Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Dia da Cachaça: conheça a história da bebida que já foi ilegal mas caiu no gosto do brasileiro

13 de setembro é o Dia da Cachaça, confira algumas curiosidades sobre a história da bebida e seu processo de produção na Amazônia

O Liberal

Dia 13 de setembro é comemorado o Dia da Cachaça. Uma bebida alcoólica que se consolidou como uma das marcas identitárias do Brasil. Tema presente na música, na arte e no dia a dia de milhões de brasileiros. O que poucos sabem é que esta bebida foi o motivo da primeira grande mobilização em defesa de um produto nacional diante de Portugal no século XVII.

Esta data foi eleita como o Dia da Cachaça, pois foi quando a bebida passou a ser oficialmente liberada para fabricação e venda no Brasil, em 1661. A data antecede o episódio conhecido como a "Revolta da Cachaça", ocorrido no Rio de Janeiro entre o final de 1660 e o início de 1661.

Segundo o escritor Jairo Martins no livro “Cachaça – O mais brasileiro dos prazeres”, há tempos o Brasil já produzia a bebida, que, apesar de ser uma atividade ilegal, era amplamente fabricada por engenhos de cana-de-açúcar e comercializada principalmente nos centros urbanos do país.

VEJA MAIS

Máquina que vende cigarro e cachaça por R$ 1 viraliza na web
A ‘engenhoca’ criativa costuma chamar atenção das pessoas

Homem mais velho do mundo revela ‘segredo’ para vida longa: '1 copo de cachaça'
O agricultor venezuelano Juan Vicente Pérez tem de 112 anos

Em uma tentativa de acabar com a comercialização de cachaça, a Coroa Portuguesa emite uma carta real em 1649, a qual proibia a fabricação e venda da bebida em terras brasileiras. 

O objetivo da proibição era que a cachaça desse lugar à comercialização da “bagaceira”, uma aguardente destilada a partir do bagaço da uva, bebida tipicamente portuguesa e com preço mais baixo que o do vinho.

Porém, a proibição deu lugar a uma revolta encabeçada por produtores locais, comerciantes e civis, que passaram a saquear as casas de autoridades como medida de retaliação à proibição.

A Coroa Portuguesa reagiu aos ataques. Enviou o capitão-general Salvador de Sá e sua tropa para assumir o controle da província carioca, que instalou processo judicial contra os líderes da revolta e condenou à morte o então governador do Rio de Janeiro, Jerônimo Barbalho

Porém, no ano de 1661, a Coroa Portuguesa perdoou os envolvidos na revolta. Considerando o protesto de caráter legítimo, em 13 de setembro daquele mesmo ano, a fabricação e venda foi legalizada no país.

A cachaça brasileira e seus novos sabores

Séculos depois, a cachaça se consolida como uma paixão nacional. Seu principal atrativo ainda é seu baixo custo de aquisição. Entretanto, a fabricação conta hoje com diversas formas de destilação, envelhecimento e adição de sabores. Esses diferenciais também se refletem no preço final do produto, que pode chegar a mais de R$9 mil uma garrafa.

Na Amazônia, a cachaça ganha identidade regionalizada ao se misturar com o jambu. A bebida conhecida como “Cachaça de Jambu” foi criada no ano de 2011 por Leodoro Porto, proprietário de uma rede de botecos popular em Belém do Pará e já teve aceitação de grandes personalidades da área gastronômica, como Anthony Bourdain, Jamie Oliver e Alex Atala.

A redação do Grupo Liberal visitou a fábrica da cachaça de jambu localizada em Ananindeua-PA em um “tour” pelo seu processo de produção e envelhecimento, que ganha sabores ainda mais amazônicos com toques de frutas como o bacuri, cupuaçu e açaí. 

Em Belém, restaurante faz semana de ações em alusão a bebida

Neste dia 13, é celebrado o dia de uma das bebidas mais tradicionais do país, a cachaça. Se antes ela era vista com estigma, hoje alguns fãs e colecionadores chegam a pagar milhares de reais por uma garrafa de safras mais exclusivas. Em Belém, um dos pontos de encontro desse público é o restaurante Engenho Dedé, que possui quase mil rótulos de cachaças artesanais, sendo algumas de fabricação própria.

Para comemorar a data, até o próximo domingo, dia 18, o restaurante estará com diversas promoções para atrair o público, como afirma Victor Vieira, gestor do Engenho. Neste ano, os destaques são a Jambucana de banana, pisco, a tequila reserva prata e as salineiras centenárias. 

“Todos os anos preparamos uma semana especial com uma série de rótulos para que o público possa apreciar o melhor das cachaças. Desta vez, não seria diferente. Esperamos que os clientes possam aproveitar a oportunidade para degustar todas essas bebidas de qualidade que temos em nossa carta”, comenta Victor. 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ