Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Advogado que matou a mãe: Ministério Público aponta autoria do crime à irmã do advogado

O advogado Leonardo Felipe Giugni Bahia seria o coautor do crime e tentou matar a própria irmã, apontada como assassina da mãe

O Liberal

No dia 18 de janeiro deste ano, o advogado Leonardo Felipe Giugni Bahia foi apontado como assassino da própria mãe. Ele teria matado ela a facadas e atentado contra a vida da irmã, em Belém. Mas o caso agora tem uma reviravolta: o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) aponta que o feminicídio foi cometido pela irmã de Leonardo. O advogado agora é apontado como coautor do crime e está sendo acusado de tentar matar também a irmã.

VEJA MAIS

MP pede prisão preventiva de advogado suspeito de matar a mãe no Pará
Além do crime de feminicídio, Leonardo Felipe também teria tentado matar a irmã

'Eu te amo, você é meu bebê', teria dito irmã de advogado que matou a mãe, antes de ser liberada
Segundo a Polícia Civil, a fala da irmã fez com que Leonardo Felipe Giugni Bahia desistisse de cometer outro crime

PC não acredita que antialérgico possa ter causado surto psicótico em advogado que matou a mãe
De acordo com o delegado Cláudio Galeno, diretor da DH, especialistas dizem que o remédio, por si só, não produziria esse efeito

O Promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado, ofereceu aditamento à denúncia criminal no caso do advogado acusado de matar a própria mãe a facadas e de ferir e tentar matar a própria irmã. Após a inclusão de novas perícias nos autos, a Promotoria concluiu que ficou comprovado que o feminicídio contra a mãe foi praticado pela irmã. Tudo aconteceu na casa da família, no bairro de Batista Campos, em Belém.

"Inicialmente, o advogado havia confessado ter assassinado a própria mãe e tentar matar a irmã. Ele foi denunciado como autor dos dois crimes. Porém, de acordo com a peça processual, posteriormente foi comprovado que o assassinato da mãe teve autoria da irmã e coautoria do advogado. A mãe foi vítima de feminicídio triplamente qualificado por motivo fútil, mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima mulher, por razões da condição de sexo feminino, em contexto de violência de gênero e prevalecendo-se de relações domésticas de coabitação e hospitalidade. O advogado também responde pela tentativa de feminicídio quadruplamente qualificado, cometido contra a irmã", diz nota publicada pelo MPPA nesta quinta-feira (30).

Durante as investigações, aponta o MPPA, surgiram provas que apontam a irmã como autora principal do feminicídio. Os laudos de exame de corpo de delito apontaram vestígios, predominantemente, da irmã na lâmina da faca de madeira. Também há depoimentos de três testemunhas que reforçam o convencimento da Promotoria. O advogado foi declarado coautor do assassinato da mãe devido aos exames também terem identificado vestígios dele na arma do crime.

Exclusivo: Advogado que matou a mãe tem apenas três meses de inscrição na OAB, sem histórico de mau comportamento
Leonardo Felipe Giuni Bahia tirou a carteira profissional da instituição em outubro do ano passado

Advogado que matou a mãe: investigações seguem por mais 10 dias
Mesmo com a prisão de Leonardo Felipe Giugni Bahia, a Polícia Civil vai seguir com as investigações para ouvir testemunhas e solicitar exames ao acusado

Antes de matar a mãe a facadas, advogado tentou enforcar a irmã em Belém; entenda o caso
Mulher ainda teve dois cortes superficiais no corpo e conseguiu escapar sem gravidade

"Levando em conta esses fatos, no aditamento à denúncia a Promotoria requer a prisão preventiva da irmã, pela autoria principal no crime de feminicídio. O Ministério Público acredita que em liberdade a autora poderia alterar as provas do processo, intimidar as testemunhas ou fugir. Além disso, segundo depoimentos, foi constatado que a acusada toma remédios controlados que alteram a personalidade, o que pode representar um perigo para as testemunhas e toda a sociedade", conclui o comunicado do MPPA.

Dentre as diligências demandadas pelo MPPA estão a reprodução simulada dos fatos no local do crime; reinquirição dos dois acusados; exame de sanidade mental dos acusados; oitivas do médico psiquiatra, que realizava atendimento da irmã e dos porteiros que estavam no dia dos crimes, perícia da roupa usada pela irmã no dia do fato, que não foi realizada antes; e perícia do colchão onde a mãe estava deitada no dia.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA