Moradores liberam acesso ao aterro de Marituba, mas permanecem no local

Manifestantes decidiram liberar a passagem de veículos, mas afirmam que vão continuar acampados na área

Redação Integrada de O Liberal

Manifestantes que bloquearam a estrada de acesso ao aterro sanitário de Marituba no início da noite desta quarta-feira (5) decidiram há pouco liberar o fluxo de veículos, mas afirmam que permancerão no local em protesto contra a manutenção do espaço por mais quatro meses. O movimento é encabeçado por moradores do entorno e membros do Fórum Permanente Fora Lixão. 

Leia também:

 - Aterro sanitário não é única solução para resíduos, afirmam técnicos

Alta demanda acumulada dificulta descarte de lixo no aterro de Marituba

Ministério Público discute alternativas para destinação de resíduos sólidos da RMB

Coleta só será normalizada na quinta-feira, diz Prefeitura de Belém

Guarnições da Polícia Militar encaminhadas ao local continuam acompanhando a movimentação na estrada para garantir o acesso dos caminhões de lixo à área. As equipes mantém a segurança ao longo da via para que as operações de descarga possam ser feitas como determinou a liminar expedida na última segunda-feira (5). Mais cedo, militares chamaram as lideranças do movimento para um diálogo e descartaram qualquer intervenção pelo uso da força, desde que os moradores não criem obstáculos ao trânsito dos caminhões coletores.

Os manifestantes deixaram claro que pertendem continuar o protesto às margens da estrada ao longo da madrugada, e que pretendem respeitar a liminar que determina à Guamá Resíduos Sólidos receber a carga de lixo urbano coletada ao longo da última semana e que estava retida nas garagens das empresas de coleta por conta da obstrução da via pelos moradores.

CONTRA A PRORROGAÇÃO 

O ato é contra a determinação da Justiça Estadual que definiu a prorrogação das atividades do aterro por mais quatro meses. A área é gerida pela Guamá Tratamento de Resíduos. Segundo os moradores, o ato é uma reação à declaração da empresa que, em nota publicada nesta quarta-feira (5), disse não se responsabilizar pelos danos ambientais futuros causados à área após a prorrogação do prazo para o fim das atividades - anunciado para o dia 31 de maio de 2019, mas contestado na Justiça por administrações municipais.

 

O aterro de Marituba é o destino de 1,6 toneladas diárias de lixo geradas nos municípios de Belém, Ananindeua e Marituba. A Guamá Tratamento de Resíduos já anunciou que acata a decisão do Tribunal de Justiça do Estado após Ação Cautelar do Município de Belém, mas prometeu recorrer da decisão.

Uma disputa judicial sobre a continuidade das atividades do aterro, iniciada há seis meses, tem como principal pivô o valor cobrado por cada tonelada de lixo recebida pela área.

Valor pela tonelada recebida na área foi pivô da crise do lixo (Oswaldo Forte / O Liberal)
Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!