Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Apenas dez dos 46 transferidos após massacre de Altamira vão para prisões federais

Com apoio de aviões e caminhão, transferência de líderes de facções durará o dia inteiro

Redação integrada de O Liberal

O governo do Pará confirmou esta manhã que apenas dez dos 46 apenados a serem transferidos após o massacre ocorrido nesta segunda (29) no presídio de Altamira irão para prisões federais. Os outros 36 irão para outras cadeias dentro do próprio Estado. A transferência dos apenados, identificados como líderes ou envovidos diretamente no confronto ocorrido no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRA), será feita durante toda esta desta terça-feira (30), por rodovia e com apoio de aeronaves, confirmou o governo na manhã desta terça (30).

LEIA MAIS:
Presos transferidos chegam a Belém e seguem para o complexo de Americano
'Pergunte o que as vítimas deles acham', diz Bolsonaro sobre presos mortos em Altamira
57 presos são mortos durante confronto entre facções em presídio de Altamira
Conflito entre duas facções motivou massacre em Altamira; entenda
Massacre em presídio de Altamira é o maior do ano em um único presídio no Brasil
Moro e Helder decidem transferir envolvidos em massacre em Altamira para presídios federais

Aeronaves mobilizadas
 

A operação iniciou antes das 9h30 da manhã, com a primeira transferência dos presos. Três dos 16 custodiados que irão para o regime federal por determinação do Ministério da Justiça, Sergio Moro, após solicitação do governador Helder Barbalho, partiram do aeroporto municipal de Altamira para Belém.

Luziel Barbosa, Renilson de Paula Alves e Ezequias Santana da Conceição, que passaram a noite na Delegacia de Altamira, após prestarem depoimento, irão para o regime federal por determinação do Ministério da Justiça, após solicitação do governador Helder Barbalho.

Eles decolaram do aeroporto municipal de Altamira e serão encaminhados ao Complexo Penitenciário de Americano, em Santa Izabel, até determinação de nova transferência para outro Estado. 

Segundo o governo do Estado, outros traslados devem ocorrer ao longo do dia e a programação é de conclusão dos trabalhos ainda hoje.

Imagens do conflito entre facções em Altamira: 57 mortos (via redes sociais)

Outros 30 seguem em caminhão-cela, por estrada
 

Às 10h também foram transferidos, em procedimento semelhante, também saindo da delegacia, Edicley Lima Silva, Melzemias Pereira Ribeiro, Hildson Alves da Silva e Marcos Vinícius Nonato de Souza (Bananada).

Os 30 presos restantes ainda a serem transferidos seguem em caminhão-cela que parte para Marabá antes do meio dia.

Ainda na segunda-feira (29), o Gabinete de Gestão da Segurança Pública do Pará determinou a transferência imediata de 46 custodiados da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) envolvidos no confronto. Foram confirmadas as mortes de 57 detentos.

Demais serão levados a outros presídios paraenses
 

Dez dos 16 identificados como líderes das facções criminosas, que comandaram o ato, irão para o regime federal, conforme tratativas realizadas entre o governador Helder Barbalho e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

O restante será redistribuído pelos presídios do Estado.

Presídio de Altamira (Glaydson Castro / TV Liberal - arquivo)

Atendimento a famílias é feito à porta do presídio
 

Uma unidade de atendimento médico e psicológico às famílias dos presos foi montada à entrada do presídio onde houve o massacre em Altamira.

Segundo o governo, o objetivo é prestar apoio durante momento de confirmação dos nomes. Por ordem do Gabinete de Gestão, os familiares foram os primeiros a ter acesso à listagem, disse esta manhã do governo do Estado (com informações da Agência Pará).

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA