Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

A Cidade Modelo e o trem da história da ocupação nordestina do município castanhalense

Segundo o escritor Hugo Luiz de Souza, os imigrantes nordestinos foram os verdadeiros desbravadores das terras por onde passava a ferrovia Belém -Bragança

Patrícia Baía

Se você não conhece a história da construção e do povoamento do
município de Castanhal, no nordeste do Pará, e passar algumas horas
andando pela cidade vai pensar que está em algum lugar da região
nordeste brasileira. Você vai escutar um sotaque diferente, e
principalmente se você for de Belém, aí é que vai estranhar. É, aqui é uma cidade construída por nordestinos, sobretudo por cearenses, que foram os primeiros a chegar, no final do século XIX.

De acordo com relatos do memorialista e escritor Hugo Luiz de Souza, os imigrantes nordestinos foram os verdadeiros desbravadores das terras por onde passava a ferrovia Belém -Bragança. “O governador Paes de Carvalho chamou os nordestinos, principalmente dos cearenses, pois o estado do Ceará, assim como toda a região, passava por severa seca e eles não tinham trabalho. Os nordestinos trabalhavam mais com a agricultura e a seca os prejudicava. Foi então que o governador chamou os nordestinos para serem a principal mão de obra para a construção da ferrovia”, explicou.

Castanhal foi se desenvolvendo e crescendo no entorno da estrada de ferro e com ajuda dos imigrantes nordestinos (Ivaldo Miranda/ Especial para O Liberal)

Castanhal foi se desenvolvendo e crescendo no entorno da estrada de
ferro, com ajuda dos imigrantes nordestinos. Hoje, o município que é o
polo da região nordeste paraense, é a terra de cearenses,
pernambucanos, maranhenses e de todos os nordestinos que aqui estão. Por isso os sotaques se misturam, e quem escuta, pensa logo que não é de paraense. As comidas típicas do município não são o tacacá, maniçoba ou pato no tucupi. Aqui tem gosto de baião de dois, macaxeira frita com manteiga de garrafa, carne de sol e cuscuz. E a música é o bom e velho forró. Inclusive, Castanhal já é conhecida como a cidade do forró de rua.

VEJA MAIS

Rede de atendimento da Patrulha Maria da Penha recebe capacitação
Em Castanhal o programa foi uma inciativa da Procuradoria Especial da Mulher na Câmara de Vereadores

Conheça o Instituto de Medicina Veterinária da UFPA de Castanhal
Unidade possui hospital com prática e atendimento à população e é referência na área de saúde animal na Amazônia

Libras: Há 15 anos é parte da história da educação municipal de Castanhal
De acordo com a secretária, o município irá implantar, em breve, uma escola bilíngue onde todos os funcionários falarão também em Libras

Açaí de Castanhal ganha destaque no mercado mundial
Castanhal, no nordeste do estado, se tornou o maior exportador brasileiro do açaí. Fruto conquistou os EUA e a Europa

Castanhal: Cristo Redentor compõe a paisagem há 40 anos; conheça a história do ponto turístico
O Cristo Redentor de Castanhal é um dos 112 existentes no país e começou a ser construído em 1977 e concluído em 1982

Povo trabalhador

O potiguar e empresário Thiago Lira, 37 anos, chegou ao Pará aos oito
anos de idade, junto com os pais José Góes e Maria Lira vindos da cidade de Caicó, no Rio Grande do Norte, e mais cinco irmãos em busca de uma vida melhor em Castanhal, e a lembrança que se tem daquela época de infância, é a imagem do Cristo Redentor de braços abertos na entrada da cidade. “Senti uma grande emoção ao ver o Cristo de braços abertos acolhendo todos que chegavam.

“Senti uma grande emoção ao ver o Cristo de braços abertos acolhendo todos que chegavam", conta Thiago Lira (Divulgação/ Gabriel Lourenço)

Os avós de Thiago foram os primeiros a chegar, em 1974, e após muito trabalho conseguiram se estabelecer e convidaram o restante da família que estava no Rio Grande do Norte para vir morar em Castanhal. “Foi assim que viemos. Lá estava muito difícil e a falta de água também. Então meu avô chamou todo mundo para trabalhar com ele, que já tinha um caminhão e trabalhava com estiva e entregas”, contou o empresário.

Aos 10 anos começou a trabalhar. Foi carregador do caminhão do avô,
trabalhou selecionando frutas e verduras, no comércio de varejo, foi
gerente de supermercado e hoje é um dos grandes empresários do setor de distribuição de bebidas e água mineral do município.

“Meu coração é paraense e eu me sinto do Pará. Casei com uma paraense e tenho dois filhos paraenses. Aqui me sinto em casa. E Castanhal para mim é um pedaço do nordeste. Sou muito grato a essa terra e foi aqui que conquistamos e construímos tudo que temos e foi com muito esforço”, enfatizou Thiago Lira.

“O prestação”

Em Castanhal e em vários municípios do nordeste paraense é muito
comum ver um vendedor de rua batendo de porta em porta oferecendo
seus produtos. E tem de tudo na carrocinha atracada ao carro, ou ao
porta-malas. São tapetes, espelhos, jogos de colcha de cama, panelas, cadeiras e outras coisas. Eles são chamados de “prestação”. Vendem para pagar depois em suaves prestações. Esse modo de venda é tradicional dos cearenses. Foi assim que Francisco Genivaldo de Freitas Silva, o seu Genivaldo, de 52 anos, começou a trabalhar em Castanhal. Ele é do município de Parambu, no Ceará. “Eu me considero uma pessoa abençoada por Deus. Cheguei aqui com oito anos, e ficava observando meu pai que também já trabalhava com as vendas e assim consegui chegar no patamar que hoje estou”, contou seu Genivaldo.

'Eu me considero uma pessoa abençoada por Deus. Cheguei aqui com oito anos, e ficava observando meu pai que também já trabalhava com as vendas', conta Genivaldo Freitas (Patrícia Baía/ O Liberal)

Ele nos contou que lá no Ceará a vida era muito difícil e que seu pai,
Antônio Jorge da Silva trabalhava na roça desde criança, mas que queria outro tipo de vida. “Ele soube que aqui em Castanhal tinham condições melhores de trabalho e foi assim que tudo começou. O cearense quando vem para o Pará começa a vender de porta em porta os utensílios”, relembrou seu Genivaldo.

E já são mais 40 anos morando na cidade que o acolheu e por isso seu Genivaldo se diz um apaixonado e defensor do Pará e da Cidade Modelo.  “Tenho gratidão por tudo e não gosto que falem mal daqui. Hoje nossa cidade é promissora e sei que o nordestino contribuiu bastante para isso. Quando a gente sai da nossa terra é pra guerrear e somos vencedores”, finaliza o vendedor.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ