liberal)

Além dos jogos e gatos, serão oferecidos jogos de tabuleiro e venda de lanches e bebidas. 

Profissão streamer

O namorado de Amanda, Jefferson Albuquerque (19), também foi sorteado para a pré-estreia da "X2". Ele é streamer (profissão em que a pessoa joga online e interage virtualmente com pessoas que o assistem) nas horas vagas, e estudante de ciência da computação. Ele conta que foi streamer por muito tempo, enquanto fez parte de um time de e-sports.

VEJA MAIS

Belém terá o primeiro Centro de Treinamento Gamer profissional do Estado
Espaço será construído pela ADY e-sports. O principal objetivo é suprir as necessidades dos atletas da modalidade

Projeto de Lei aprovado na Câmara dos Deputados beneficia eSports e jogos de cassino
Votação segue para o Senado. Brasil ocupa o terceiro lugar mundial em audiência nos principais torneios online.

“Foi minha primeira profissão por um tempo. Eu fiz parte de um time, a NTS, de Valorant. Eu estava como substituto/streamer. Passei muito tempo, evolui. Eu gosto dessa área. É uma área que me identifico muito e prezo, porque acho que posso ir longe”, disse “Jeff”, como é conhecido.

Ele conta também que seu sonho é ser pro-player de Valorant, ou seja, jogar profissionalmente o jogo: “O foco é ser pro-player de Valorant, jogo que mais me identifico. Como o time não foi pra frente, os computadores voltaram pra ‘game house’. Acabei ficando sem computador, mas agora tô voltando a jogar. Jogo em lan house, vou vender algumas e vou juntar dinheiro pra comprar um computador e continuar ‘indo’. Sonho é trabalhar com e-sports”, explicou o estudante de ciência da computação. 

O cenário de e-sports no Brasil e na região Norte

Jeff explica que o Brasil tem uma boa estrutura para os times profissionais de jogos eletrônicos, mas na região Norte não é a mesma coisa: “O cenário nacional é bom. Eu acredito que o regional falta bastante. O Valorant é um jogo muito recente. Eu não acho que o regional seja muito bom, ainda, porque é recente”. Mas ele afirma que não pretende parar por conta desse problema, e que já existem times da região jogando em alto nível nacionalmente.

VEJA MAIS

Novos comunicadores para uma comunidade em expansão dos games
Comunidade de gamer tem influenciadores para comentar sobre novidades, E-Sports e cenário atual

Equipes brasileiras de esporte eletrônico faturam mais de R$ 10 milhões e título inédito
Seis times do país disputaram campeonato mais importante da modalidade em Paris nas duas últimas semanas; Brasil atinge hegemonia histórica nos esports com os três primeiros colocados no torneio

Os gamers brasileiros estão jogando muito mais durante a pandemia

“Tem um ex-time, com outros integrantes, que jogaram a série A da Gamers Club. Bateram de frente com times grandes, e são bons. O que dificulta é que Belém, na região Norte, é questão de ping, é falta de incentivo, mas em compensação temos muita vontade, sempre tivemos muita vontade”, afirma Jeff.

X2 Gaming será um espaço de acolhimento à diversidade

A empreendedora Roberta Borges afirma que a "X2" será um espaço de acolhimento para todas as minorias, que às vezes não encontram um local confortável para se divertir e interagir com os amigos: “Eu já vi várias coisas absurdas, as pessoas gritam e falam. Já ouvi muitas conversas ruins do meu lado. A gente quer ser um espaço que acolha essas pessoas, uma coisa que acho que ainda falta muito em Belém", conta a estudante.

Amanda explica que também já passou pelos mesmos problemas por ser mulher, mas que se sentiu acolhida na CatLan e que pretende voltar mais vezes:

"Eu acho que a comunidade gamer é muito machista. Eu já passei por várias situações bem desconfortáveis jogando, de desrespeito, onde denunciei esse tipo de pessoa. Mas acho que apesar disso, é um mundo que a gente ainda pode mudar. Achei aqui um lugar super assim, que me acolheu muito bem, cheguei aqui e fui muito bem tratada por todos, achei o espaço muito legal”, explicou Amanda.

Como vai funcionar a X2 Gaming?

A CatLan vai abrir para o público nesta sexta-feira (1º). No mês de julho, o preço para cada hora jogada será de R$ 6, diminuindo conforme a quantidade de horas compradas. Além disso, o estabelecimento funcionará 24 horas.

Nos famosos “corujões”, onde as pessoas podem passar a madrugada jogando, é preciso reservar antecipadamente uma vaga, no valor de R$ 24, onde o cliente terá acesso ao computador de 21h às 6h. Jogos de tabuleiro também são oferecidos por R$ 2, além da possibilidade de um “corujão” dos jogos, por R$ 10. Para mais informações, acesse a conta no Instagram do estabelecimento clicando aqui

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM