#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end
logo jornal amazonia

Saiba como funciona o processo de identificação dos corpos encontrados dentro de embarcação no Pará

Chamado de Identificação de Vítimas de Desastres (Disaster Victim Identification, DVI), o método coordenado pela Interpol trata do reconhecimento de vítimas de uma grande catástrofe, como um terremoto ou um ataque terrorista

Saul Anjos
fonte

A investigação da Polícia Federal sobre os nove corpos - oito deles encontrados dentro de uma embarcação e outro localizado próximo a ela no último final de semana, em Bragança – está na fase de apuração sobre a identificação das vítimas e as causas da morte. Os cadáveres chegaram ao Instituto Médico Legal (IML), em Belém, na terça-feira (16). Desde então, estão sendo periciados no local pela PF, em conjunto com a Polícia Científica do Pará (PCEPA).
  
O trabalho realizado pelas instituições segue o protocolo da Interpol, o qual a PF faz parte, de Identificação de Vítimas de Desastres (Disaster Victim Identification, DVI), produzido pela primeira vez em 1984 e que é atualizado a cada cinco anos. Esse método trata do reconhecimento de vítimas de uma grande catástrofe, como um terremoto ou um ataque terrorista. E, consequentemente, a partir desse esforço internacional coordenado entre as autoridades policiais, permitir que as famílias das vítimas “iniciem o processo de cura e que as sociedades se reconstruam”. 

As tarefas de DVI são apoiadas por um grupo de trabalho, que incluem peritos forenses e policiais, seguindo diretrizes e programas de treinamento de: cuidado às vítimas e apoio à família; assistência ocupacional para equipes DVI; conformidade com padrões internacionais e controles forenses de garantia de qualidade; compartilhamento e troca de informações e assistência operacional a países que não possuem capacidade de DVI.

VEJA MAIS 

image PF investiga denúncias de furto do motor da embarcação encontrada à deriva com corpos no Pará
Entre as denúncias, está a de que o motor do barco valeria R$ 100 mil e, possivelmente, teria sido comercializado por R$ 10 mil

image Embarcação onde corpos foram encontrados no Pará chega a Belém
O barco já chegou na capital paraense e se encontra na Base Naval de Val de Cães

image Perito que atuou em Brumadinho vai trabalhar no reconhecimento de corpos encontrados no Pará
Carlos Palhares é chefe do Instituto ​Nacional de Criminalística (INC) e tem vasta experiência em Identificação de Vítimas de Desastres (DVI)

De acordo com a PF, documentos e objetos encontrados junto aos corpos apontam que as vítimas eram migrantes do continente africano, da região da Mauritânia e Mali, "não sendo possível descartar a existência de pessoas de outras nacionalidades". Há possibilidade das pessoas terem morrido de fome pelo Oceano Oceano Atlântico.

Por meio da perícia realizada nos corpos e no barco foi possível identificar que a embarcação era ocupada por ao menos 25 pessoas, que possivelmente morreram de fome ou sede durante o trajeto no Oceano Atlântico. Além disso, a análise preliminar de documentos encontrados também indica que a embarcação partiu após o dia 17 de janeiro deste ano da Mauritânia, país situado no noroeste da África.

image Vítimas encontradas em barco no Pará podem ter morrido de fome, diz PF
Em entrevista, o superintendente da Polícia Federal no Pará, José Roberto Peres, declarou que foram coletadas várias informações sobre casos semelhantes para que fosse montada uma linha de investigação

image PF define próximos passos na identificação de corpos encontrados em embarcação no Pará
Uma das etapas é realizar um levantamento de todos os corpos e elaborar um checklist com as informações fornecidas por outros países sobre os desaparecidos

image PF acredita que o barco encontrado no Pará seguia para as Ilhas Canárias, na Espanha
Essa é uma das principais linhas de investigação das autoridades policiais, como informou o superintendente da Polícia Federal no Pará, José Roberto Peres

Fases da investigação 

As equipes de DVI são designadas em dois tipos de situações. O desastre aberto, comumente associado a terremotos, inundações ou incêndios florestais, quando ninguém sabe quantas pessoas morreram. E o desastre fechado, que existe probabilidade do número de vítimas ser imediatamente estabelecido. 
 
Para isso, segundo a Interpol, existem quatros etapas para identificação e são: exame do local, dados post mortem (posterior à morte, também chamada de PM), ante-mortem (antes da morte, AM) e a reconciliação – que acontece após a coleta dos dados do PM e AM para identificar as vítimas. A duração desse processo de identificação é variável. 

Além da examinação do local do acidente – que pode levar dias ou semanas - e entrevista dos familiares, são analisadas impressões digitais das vítimas, a arcada dentária, perfil de DNA e indicações físicas, como tatuagens, cicatrizes ou implantes cirúrgicos. 

O perito criminal federal Carlos Palhares trabalha nos esclarecimentos da embarcação encontrada com diversos corpos na região do Tamatateua, em Bragança, no litoral paraense, no dia 13 deste mês. Ele é especialista reconhecido em ciências forenses e possui mais de 15 anos de experiência na PF, além de ser reconhecido por seu trabalho nas investigações do caso Brumadinho. Atualmente ocupando o cargo de diretor do Instituto Nacional de Criminalística (INC), Palhares tem vasta experiência em Identificação de Vítimas de Desastres (DVI).

image Barco encontrado à deriva no Pará possivelmente teve falta de combustível ou falha no motor, diz PF
A análise preliminar de documentos encontrados também indica que a embarcação partiu após o dia 17 de janeiro

image Corpos encontrados no Pará passam por perícia no IML de Belém
O barco e os objetos achados junto às vítimas serão periciados em Bragança, segundo a Polícia Feral (PF)

image Embarcação com corpos encontrados no Pará teria percorrido mais de 4 mil km, diz PF
A informação foi detalhada pelo superintendente da Polícia Federal no Pará, José Roberto Peres, nesta terça-feira (16).

Perícia da embarcação

Na última segunda-feira (15), o barco tinha sido encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Bragança, onde já foi periciado, junto com os objetos localizados nele. Agora, o barco se encontra na Base Naval de Val de Cães, na capital paraense, para ser periciada por técnicos da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental (CPAOR), para o Inquérito sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), já instaurado pela CPAOR.

A embarcação, fabricada com fibra de vidro e com cerca de 13 metros de comprimento, foi encontrada sem motores ou quaisquer sistemas de propulsão e direção, ainda segundo a Marinha do Brasil. Além disso, não apresenta sinais de danos estruturais, indicando não ter passado por naufrágio.  Mesmo assim, a PF investiga denúncias de que os motores do barco teriam sido furtados.

Em nota, a Capitania dos Portos explicou que o objetivo da perícia é "buscar indícios que esclareçam as causas do acidente". Serão analisados, ainda, elementos que indiquem a origem da embarcação.

Investigações do MPF

Ainda no sábado (13), data da localização da embarcação, o Ministério Público Federal (MPF) informou que abrirá duas investigações para apurar o caso.

O procurador-chefe do MPF no Pará, Felipe de Moura Palha, determinou a abertura de investigação na área criminal e de investigação na área cível, que será realizada pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, órgão do MPF para a defesa de direitos humanos.

Uma investigação criminal foca em eventuais crimes cometidos e na responsabilização penal de autores. A investigação cível concentra-se em questões de interesse público e na proteção de direitos que não necessariamente envolvem crimes.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA