Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Conflito entre duas facções motivou massacre em Altamira; entenda

Membros do Comando Classe A (CCA), vinculada ao PCC, mataram integrantes do Comando Vermelho (CV), segundo a Susipe

Caio Oliveira

Na entrevista coletiva concedida no começo da tarde desta segunda-feira (29), o secretário Extraordinário de Estado para Assuntos Penitenciários da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) Jarbas Vasconcelos confirmou que o massacre que deixou 52 mortos no Presídio de Altamira foi feito por membros das facções Comando Classe A (CCA) e Comando Vermelho (CV).

"Lá em Altamira há uma facção local chamada Comando Classe A, que divide o presídio com os integrantes do Comando Vermelho, e foram esses membros do CV que foram vítimas dessa prática por membros do CCA", disse o secretário. Segundo dados da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o Comando Classe A é uma das 15 facções em todo território nacional aliadas ao Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa paulista com atuação em todo Brasil e países como Paraguai e Colômbia.

LEIA MAIS:
'Pergunte o que as vítimas deles acham', diz Bolsonaro sobre presos mortos em Altamira
Apenas dez dos 46 transferidos após massacre de Altamira vão para prisões federais

57 presos são mortos durante confronto entre facções em presídio de Altamira
Conflito entre duas facções motivou massacre em Altamira; entenda
Massacre em presídio de Altamira é o maior do ano em um único presídio no Brasil
Moro e Helder decidem transferir envolvidos em massacre em Altamira para presídios federais
Susipe nega veracidade de vídeo onde PCC ameaça matar rivais em Parauapebas
Presídios paraenses estão à mercê de organizações criminosas, admite Susipe
Operação da Susipe quer chegar a 7 mil internos em presídios do Pará

O CCA seria um dos principais braços do PCC no norte, e, como disse o secretário da Susipe, é uma facção nascida no Pará. O PCC está em constante confronto com o Comando Vermelho, facção surgida em Ilha Grande (RJ), extremamente violenta e também de grande influência nos presídios. Na busca para garantir territórios, as alianças entre os grupos nacionais com facções locais tem sido comuns.

Os membros de CCA teriam rompido o isolamento do pavilhão onde eram mantidos para chegar ao pavilhão dos integrantes do CV, já que as duas facções ficam separadas no presídio. "Foi um ataque rápido e dirigido, com a finalidade de eliminar os rivais", disse o secretário Jarbas Vasconcelos.

Para prevenir ações desse tipo, Vasconcelos disse que há um monitoramento preventivo constante, além de transferências de membros de facções que podem incitar rebeliões e massacres. Contudo, a Susipe não conseguiu se antecipar ao massacre de Altamira.

"Não tínhamos nenhum relatório de nossa inteligência reportando um ataque dessa magnitude de uma organização contra a outra. Essas refregas entre facções criminosas ocorrem no sistema prisional como um todo, e praticamente diariamente ficamos transferindo presos - líderes ou não - para outras unidades prisionais. Mas, neste caso, não tínhamos essa informação", disse o secretário.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA