logo jornal amazonia

Acusado de tentar matar policial penal em Belém é condenado a mais de 24 anos prisão

O crime ocorreu no dia 17 de julho de 2021, na passagem Bom Jesus, bairro da Sacramenta

O Liberal
fonte

Carlos Vitor Ramos Silva, de 20 anos, foi condenado nesta quarta-feira (19) a 24 anos, 10 meses e 34 dias de reclusão em regime fechado por tentativa de homicídio contra o policial penal Sebastião de Nazaré e Júlio Nunes Gonçalves. O crime ocorreu no dia 17 de julho de 2021, na passagem Bom Jesus, bairro da Sacramenta, em Belém. O julgamento, realizado no Fórum Criminal da capital paraense, foi presidido pelo juiz Dr. Claudio Hernandes Sila Lima, titular da 4ª Vara do Júri de Belém.

Veja mais


image Acusado de matar marido da prima no Jurunas é condenado a 10 anos de prisão
Segundo a Justiça, eles tinham histórico de conflitos familiares

image Policial militar que matou cão "Lobo" é condenado a 4,8 anos de reclusão e multa
Fato ocorreu no Natal de 2020 e teve grande repercussão à época

image Acusado de matar o lutador de MMA 'Mamute' é condenado a 18 anos de prisão pela justiça
José Cleiton de Souza Santos é um dos três envolvidos no homicídio, ocorrido em abril de 2018, em Outeiro

A defesa de Carlos foi constituída pelos advogados Aldemar Barbalho de Oliveira Filho, Humberto Feio Boulhosa, Américo Lins da Silva Leal, Naly Rodrigues Bacha e Carlos Eduardo Tavares Fernandes. Pela próprios defensores, foram arranjadas a mãe do réu, Maria Luzicleide Ferreira Ramos, e Raimunda Luzileide Ferreira Ramos. 

O Ministério Público do Pará (MPPA) arrolou outras três testemunhas, além das duas vítimas. Os policiais militares Rosivan Diego Carvalho dos Santos e Maurílio Furtado dos Santos foram ouvidos pelo juiz junto com o delegado da Polícia Civil (PC) José Eduardo Rollo da Silva.

Sebastião alegou que dois indivíduos armados se aproximaram dele, sendo um deles, o réu, que efetuou pelo menos seis ou sete disparos de arma de fogo. Um dos tiros chegou a acertar a vítima na altura do abdômen. O policial penal sacou a arma e atirou contra a dupla de criminosos. 

O réu relatou que tinha consumido cocaína e maconha quando cometeu o crime e estava sem dormir dois dias e duas noites. Os jurados votaram em três séries de quesito por cada vítima do atentado e votaram, conforme o art. 45, da lei 11.343, que Carlos era incapaz de entender o caráter ilícito do fato, tese sustentada pelo advogado Américo. 

Além da sentença, o juiz determinou Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) realize exame pericial para constatar a dependência química do réu. Caso seja confirmada, Carlos deve fazer tratamento na penitenciária. 

 

Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA