Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

13 de Maio: momento de denunciar o racismo estrutural; vídeo

Eventos marcarão a sexta-feira (13) em Belém com abordagem da necessidade de igualdade racial entre cidadãos

Eduardo Rocha

No dia 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea (Lei n.º 3.353), abolindo a escravatura no Brasil. Esse momento da história do Brasil é lembrado no dia 13 de maio. No entanto, para cidadãos negros no país, a data reacende a necessidade da reflexão sobre racismo que perdura na sociedade brasileira. Por isso, eventos em Belém, nesta sexta-feira (13), vão marcar essa resistência à discriminação racial. Às 16 horas, no Ver-o-Rio, será realizado um ato de celebração para marcar a sanção do Estatuto da Igualdade Racial do Município de Belém.

O prefeito Edmilson Rodrigues; a coordenadora da Coordenadoria Antirracista de Belém (Coant), Elza Rodrigues; a professora e ex-vice-reitora da UFPA, Zélia Amador, fundadora do Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará (Cedenpa), e  lideranças afro-religiosas participaram do evento, que terá como atração cultural o grupo afro Axé Dudu, do Cedenpa.

VEJA MAIS

Conmebol se pronuncia sobre casos de racismo sofridos por clubes brasileiros
Em nota, a entidade condenou as atitudes.

Mulher negra comove a web ao ter medo de segurar mão de repórter branca da Globo
Madalena Silva foi resgatada após ser escravizada em "casa de família" durante 54 anos

Em seguida, no Quilombo da República na praça da República, a partir das 18 horas, será realizado o Ritual das Candeias. Velas serão acessas em homenagem aos antepassados, porque ali na área onde funciona o espaço Quilombo da República, era um cemitério de pessoas escravizadas e de desvalidos. 

Na Universidade do Estado do Pará (Uepa), às 9 horas, será realizada uma mesa de debates sobre o tema "Corpos negros estão movendo o mundo", e às 14 horas, a abordagem dos dez anos da política de ações afirmativas no Brasil, incluindo as cotas universitárias. A coordenação é do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB Uepa), no Auditório Paulo Freire, no campus da rua Djalma Dutra.

"Não comemoramos, mas utilizamos o 13 de maio como Dia Nacional de Luta contra o Racismo, porque as pessoas negras continuam sendo vítimas do racismo; o racismo é estruturante das relações de poder", enfatiza a professora Zélia Amador.

Monteiro Lobato possibilita discussão contra racismo e preconceitos com o público infantil
Em sua homenagem é criado o dia 18 de abril, dia do livro infantil.

Estrutural 

O professor e geógrafo Aiala Colares, da Universidade do Estado do Pará (Uepa), destaca que o racismo estrutural pode ser compreendido a partir do movimento da sociedade que deixa evidente o caráter de exclusão social que atinge a população negra.

"E as instituições funcionam justamente para poder fazer com que isso se fundamente. Então, o caráter de desigualdade, exclusão social que o Brasil apresenta é muito baseado numa questão racial", pontua Aiala. 

Os cidadãos mais atingidos por esse processo são as pessoas negras nas grandes cidades e na zona rural. Para se buscar a superação do racismo estrutural no país é preciso criar uma politica efetiva de inclusão social, não apenas no sistema de cotas nas universidades, mas também na ampliação das oportunidades e possibilidades para que essa população ocupe espaços privilegiados, bem como por meio de investimentos em educação, como diz o professor Aiala Colares. 

Aiala Colares: racismo estrutural fere a pessoa por dentro, deixa feridas profundas (Foto: Cristino Martins / O Liberal)

Episódio de racismo entre Rodolfo e João Luiz no BBB completa um ano; relembre o caso
Na época, Rodolffo Matthaus se retratou sobre o comentário em relação ao cabelo do professor João Luiz dentro e fora da casa, pedindo desculpas publicamente sobre a ação

Racismo Religioso: Homem ameaça com facão membros de religião de matriz africana em Ananindeua
No vídeo, o homem com a arma branca em mãos chama o grupo de “um bando de demônios que querem fazer o mal”, entre outros xingamentos e palavrões direcionados aos religiosos

Ressignificação

"A promulgação da Lei Áurea, no dia 13 de maio, foi apresentada como uma data importante porque representa a libertação dos escravos; mas não foi bem assim. Nós, do Movimento Negro, nós ressignificamos essa data. Para a a gente, é uma data que representa um movimento de luta porque já vinha acontecendo uma pressão anterior a essa data, e, mesmo depois, do dia 13 de maio, grande parte da população negra no Brasil continuou vivendo em condições sub-humanas", afirmou Aiala Colares. "O racismo estrutural corta a gente por dentro, ele nos atravessa, porque é uma ferida que fica", assinala o professor.

Como resultado desse processo, grande parte da população carcerária no Brasil  é formada  por pessoas negras. Como também ressalta o professor Aiala, a cada três pessoas assassinadas no país duas são negras.

O professor relatou que em uma abordagem policial que sofreu foi inquirido a abrir a mala e a responder a um interrogatório; em outra abordagem, foi classificado como suspeito de tráfico; no dia em que acabou de fazer sua matrícula no curso universitário, ainda com a careca de calouro, Aiala foi confundido como assaltante de uma padaria.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM