Adolescente autista é agredido enquanto voltava da escola

Adolescente de 16 anos estava dentro de um ônibus quando um grupo o atacou

Emilly Melo

Um adolescente autista de 16 anos foi agredido dentro de um ônibus quando voltava da escola, na tarde da última quinta-feira (3), em Maricá, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O estudante fazia o trajeto, que dura cerca de 10 minutos, sozinho quando três rapazes o atacaram. O caso foi registrado nesta sexta-feira (4). Com informações do Extra.

VEJA MAIS

Jovem é agredido com socos em academia após recusar revezar aparelhos; vídeo
Câmeras de segurança registraram o momento em que a vítima é cercada no local e a agressão acontece

Homem espanca adolescente de 14 anos por causa de assobio
Adolescente foi ameaçado de morte e recebeu socos e pontapés

Adolescente de 15 anos grávida de 7 meses é agredida em escola até desmaiar
Desde a agressão, ela deixou de assistir as aulas

Os agressores abordaram o estudante, o derrubaram e bateram nele. A vítima ficou com hematomas no pescoço, na cabeça e com cortes nos lábios. A mãe, Rosane Réde, de 48 anos, também afirmou que ele está em estado de choque

Rosane conta que o filho passou a ir e voltar sozinho da escola há pouco tempo, para dar mais autonomia, a pedido dele. Eles haviam combinado que a mediadora do jovem o colocaria no ônibus e ele avisasse a mãe quando chegasse em casa. O percurso diário da instituição onde o jovem frequenta é feito em um ônibus da Empresa Pública de Transporte (EPT). Ela diz que o garoto não conhecia os agressores.

“E ontem estava um tempo chuvoso. A mediadora me ligou porque ele estava sem sombrinha. Eu pedi para deixá-lo um pouco mais de tempo lá na escola, para ver se a chuva ia diminuir e ele ir para casa. Ele pegou o ônibus, e dentro havia três caras sentados lá trás. Começaram a puxar o short dele, aí ele ficou envergonhado, querendo se defender, né? Reclamou com um deles. E os três começaram a dar socos nele. Eles o jogaram no chão do ônibus. Bateram, machucaram a boca dele toda com socos. Ele está com a orelha roxa e cortada. Pegaram os óculos dele, o fone de ouvido também”, contou a mãe. 

Na segunda-feira (31), o adolescente encontrou com outros meninos de uniforme, de uma escola diferente, que disseram que não teria aula e que ele deveria voltar para casa. Com medo, ele decidiu mudar para outra rua, com outro ônibus, para evitar que implicassem com ele

A mãe afirmou que as agressões contra o estudante pararam somente quando uma passageira interveio, afastando o grupo e recuperando os óculos e fone de ouvido que ele carregava, mas que tinham sido pegos pelos agressores.

Jovem tem cabeça raspada à força pelo namorado e é agredida com cabo de celular
A agressão contra a adolescente de 17 anos era recorrente

Homem é preso suspeito de amarrar pênis de enteado de 9 anos para impedir xixi na cama
Padrasto também teria agredido o menino; mãe da criança fugiu de casa com o filho e denunciou o homem

Menina de 11 anos é agredida por colegas que incentivam seu suicídio
O bullying sofrido pela garota inclui mensagens ameaçadoras

Rosane contou o que aconteceu a uma amiga, também mãe de um jovem com autismo, e foi aconselhada a entrar em contato com a polícia para o registro. Por telefone, o policial de plantão indicou a ida à unidade. No local, a delegada fez o encaminhamento para exames, feitos na mesma noite e que serão anexados ao boletim de ocorrência.

Por meio de nota, a Prefeitura de Maricá diz que "'repudia veementemente a agressão sofrida" pelo estudante e "alerta que todo flagrante de agressão deve ser encaminhado às autoridades competentes para ser punido com o rigor da lei", e que considera inaceitável episódios como esse. 

Ainda segundo o texto, a "Empresa Pública de Transportes tomou conhecimento do caso após registro na Ouvidoria, na manhã desta sexta-feira (04/11) e já está em contato com o denunciante para identificar o número do coletivo e o motorista. As imagens das câmeras serão cedidas à Polícia Civil para identificação dos agressores. A conduta do motorista também será apurada para verificar se houve negligência em sua atuação. Em casos de violência flagrados por motoristas dentro do coletivo, a Polícia Militar ou a Guarda Municipal devem ser acionadas".

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Hamilton Braga, coordenadora do Núcleo de Política)

Palavras-chave

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL