Câncer de mama: quantidade de mamografias realizadas no Pará já é 64% do total contabilzado em 2021

Procedimento é uma das principais formas de prevenir a doença, que cada vez mais tem afetado mulheres em idades mais baixas

Camila Azevedo

O exame de mamografia é considerado um dos principais meios para detectar o câncer de mama. De janeiro a outubro de 2022, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) contabilizou 32.411 procedimentos realizados no Pará. O número já corresponde a 64% totalizado pela pasta em 2021. Belém também tem registros animadores. Até agosto deste ano, a capital atingiu 73,29% do que é preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), quando o mesmo período de 2021 fechou com apenas 57,48% da meta. O mecanismo de rastreio, quando feito periodicamente e aliado a uma rotina saudável, tende a diminuir as chances da doença e aumenta a qualidade de vida. 

Porém, a preocupação dos especialistas é com a regressão da idade em que a doença tem incidido: um levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) mostrou que, nos últimos dois anos, o percentual passou de 2% das mulheres com 35 anos diagnosticadas com câncer de mama, para 5%. O estilo de vida adotado pelas novas gerações pode estar relacionado com essa mudança etária. Outro aspecto observado é a forma agressiva em que os tumores surgem devido um fator genético e hereditário, relacionados, ainda, com essa diminuição. A atenção primária, que consiste na prática de atividades físicas e hábitos saudáveis, previne, ainda, problemas crônicos.

VEJA MAIS

image Campanha leva serviços médicos gratuitos a mulheres de Ananindeua
A mulher que desejar acesso aos serviços e atendimentos, precisa procurar a UBS mais próxima da sua residência para uma avaliação e agendamento de exames, consultas ou outros serviços de enfermagem. Programação começa a partir do dia 21.

image Outubro Rosa: especialista ensina sobre autocuidado, prevenção e controle do câncer de mama
A enfermeira, pós-graduada em saúde pública e em educação para saúde Rivana Oliveira fala sobre os desafios da conscientização sobre o câncer de mama

image Projetos sociais ajudam mulheres com câncer de mama a recuperar autoestima
Objetivo das iniciativas é devolver o brilho no olhar das pacientes que têm ou já tiveram câncer, mas ficaram com sequelas

A SBM indica que a mamografia seja realizada anualmente a partir dos 40 anos. Juliana Nicolau, médica oncologista, explica que o exame pode ser realizado mais cedo, caso a paciente tenha condições específicas. “Este é um exame de imagem, não invasivo, que utiliza um aparelho chamado mamógrafo, que vai emitir pequenas porções de radiação para obter uma espécie de raio-x das mamas. Se a paciente for de alto risco, com uma mutação genética comprovada, é indicado que ela realize a mamografia a partir dos 30 anos. E, se ela tiver um histórico familiar positivo para câncer de mama, esse rastreamento deve se iniciar 10 anos antes da idade que o familiar tinha quando teve o diagnóstico”, diz a doutora.

Outros métodos de diagnóstico por imagem podem ser utilizados para fazer o rastreio. Ressonância magnética das mamas é uma opção. Quando questões ligadas à genética estão envolvidas, é fundamental aumentar os cuidados e a atenção. “Uma paciente portadora de mutação genética pode vir a desenvolver o câncer de mama em idades mais precoces. Podem ser tumores mais agressivos, podem ser tumores bilaterais e a presença de um fator genético também pode incluir o aumento do risco de aparecimento de tumores em outros órgãos”, destaca Juliana. 

image Mulheres mastectomizadas terão direito a fisioterapia
Oito projetos de lei foram aprovados no retorno das sessões ordinárias na Alepa

image Outubro Rosa: diagnóstico precoce de câncer de mama aumenta as chances de cura
Os exames regulares e o auto-conhecimento das mamas são essenciais nessa fase da vida

image O autoexame é um dos métodos que dão início aos cuidados. Prevenção é peça fundamental para evitar que a doença apareça e seja nociva (Ivan Duarte / O Liberal)

Prevenção

Atenção primária e secundária andam juntas para evitar o aparecimento de câncer de mama. Tendo em vista que o consumo de álcool e o tabagismo são elementos que colaboram para essa realidade ser vista ainda mais cedo nas mulheres, é necessário manter melhores hábitos. “Uma boa alimentação, a prática de atividades físicas regulares, evitar hábitos nocivos e ter um controle de obesidade. Isso faz parte da prevenção primária: ter um bom estilo de vida. E, também, a prevenção secundária, que é a realização periódica de exames de rastreamento. Frequentar o mastologista, fazer a mamografia anualmente a partir dos 40 anos ou mesmo você ter o hábito de examinar suas mamas”, finaliza.

Diagnóstico precoce aumenta chances de cura

Prevenção sempre foi o foco da Karina Coroa, de 41 anos. Fisioterapeuta, o dia a dia é envolvido em exames de rastreio e cuidados com a saúde. A primeira mamografia realizada foi aos 35 anos e, na terceira vez que realizou o procedimento, veio a surpresa: câncer de mama. A expectativa de vida dada era de seis meses e a doença foi extremamente agressiva. “Já fazia ultrassonografia, mas resolvi fazer mamografia. Eu ainda estava na faculdade na época, então, sempre me preocupei com o diagnóstico precoce. Foi na imagem, ainda não apalpava. Eu descobri no final de maio de 2019 e no final de setembro, quando eu ia iniciar as quimioterapias, eu já estava apalpando ele. Ele media milímetros e, de repente, ele chegou a 8 centímetros”, relembra. 

image Câncer de mama tem até 95% de chances de cura com diagnóstico precoce
Mês de outubro é marcado por ações de prevenção e divulgação sobre a doença

image Grupo Liberal realiza campanha de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama
Colaboradores de vários setores do grupo participaram usando rosa

Karina faz parte da estatística de mulheres que desenvolvem o tumor de forma precoce. Porém, isso não foi motivo para desânimo. A família foi o ponto de partida para que as forças necessárias fossem somadas: ela queria ver a filha, na época com 15 anos, crescer. “Dizem que eu sou uma pessoa de muita coragem e eu realmente enfrento os desafios. Então, quando eu descobri, meu pai ainda estava vivo, eu me preocupava muito mais com meus pais pela possibilidade de morrer e meus pais perderem a filha, do que com o tratamento, porque a dor a gente suporta. Então isso, pensar no outro, que sempre foi uma característica minha, me fez levar com naturalidade”, relata.

Quimioterapia, mastectomia (retirada da mama) e radioterapia foram os métodos de combate usados no processo. Um mapa genético para localizar o gene que pode ser o causador da doença foi feito, mas o resultado foi inconclusivo. Atualmente, Karina enfrenta dez anos de tratamento oral com bloqueador hormonal para evitar a incidência de metástases. “A cada três meses eu vou na médica, ela pede todos os exames, reavalia e eu vou seguindo. Aí, eu faço suplementação de vitaminas e comecei atividades físicas. Eu vivo essa esperança, porque não é só o físico. É a possibilidade de mostrar pras pessoas que a gente tem dentro da gente forças pra superar. Os momentos difíceis passam”, afirma.

image Tendência de morte por câncer de mama aumenta entre mulheres negras
Estudo mostra que entre as mulheres brancas a tendência é de redução

image Santa Casa leva orientações sobre câncer de mama a shopping em Belém
Programação alusiva ao Outubro Rosa ocorre neste sábado (23), das 10h às 18h

image A fé em Nossa Senhora foi determinante para que Karina tivesse forças para superar o câncer de mama. No Círio 2022, a fisioterapeuta levou a imagem da Mãe de Deus envolva em um pano rosa para a procissão (Ivan Duarte / O Liberal)

A fé ajudou a enfrentar os momentos de dificuldade

Em 2020, a médica que acompanha o caso suspeitou de uma metástase no ovário da Karina. Foi, então, que ela fez uma promessa à Nossa Senhora: se o resultado desse negativo, ela iria para uma caminhada da fé e, em 2022, para o Círio. “A minha médica me ligou e disse que o exame chegou, que não ia precisar operar, deu tudo certo. O ovário diminui, mas não era tumor, aí eu fui na caminhada da fé em 2020, 2021 e esse ano fui na procissão com a minha imagem de Maria com um pano rosa envolta”, finaliza. 

O pano rosa usado de adereço na imagem da santa é o mesmo que Karina usava quando os cabelos caíram, durante o tratamento, representando a força encontrada para seguir adiante nos caminhos.

Pará
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ