#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end
logo jornal amazonia

Pintor automotivo é condenado a 12 anos de prisão por homicídio em Belém

O crime teria sido motivado pelo fato da vítima se incomodar com a fumaça do cigarro do réu

O Liberal
fonte

O pintor automotivo André da Silva Miranda, 34, foi condenado a 12 anos de prisão nesta segunda-feira (19) pelo crime de homicídio doloso contra Edson Santana da Silva Pantoja, 28. O crime teria sido motivado pelo fato da vítima ter se incomodado com a fumaça do cigarro que o réu fumava. O julgamento foi presidido pelo juiz Cláudio Hernandes Silva Lima, titular da 4ª Vara de Belém.

A pena imposta ao réu foi fixada em 12 anos de reclusão em regime inicial fechado, podendo, caso queira, recorrer da sentença e pedir o cumprimento em liberdade por já responder criminalmente ao processo mesmo antes do julgamento, ter residência fixa e ainda ser réu primário.

VEJA MAIS

image Assalto no Frangão Duque: PM prende trio envolvido no assalto após tentativa de linchamento
O caso ocorreu na tarde desta segunda-feira (19). Um vídeo encaminhado à reportagem mostra o momento em que os moradores agridem um dos suspeitos

image Suspeito de matar soldado da PM no interior do Pará é preso em Goiás
O crime ocorreu no dia 13 deste mês, no município de Dom Eliseu, sudeste do Pará. O suspeito tinha uma desavença com o militar e o matou a tiros na frente de um bar, conforme as autoridades

image Parauapebas: agente de trânsito vai a júri nesta terça (20) por feminicídio
Diógenes Samaritano é acusado de agredir a esposa Dayse Dyana e jogá-la do segundo andar da residência do casal, em Parauapebas, sudeste do Estado

O defensor público Alex Mota Noronha sustentou, em defesa do réu, a tese de cometimento de homicídio simples, com base nas imagens de câmeras ​de segurança que mostram a vítima conduzindo uma motocicleta, após desentendimento com o réu. Edson tentou correr, mas, foi alcançado e esfaqueado nas costas pelo acusado. O vídeo mostra que, além do réu, outras duas pessoas também perseguiram Edson.

O promotor do júri, Nadilson Portilho Gomes, sustentou a acusação em desfavor do réu, atribuindo a ele a autoria de homicídio doloso, após discussão com a vítima, que estava alcoolizada e com capacidade de defesa comprometida. O promotor argumentou, com base no laudo pericial, que a vítima ainda tentou fugir do agressor mesmo após ter sido golpeada e chegou a invadir uma casa, onde caiu morto.

Consta na acusação que o crime ocorreu por volta das 7h de 15 de janeiro de 2017, na passagem Rodrigues, bairro da Terra Firme, no local conhecido como "beco da morte", em Belém, quando o réu e os comparsas - Marcos da Silva, André da Silva Miranda e Max da Rocha Oliveira - mataram Edson depois de espancá-lo, golpeá-lo com uma faca e roubar sua motocicleta.

No interrogatório, o réu alegou que a briga entre ambos aconteceu porque a vítima teria proibido André de fumar cigarros de maconha naquele local, já que a fumaça o incomodava.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA