logo jornal amazonia

Acusado de matar marido da prima no Jurunas é condenado a 10 anos de prisão

Segundo a Justiça, eles tinham histórico de conflitos familiares

O Liberal

Mauro Amaral Braga, de 42 anos, foi condenado a 10 anos de prisão por matar o marido da prima, Fabrício Allan Rodrigues Marciel, de 33. O crime ocorreu na frente da vila onde os familiares do réu moravam, localizada na rua Monte Alegre, no bairro do Jurunas, em Belém. Segundo a Justiça, eles tinham histórico de conflitos familiares.

VEJA MAIS

Policial militar que matou cão "Lobo" é condenado a 4,8 anos de reclusão e multa
Fato ocorreu no Natal de 2020 e teve grande repercussão à época

Acusado de matar o lutador de MMA 'Mamute' é condenado a 18 anos de prisão pela justiça
José Cleiton de Souza Santos é um dos três envolvidos no homicídio, ocorrido em abril de 2018, em Outeiro

Acusado de matar comerciante que assediou mulher no Ver-o-Peso é condenado a dez anos de prisão
A decisão do júri reconhece que o condenado agiu “sob domínio de violenta emoção após ser provocado pela vítima” e reduziu a pena

A decisão do 1º Tribunal do Júri de Belém reconheceu que o réu cometeu o crime de homicídio movido por violenta emoção, após presenciar uma briga envolvendo a vítima e um irmão da mulher da vítima, prima do condenado.

A defesa do acusado sustentou que o réu agiu em legítima defesa própria. Segundo a versão do réu, a vítima o ameaçou, indo em sua direção com uma faca. Por isso, ele pegou o revólver que possuía em casa e efetuou um único disparo em Fabrício que, mesmo socorrido, não sobreviveu ao ferimento.

Já a acusação do réu pediu a condenação como autor de homicídio simples, cuja pena prevista é de seis a 20 anos, acolhida parcialmente pelos jurados. A viúva da vítima relatou que estava ocorrendo uma confusão em família e o primo se meteu. Ele chegou armado e efetuou um tiro no seu companheiro.

No interrogatório, o réu ainda alegou que a vítima costumava criar confusão e que a prima não o denunciava por temer pelo seu comportamento agressivo. O réu alegou que ele ameaçava a todos da família e que no dia do crime estava brigando com o irmão da mulher.

O tribunal do juri foi presidido pelo juiz Edmar Pereira.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA