Entusiasta do Círio, escrita de João Carlos Pereira segue viva durante a festividade

A família do escritor planeja lançar novas obras do escritor e jornalista

Bruna Lima

A procissão do Círio 2022 de Nossa Senhora de Nazaré volta para a sua normalidade, mas com modificações marcantes. Uma delas é a ausência física do escritor e jornalista João Carlos Pereira, que não vai estar nesta edição para relatar as histórias com o tom de poesia que dava ao assunto.

Como um grande adorador do Círio e de Nossa Senhora de Nazaré, o jornalista e pesquisador se debruçava no assunto para dividir com leitores, por meio da coluna em O Liberal, e também com os telespectadores, com a função de comentarista da TV Liberal.

VEJA MAIS

Círio 2022: Veja a Berlinda da Virgem de Nazaré para a procissão deste domingo (9)
A corda já está com a Guarda de Nossa Senhora de Nazaré e aguardando o atrelamento no complexo do Ver-o-Peso

Círio 2022: 'Não estamos retornando. Estamos vivendo o Círio', diz dom Alberto
Mensagem do arcebispo metropolitano de Belém reforça que o mundo está com os olhos voltados para o Pará, que vive o Círio em outubro

Para a família do escritor, ainda não é nada fácil enfrentar essa ausência de perto, principalmente nesta época do ano. Mariana Pereira, uma das três filhas de João, diz que no ano passado, mesmo sem a procissão, optou em passar o período mariano viajando. Ela lembra que a distância não ajudou a amenizar a dor, pois o espírito do Círio esteve lado a lado com a família.

“Esse ano decidimos ficar. Vamos acompanhar a trasladação, inclusive. Como fazíamos com ele. Eu estou meio anestesiada. Sei que a data está chegando, mas a correria do trabalho não deixa que eu programe muito esse momento. Então, só vivendo na hora mesmo”, explica.

Círio 2022: Carioca eterniza fé em Nossa Senhora com tatuagem da imagem e da Basílica
Depois de 30 anos em Belém, representante comercial fala sobre a construção da sua devoção à Nossa Senhora de Nazaré

Círio 2022: Catedral Metropolitana de Belém fica lotada para a Missa do Círio neste domingo (9)
Programação oficial começa às 6h com a missa e segue com a Imagem Peregrina indo para o atrelamento à corda

Mariana recorda que o Círio em sua casa começava desde o mês de setembro, quando seu pai começava a frequentar mais a Basílica de Nazaré; era quando ele iniciava a decoração da casa. E nesse tempo, ele se preparava para as coberturas e transmissões em O Liberal e na TV Liberal. “Eu presenciava situações muito sigilosas; era uma rotina boa e que deixava ele feliz. Quando ele recebia o convite para a transmissão da TV Liberal ficava radiante, e a gente também ficava por ele”, se emociona Mariana.

Em 2020, já com a pandemia, João Carlos Pereira fez a última transmissão sobre o Círio, mas três dias depois ele adoeceu por conta da covid-19. Em 10 de novembro ele morreu em decorrência de complicações da doença. 

Eternizado pelos escritos

Mariana diz que apesar do pai não ter nenhum livro específico sobre o Círio, ele planejava escrever uma coletânea. Seria um livro dividido em três volumes. Todo o material, tanto escrito a mão como digitalizado, está guardado em poder da família, que está aguardando apenas o momento certo para a publicação.

“Agora que vão fazer dois anos, a gente mudou de casa, a vida deu uma grande chacoalhada. Entrar em contato com isso ainda dói muito. A gente ainda não teve coragem de mexer nesses materiais. Mas está tudo muito bem guardado. O acervo de livros dele foi doado para o Centur, mas as pesquisas, pastas e os escritos estão guardados”, informa Mariana.

Círio 2022: professora de Belém se sente abençoada porque também é 'Maria, Mãe e Mestra'; vídeo
Fervorosamente devota, a paraense Maria de Nazaré se viu abençoada pela temática do Círio deste ano porque também se chama Maria, é mãe de uma forma especial e professora

Círio 2022: Festa da Chiquita retorna com grande público e em defesa da diversidade
O jornalista Zeca Camargo e a atriz Bárbara Paes receberam uma distinção em prol dos direitos LGBTQIA+

Outra obra do escritor que deve ser publicada é um livro de crônicas. O conteúdo deve ser dividido em dois volumes. “Durante a pandemia o papai escreveu uma crônica por dia, durante cem dias consecutivos, e mais algumas crônicas de forma espaçada. Então, são quase 140 crônicas. A gente quer entrar em alguns editais para poder lançar. O livro deve se chamar Crônicas de Um Desespero ou Paz”, acrescenta a filha do escritor.

Outras duas produções literárias são em parceria com Mário Barata. O trabalho já está avançado, só no aguardo de incentivos para o lançamento.

Palavras-chave

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA