Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Ato inter-religioso é realizado em homenagem a Bruno e Dom

O encontro ocorreu em São Paulo e reuniu ONGs, indígenas e artistas

Agência Brasil

Com a Catedral da Sé lotada, no centro da capital paulista, um ato em homenagem ao indigenista Bruno Pereira e ao jornalista britânico Dom Phillips, mortos em uma emboscada no Vale do Javari, no Amazonas, reuniu representantes de diversas religiões para pedir justiça, democracia e respeito aos direitos dos povos indígenas. 

Durante o evento, foi lido o manifesto assinado pelas organizações que convoca a sociedade a dar um “basta” para a violência contra os povos tradicionais e a cobrar o fortalecimento dos órgãos de fiscalização e respeito aos territórios indígenas.

VEJA MAIS

Caso de Bruno e Dom: suspeitos tem prisão preventiva decretada neste sábado (09)
Todos devem ser transferidos para Manaus (AM) e ficarão à disposição da Polícia Federal (PF) e da Justiça Federal no Amazonas

Mais um suspeito de participação na morte de Bruno e Dom é preso pela PF
Uma das linhas de investigação aponta que Rubens Villar Coelho, conhecido como Colômbia, seria o mandante do assassinato do indigenista e do jornalista britânico

“Honrar a memória desses defensores de direitos humanos exige dar continuidade à sua bem-aventurada missão. Assim, devemos relatar e denunciar a violência que se impõem sobre esses povos, exigir que sejam tomadas as providências devidas para a sua proteção, e transformar todas as crenças e estruturas que dão espaço para a violência”, diz um trecho do manifesto.

Em uma mensagem enviada por vídeo, o indígena Beto Marubo, integrante da coordenação da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), convocou a sociedade a refletir sobre a necessidade de que essas mortes “não tenham sido em vão”. 

Ato em Belém celebra memória e cobra justiça por Bruno e Dom nesta segunda (5)
Lideranças participaram de manifestação inter-religiosa na Praça do Carmo

“Não devemos aceitar que pessoas como essas sejam vítimas de uma forma tão cruel e achar que isso é um problema regional. Quero convidar vocês a refletir sobre isso e sairmos do nosso ponto de conforto e atuarmos para que a vida de Bruno Pereira e Dom Phillips tenha valido a pena”, declarou Marubo.

Alessandra Sampaio, esposa do jornalista Dom Phillips, participou do ato e pediu cooperação com as comunidades indígenas como forma de honrar a vida do jornalista e de Bruno. “O que podemos fazer ativamente é conhecer mais sobre a Amazônia, essa riqueza, essa biodiversidade. Só quando se conhece é que se pode proteger e lutar por ela”, pediu. 

MPF pede a condenação da União em R$ 50 milhões por desestruturação da Funai no Vale do Javari
Os conflitos na região são acompanhados e objeto de denúncias pelas instituições há anos

Para a antropóloga Beatriz Matos, viúva de Bruno, são fundamentais as investigações feitas com o intuito de esclarecer o crime. “Mas acho que justiça é a garantia dos direitos e dos territórios dos povos indígenas, do Vale do Javari e todos os territórios indígenas do país”, defendeu. Ela destacou ainda que, mesmo com a grande repercussão do crime, o clima no Vale do Javari é de insegurança entre indígenas e indigenistas. 

O evento contou também com a participação de artistas indígenas e da cantora Daniela Mercury e do cantor Chico César. “Quero registrar aqui algo que considero fundamental que é o rechaço ao Marco Temporal, para que a gente consiga proteger os povos indígenas e acabar com essa insegurança jurídica. Quando eles não têm seus direitos respeitados, todo brasileiro está fragilizado”, disse a cantora baiana.

Corpo de Dom Phillips é cremado no Rio de Janeiro
Os restos mortais do jornalista foram encontrados no dia 15 de junho, no Vale do Javari, no Amazonas

Suspeito na morte de Bruno e Dom passou por dois municípios do Pará durante fuga
Ele percorreu mais de 8 mil quilômetros após o assassinato, até ser abrigado por caminhoneiro que não sabia do crime

Aumento do efetivo no Vale do Javari

Em reunião na terça-feira (12) com uma comitiva de servidores da Funai, o secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Antonio Ramirez Lorenzo, que participou do encontro como ministro interino da pasta, disse que nos próximos dias mais agentes da Força Nacional de Segurança Pública devem chegar à região do Vale do Javari. 

Caso Bruno e Dom: superintendente da PF diz que ‘é possível ter um mandante’
A corporação chegou a afirmar em nota que as investigações apontavam que os executores agiram sozinhos

O encontro foi solicitado pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, Orlando Silva (PCdoB-SP). Segundo informações divulgadas pela comissão, no encontro, Lorenzo também informou que existe o compromisso de tentar viabilizar um concurso público para a Funai ainda em 2022.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL