Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Varíola dos macacos: Grande Belém tem sala de situação para montar estratégia contra a doença

“Se houver necessidade de internação, a gente está de prontidão para atender”, garante o diretor de Vigilância em Saúde da Sesma

Camila Guimarães

Após o primeiro caso de monkeypox (varíola dos macacos) ter sido confirmado em Belémna manhã desta terça-feira (2), a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) diz que continua montando estratégias de enfrentamento à doença em conjunto com a Secretaria Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), o Instituto Evandro Chagas (IEC) e a Secretaria Municipal de Saúde de Ananindeua (Sesau), cidade onde o paciente de Belém foi notificado primeiro, no dia 23 de julho.

VEJA MAIS

Varíola dos Macacos: Belém tem primeiro caso confirmado do Pará
Informação foi confirmada pela Sespa. Paciente esteve no sudeste do Brasil e foi atendido numa UPA de Ananindeua

Varíola dos Macacos: medo gera corrida a clínicas de vacinação no Pará
Em Belém, as clínicas particulares não comercializam o imunizante contra a varíola comum, que é produzido de forma limitada. Doença foi erradicada há mais de 40 anos.

De acordo com o diretor de Vigilância em Saúde da Sesma, Adriano Furtado, a equipe se reúne diariamente no Centro de Investigação e Estratégia em Vigilância em Saúde (Ciev): “É uma sala de situação onde a gente discute medidas de prevenção e controle dos casos, desde antes do aparecimento do primeiro caso confirmado. Nós já vínhamos conversando diariamente, aos fins de tarde, sobre o cenário envolvendo a monkeypox”.

Casos passam por classificação específica

Adriano Furtado explica que as secretarias recebem informações sobre pacientes que buscam unidades de atendimento e fazem a análise dos casos, seguindo um protocolo de classificação:

“A palavra suspeito, para nós, é um termo técnico, usado quando o paciente se enquadra em uma série de critérios: ter sintomas, como as lesões na pele, ter viajado para locais com casos confirmados ou ter tido contato com alguém diagnosticado, entre outros”.

Segundo o diretor de vigilância em saúde, pacientes que apresentem apenas lesões na pele, mas sem outros fatores associados, não são tidos como suspeitos, mas como casos sugestivos. Ao atender a mais critérios, o caso passa ser considerado suspeito e vai, então, para análise:

“Como as lesões se confundem com outras doenças, inclusive com alergias, picadas de insetos e outras infecções virais também, a gente faz o diagnóstico diferencial e a contraprova. Só então a gente define se o caso é confirmado ou descartado”, explica Adriano.

O diretor informa, ainda, que a monkeypox não é uma doença considerada grave, sendo considerada autolimitada, ou seja, que evolui naturalmente para a cura. Os maiores riscos são para pessoas com algum comprometimento imunológico, que têm mais chances de apresentar complicações. Além disso, a varíola dos macacos também tem menor transmissibilidade que a covid-19, pois precisa do contato direto com as secreções infectadas, seja das feridas ou gotículas de saliva.

Situação de emergência deve mobilizar indústria farmacêutica 

Quanto à vacinação, Adriano Furtado avalia que, após a declaração de estado de emergência assinada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a indústria farmacêutica está mais à vontade para produzir novamente o imunizante, que parou de ser comercializado há 40 anos, quando a varíola humana havia sido erradicada na maior parte dos países. Além disso, o diretor de vigilância garante que o sistema de saúde está preparado para atender aos casos:

“A partir do documento da OMS, a vacina já começou a ser produzida em alguns países e já tem distribuição em alguns lugares também. No Brasil ainda não chegou. Mas a população precisa ficar consciente de manter a calma, sabendo que os órgãos de saúde estão monitorando os casos e, se houver necessidade de internação, a gente está de prontidão para atender”, afirma.

Saiba mais detalhes sobre a Varíola dos Macacos:

• Prevenção

Varíola dos macacos: entenda como será a vacinação no Brasil
Segundo o Ministério da Saúde, as primeiras doses do imunizante contra a varíola dos macacos destinadas ao país deverão chegar em setembro

Varíola dos macacos: saiba como evitar pegar a doença
Manter hábitos de vida saudáveis, usar máscara e não estigmatizar pessoas infectadas fazem parte das principais formas de evitar a varíola dos macacos

Varíola dos macacos: veja quais são os grupos de risco da doença
A enfermidade foi declarada emergência de saúde pública de interesse internacional pela OMS

• Sintomas

Varíola dos macacos: saiba quais são os sintomas da doença
Cerca de 95% dos casos têm lesões na face, ao passo que 75% das feridas se encontram na região genital

Varíola dos macacos: saiba quais são as formas de contágio da doença
As formas de contágio da doença são diversas, informou o infectologista Alessandre Guimarães, em uma live realizada na última sexta-feira (29) pelo Grupo Liberal

• Tratamento

Varíola dos macacos: transmissão, sintomas, vacina e suspeita da doença em estado na divisa do Pará
No último dia 8, o Brasil confirmou o primeiro caso da variante no país

Varíola dos macacos: Brasil vai receber antiviral para enfrentamento da doença
A informação foi dada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em suas redes sociais

Quando a vacina contra a varíola dos macacos chega ao Brasil?
A vacinação contra o vírus Monkeypox já está sendo realizada em alguns países da Europa e da América do Norte

Varíola dos Macacos: infectologista explica detalhes sobre a doença que tem preocupado o mundo
Primeira morte por monkeypox no Brasil foi confirmada na última sexta-feira, 29. Médico acredita que há subnotificação dos casos

• Casos

Amazonas confirma o primeiro caso de varíola dos macacos
O paciente é um homem, com idade entre 20 e 30 anos, que mora em Manaus e esteve em Portugal

Espanha registra duas mortes por varíola dos macacos
Foram as primeiras mortes registras na Europa. Em todo o mundo, sete óbitos foram verificados desde maio

Varíola dos macacos: Nova York declara estado de emergência
Governadora Kathy Hochul afirmou que mais de um em cada quatro casos da doença nos Estados Unidos foram registrados no estado

Japão emite alerta de nível 1 para surto global de varíola dos macacos
Autoridades governamentais pedem que cidadãos japoneses tomem medidas cuidadosas para não contrair a doença

Varíola dos macacos: Primeira morte no Brasil tinha câncer, diz Ministério da Saúde
Pasta informou que o homem tinha 41 anos e ficou hospitalizado em um centro de saúde público

 

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM