Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Pará registra oito casos suspeitos de doença da urina preta; Belém chega a três suspeitas

Orientação da Sespa continua sendo de buscar atendimento assim que sintomas suspeitos começarem a aparecer

O Liberal

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) informa que, por meio do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), foi notificada e está investigando oito casos suspeitos da síndrome de Haff, sendo três em Belém, um em Trairão e quatro em Santarém. Com isso, mais um caso entra no radar da capital. Por enquanto, nenhum dos casos foi confirmado.

"Os exames sanguíneos e de urina dos casos suspeitos foram encaminhados, por meio do Laboratório Central do Estado do Pará (Lacen), para laboratório de referência. A Sespa emitiu também nota de alerta com orientações para a identificação e a notificação de casos suspeitos. A Secretaria orienta os municípios a aumentar a atenção à inspeção sanitária dos locais de venda e sobre a importância do acondicionamento correto do pescado", informa a Sespa, por nota.

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO

Doença da urina preta: o que se sabe sobre o avanço dos casos no Pará e no Brasil Rara e pouco estudada, a síndrome ainda não tem causa definida e segue em investigação

Peixarias reclamam do 'desaparecimento' de clientes em razão da doença da 'urina preta' No Pará, até o momento, há a suspeita de sete casos da síndrome de Haff

Especialistas explicam relação entre peixes e doença da urina preta Síndrome de Haff ainda demanda estudos para ser melhor compreendida. Assim como as causas da contaminação do pescado

Manifestação de peixeiros do Ver-o-Peso demanda mais informações sobre a 'doença da urina preta' O movimento também reivindica medidas para conter a queda das vendas de pescado

Adepará fiscaliza a entrada de pescados vindos do Amazonas Ação combate a entrada de peixes suspeitos de transmitirem a “Doença de Haff”, popularmente conhecida como "Doença da urina preta"

Deputados da Comissão de Saúde da Alepa orientam consumo de peixes que não causam Urina Preta Medo da doença tem provocado queda no consumo de peixes e impactado nas atividades que trabalham com o alimento

Ainda segundo a Sespa, "...em caso de sintomas como dor muscular intensa na costa e membros inferiores, urina de cor escura associada à ingestão de pescado em até 24h, é necessário buscar atendimento imediatamente na rede pública de saúde do município. Ressaltamos que o monitoramento, bem como o acompanhamento dos pacientes é de responsabilidade da vigilância do município".

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ