Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Urina preta: Óbidos registra três casos suspeitos e emite alerta

Recomendação é suspender, temporariamente, o consumo dos peixes pirapitinga, tambaqui e pacu

O Liberal

Três casos de doença da urina preta, nome vulgar da síndrome de Haff, estão sendo investigados pela Prefeitura Municipal de Óbidos. O alerta foi postado nas redes sociais da prefeitura, que recomenda a suspensão temporária do consumo dos peixes pirapitinga, tambaqui e pacu. Essas são algumas das espécies que mais costumam levar às contaminações. A doença, por enquanto, não tem cura e pode ser fatal. Desde o final do ano passado, o Pará não tinha alertas relacionados à doença, que fechou 2021 com 25 casos suspeitos, segundo levantamento da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa).

"O município de Óbidos, até o momento, registra 3 casos suspeitos e nenhum confirmado. Ressaltamos que os referidos casos seguem em processo de investigação epidemiológica e tão breve tenhamos um resultado, informaremos a população. Diante do risco de ocorrência em nosso município a Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Divisão de Vigilância em Saúde, recomenda a não ingestão de pescado das espécies: pirapitinga (Piaractus brachypomus), tambaqui (Colossoma macropomum) e pacu (Piaractus mesopotamicus)", diz a nota.

VEJA MAIS

Casos suspeitos de síndrome de Haff registrados no Pará podem ficar sem confirmação da doença
A Sespa afirma que as amostras encaminhadas ao laboratório de referência servirão para pesquisas da provável causa dos sintomas,  não para confirmação dos casos.

Fiocruz descobre possível causa do surto da ‘doença da urina preta’ no Brasil
A teoria mais aceita é de que os peixes e crustáceos não produzem eles mesmos as toxinas, mas acumulam no seu corpo compostos produzidos por outros organismos.

VÍDEO: Pará está há 13 dias sem novos casos suspeitos de urina preta
Última notificação foi no dia 28 de outubro, em Santarém. Desde então, a crise de saúde que afetou o setor pesqueiro parece ter estagnado

Estudos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), referência na pesquisa sobre a doença, apontam que a toxina também está relacionada a alguns crustáceos, como o camarão. Não há recomendação de suspensão do consumo, mas a prefeitura pede cautela e critério para escolher o alimento.

"A Vigilância em Saúde emite o presente alerta epidemiológico com o objetivo principal de avisar os profissionais de saúde da rede pública e privada quanto a identificação de notificação precoce, bem como o poder público municipal, quanto à necessidade de medidas preventivas cabíveis. Orientamos a população que caso apresentem sintomas como: fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dormência, urina escura, iniciados de 2 a 12 horas após o consumo de peixe, que busque imediatamente atendimento médico", conclui a nota da Prefeitura de Óbidos.

A Redação Integrada de O Liberal entrou em contato com Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) para comentar o assunto e aguarda retorno.

Doença da urina preta: o que se sabe sobre o avanço dos casos no Pará e no Brasil
Rara e pouco estudada, a síndrome ainda não tem causa definida e segue em investigação

VÍDEO: Instituto Evandro Chagas cria grupo de trabalho para investigar 'Urina Preta'
11 pesquisadores analisam dados e criam metodologia para avançar nas pesquisas relacionadas a doença para auxiliar a Sespa

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ