Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Hipertensão: Pará tem 2.500 internações ao ano, informa Sespa

Doença pode acometer qualquer idade, porém é mais comum em população com idades mais avançadas.

Eduardo Rocha

Aos 18 anos de idade, quando fez exame admissional para emprego, o contador Alexandre Vilanova, 59 anos, descobriu que tinha hipertensão. Desde então, ele não abre mão de tomar os medicamentos receitados contra a enfermidade. Alexandre sabe muito bem com o que está lidando. A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informa que, de acordo com dados do Sistema de Informação em Saúde para Atenção Básica - SISAB, sistema oficial do Ministério da Saúde, 287.202 pessoas estão cadastradas como hipertensas no Pará. A Sespa também informa que, de acordo com dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) do Ministério da Saúde, 2.572 pessoas no Pará foram hospitalizadas com quadro de hipertensão em 2020. No ano seguinte, foram 2.521 internações pela doença.

VEJA MAIS

Dia Nacional de Combate à Hipertensão

Cadastro no SUS: Belém espera registro de 650 mil usuários; saiba como fazer
Campanha "Cadastra Belém" inicia mais uma ação nesta segunda-feira na área de expansão da capital

Nesta terça-feira (26), transcorre o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. Especialistas, gestores e funcionários de órgãos públicos, empresas, instituições e entidades aproveitam a data para reforçar a prevenção e cuidados com relação à doença. A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) informa que no mundo cerca de 10 milhões de pessoas morrem de complicações da hipertensão arterial por ano. No Brasil, entre 30% e 35% da população acima de 18 anos têm hipertensão arterial.

Monitoramento

Alexandre Vilanova toma dois medicamentos para hipertensão arterial todos os dias. “Eu tomo religiosamente nos horários, um pela manhã e outro antes de dormir, e adoto outros cuidados, como evitar o excesso de sal, evito refrigerante, excesso de gordura, como bastante salada, porque aqui em casa salada é lei, e faço hidroginástica”, relata. 

Avanços tecnológicos garantem longevidade e bem-estar para pacientes cardíacos
Pacientes que possuem insuficiência cardíaca e hipertensão arterial conseguem ter qualidade de vida com ajuda da tecnologia

Desde que se descobriu hipertenso, Alexandre faz acompanhamento médico anual. “Eu recomendo para as pessoas que tomem cuidado, porque essa doença é silenciosa e quando ataca é de forma traiçoeira; por isso, não custa nada fazer exame, verificar a pressão arterial e conferir o coração, uma vez por ano, no mínimo, em qualquer idade”,  arremata.

Covid-19

A SBC aproveita a data para alertar que, durante a pandemia, a situação se agravou, por causa dos fatores de risco. Segundo a cardiologista Lucélia Magalhães, presidente do Departamento de Hipertensão Arterial (DHA) da SBC, há várias ligações entre a pressão arterial e a covid-19. Uma delas é o dado epidemiológico inicial: em 2020 ficou claro que a hipertensão arterial foi o fator de risco mais importante para a morte de pacientes com covid-19

Covid-19: Primeira morte por Ômicron é confirmada no Brasil
A vítima era portadora de doença pulmonar obstrutiva crônica e hipertensão arterial e estava vacinada com as duas doses do imunizante contra a covid-19 e a dose de reforço

Hipertensa e com apenas um rim, Vanessa da Mata recebe vacina contra covid-19 e defende SUS
"Viva o SUS e todos os profissionais da saúde!", disse

No fim de 2021 e começo de 2022, percebeu-se que pessoas que não tinham nenhuma história de hipertensão arterial, mas que tiveram covid-19 confirmada, começaram a apresentar pressão alta. Estudos recentes mostram que a covid-19 facilita o desenvolvimento de hipertensão e de doenças crônicas, por exemplo, diabetes. “A orientação é que os pacientes com hipertensão que estão com covid-19 continuem seu tratamento, com boa adesão. Já as pessoas que não eram hipertensas e tiveram covid-19, precisam vigiar a pressão arterial, seja logo após contrair o vírus, seja em médio ou até longo prazo, porque estudos indicam que os efeitos podem aparecer de algumas semanas a alguns meses”, explica Lucélia. Deve-se atentar para o aumento de peso como fator de risco da  hipertensão.

Como repassa a Sesma, o tratamento da doença, incluindo prescrição medicamentosa, é ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), executado pelas Secretarias Municipais de Saúde e destinado ao acompanhamento de portadores de hipertensão. O atendimento ao hipertenso é feito inicialmente pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Medicações para hipertensão são disponibilizadas de maneira gratuita pelo SUS e conseguem ter um bom efeito no controle da pressão alta. 

Alerta

O cardiologista Antonio Monteiro é filiado à SBC, Sociedade Paulista de Cardiologia e Sociedade Europeia de Cardiologia. Ele destaca que a  hipertensão arterial é uma doença crônica, não transmissível e multifatorial e se caracteriza pelo aumento da pressão arterial acima do limite considerado normal quando aferida por meio de aparelhos médicos e de forma correta. Em termos técnicos, caracterizada por elevação persistente da pressão arterial (PA), ou seja, PA sistólica (PAS) maior ou igual a 140 mmHg e/ou PA diastólica (PAD) maior ou igual a 90 mmHg, em pelo menos duas ocasiões diferentes, na ausência de medicação anti-hipertensiva.

Em geral, a doença não apresenta sintomas, mas em algumas situações o paciente relata cefaleia, com dor de cabeça, principalmente, atrás da nuca ou mal-estar. “Mas é aí que mora o perigo da hipertensão arterial, por não estar relacionada a sintomas específicos, muitas vezes os pacientes nem sabem ou desconfiam que são portadores de hipertensão arterial e só descobrem quando sofrem as consequências da pressão alta não tratada, como infartos e derrames cerebrais ou desenvolvem o que chamamos de insuficiência cardíaca, que é quando o coração perde sua capacidade de bombear o sangue corretamente”, pontua o médico.

As causas da doença abrangem, entre outras, envelhecimento das artérias, desregulação hormonal, das funções dos órgãos. De maneira geral, a maioria da população não consegue determinar uma causa isolada e específica, por isso é considerada uma doença multifatorial, pois diversos fatores podem causar a hipertensão arterial. 

A hipertensão arterial pode acometer qualquer idade, porém é mais comum que aconteça em população com idades mais avançadas. Em média, 65% das pessoas com idade superior a 60 anos são portadoras de hipertensão arterial. Quando acomete pessoas mais jovens, principalmente crianças e adolescentes, é obrigatório investigar a causa, para que seja tratada corretamente. 

“A melhor forma de prevenir a hipertensão arterial é aplicando as mudanças de hábitos de vida. A hipertensão tem como fatores de risco a obesidade, a alimentação desregulada e o sedentarismo. Então, para que o paciente consiga prevenir a doença é importante a realização de atividade física regular, alteração dos hábitos alimentares, visando a perda de peso em caso de sobrepeso e tentando se alimentar da forma mais saudável possível, reduzindo sal, gorduras e açúcares. E cessar o uso de cigarro, assim como do álcool”, enfatiza Antonio Monteiro. 

As principais consequências de uma pressão arterial alta e não tratada são lesões de órgão alvos, podendo levar o paciente a um quadro de insuficiência cardíaca, infarto e arritmias, cegueira, acidentes vasculares encefálicos (derrame), disfunção vasculares que podem causar por exemplo impotência em pacientes do sexo masculino. Tais consequências são graves e podem inclusive levar a morte.  A hipertensão não tem cura, mas pode ser controlada.

Palavras-chave

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ