Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

'Beijato' chama atenção para caso de violência contra pessoas LGBTQIA+ em Belém 

Ato foi realizado em frente a um ponto de táxi, localizado na av. Romulo Maiorana com av. José Bonifácio, local onde duas jovens foram agredidas na última quarta-feira (1)

O Liberal

Na tarde desta sexta-feira (3), o beijo entre mulheres foi utilizado como forma de protestos durando o "beijato", manifestação contra casos de lesbofobia organizada por movimentos sociais e amigos de duas jovens que foram agredidas em um ponto de táxi localizado na av. Romulo Maiorana com av. José Bonifácio, na última quarta-feira (1). O ato foi realizado em frente ao ponto de táxi onde foram registradas as cenas de violência, mas o local estava fechado e não haviam representantes dos taxistas para comentar o caso. 

VEJA MAIS

Vítima de agressão física em ponto de táxi, em Belém, presta depoimento na Polícia Civil
“Elas foram agredidas porque são um casal de meninas”, diz prima da vítima

Agressão a jovens em ponto de táxi de Belém gera reações nas redes sociais
Agressões teriam começado depois que as duas teriam se beijado. Parlamentares comentaram o caso no mês do Orgulho LGBTQIA+

Sindicato dos Taxistas se manifesta sobre caso de agressão a jovens
O presidente da instituição disse que as jovens estariam bebendo no ponto de táxi e não aceitaram o pedido para deixar o local

Patrícia Gomes, representante do Coletivo Sapato Preto e Rede Nacional de Mulheres Negras e Lésbicas, explicou que a partir do momento que os movimentos sociais tomaram conhecimento do caso considerado como lesbofobia surgiu a necessidade de organizar a manifestação. "Começamos a contactar com os grupos porque nós temos uma rede de apoio para pensar nesse ato, para sairmos da invisibilidade que é isso que a gente vive, as mulheres lésbicas, as mulheres bissexuais vivem em um mar de invisibilidade e nesse momento de violência a gente precisava fazer alguma coisa", afirmou. 

Além do Coletivo Sapato Preto e da Rede Nacional de Mulheres Negras e Lésbicas, também participaram da manifestação o Coletivos Juntas! Belém, o grupo Lesboamazônidas, a ONG Olívia, o movimento Roda de Sapatão e Lesbi Pará, além de amigos e familiares das vítimas. 

"Era um simples afeto e esse afeto incomodou uma pessoa e gerou toda essa violência. Eu enquanto mulher lésbica senti que também não sou uma mulher livre e o que tem na constituição dizendo que a homofobia é crime não existe, estamos percebendo que precisamos gritar, lutar, para as pessoas entenderem que nós existimos e somos livres", declarou Patrícia Gomes. 

Após o ato, os movimentos sociais planejam dar inicio ao ciclo de atividades dos quinze dias de ativismo da visibilidade lésbica que é celebrado em agosto mas será antecipado este ano em alusão ao caso. "Já vamos colocar em prática tudo o que já estava planejado para a produção efetiva de leis e políticas que atendam a gente", acrescentou Gomes. 

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM