Caso Mangueirão: presidente do Remo prioriza segurança, mas diz: "Vamos ter prejuízo"

Leão enfrentaria o Tapajós neste dia 20 de janeiro, mas a partida foi adiada por reformas no Mangueirão

Redação Integrada

A interdição da metade que corresponde ao lado A do Mangueirão, por conta de pedaços de concreto que se desprenderam do teto das arquibancadas, provocou o adiamento da estreia de Remo e Tapajós no campeonato paraense. Os dois se enfrentariam neste dia 20 de janeiro, mas o jogo deve passar para o dia 27. O presidente do Leão, mandante do duelo, Fábio Bentes, priorizou a segurança do torcedor, mas destacou o prejuízo financeiro que a mudança provocará ao clube.

Leia mais:

Por problemas estruturais, Mangueirão é parcialmente interditado e estreia do Remo é adiada

Arquiteto do Mangueirão aponta abandono do estádio: "Ele pede socorro"

Após queda de parte do teto, diretor da FPF garante que Remo jogará no Mangueirão

Ainda na rampa do Mangueirão, durante a vistoria acompanhada do titular da Seel (Secretaria de Estado de Esporte e Lazer) e também de dirigentes da FPF (Federação Paraense de Futebol) e do Governador do Pará, Helder Barbalho, o mandatário azulino falou do problema de última de hora no Mangueirão que acarreta mudanças de planos no futebol azulino. 

"A segurança do torcedor em primeiro lugar. Vamos aguardar um pouco mais, sei que vamos ter prejuízo com o jogo transferido. É uma situação que não esperávamos ter na reta final para a estreia. Agora é esperar até o dia 27. Será uma semana a mais na espera do jogo", explicou. 

Por conta do adiamento, as vendas de ingressos para a estreia foram suspensas, mas Fábio deu recado aos torcedores que compraram a carga de 5 mil entradas promocionais esgotada na quarta-feira (9). "Sem problema. Eles guardam seus bilhetes para o dia do jogo. Por outro lado, já suspendemos a venda".

Remo