Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Procura por itens juninos já é alta em Belém

Consumidores se antecipam em busca de descontos para driblar a inflação

O Liberal

Após dois anos de pandemia, com os eventos da época suspensos, o centro comercial de Belém voltou a ter ruas de gente à procura dos itens da quadra junina. Na manhã desta quinta-feira (26), dezenas de barracas e lojas ao longo da rua João Alfredo já estavam no clima da festividade, seja na decoração ou na venda direta de produtos usados no período, como tecidos, cestarias, chapéus de palha, acessórios e até trajes prontos. 

VEJA TAMBÉM

Costureiras e cozinheiras se animam com volta das festas juninas
Microempreendedores estimam altas de até 70% nos pedidos

Quadrilhas juninas se preparam para a volta das apresentações presenciais
Em maio, os grupos de Belém se apresentam nos 'concursos de ensaio' e finalizam os preparativos para os concursos oficiais de junho.

Ananindeua anuncia concursos de quadrilhas juninas e misses
O 'Forrónindeua' acontecerá entre os dias acontecerá de 18 a 26 de junho. As inscrições estão abertas.

Arlete Castro trabalha há 30 anos com costura e, nos meses que antecedem a quadra junina, confecciona uma média de quatro modelos por noite. Ela está animada para a alta das vendas após a pandemia de covid-19 ter derrubado o faturamento que já era certo todos os anos. "Tudo sou eu quem faz. Começo a costurar em janeiro. Rotina de escola de samba, igual no Carnaval. É muita demanda mesmo, e vendemos no atacado também. Pena que ficou tudo muito caro, as rendas e até as linhas ficaram dispararam de preço. Mas, aos poucos vamos voltando ao movimento que a gente estava acostumado", conta ela, que vende trajes femininos a preços que variam de R$ 100 a R$ 400.

Há quem prefira garantir as compras da quadra junina ainda no mês de maio, para evitar dores de cabeça. A dona de casa Alzira Pinheiro é uma dessas pessoas, que vê no método uma alternativa para economizar. "Vim adiantar porque sei que a partir de segunda-feira vai ter mais correria, mais tumulto e muito mais gente. É melhor até por causa dos preços, que acabam aumentando quando chega perto das festas. Vim comprar de tudo um pouco, para minha família, amigos e para vender também. Mas a inflação impactou muito, principalmente nas peças que levam patchouli e coisas da terra, que estão bem mais caras. Ano passado o pacote do patchouli estava R$ 6, esse ano está R$ 12. Um aumento de 100%, né? Mas dá para levar. A gente dá um jeitinho, pois é só uma vez no ano", avalia.

O cirurgião dentista Elielson Sousa passou em uma loja especializada em artigos de palha para garantir a decoração das comemorações programadas para junho - serão três no mês. "Vai ter o baby chá da minha filha que vai nascer. E aí como vai ser em junho vamos aproveitar o tema junino. Viemos procurar itens de decoração, chapéus para botar na mesa e coisas assim. Os preços estão muito bons, mas a gente procura dar uma filtrada e buscar produtos de qualidade com preços acessíveis. Dancei muito festa junina quando era criança e também faço aniversário no mês de junho. É uma época boa", conta.

O vendedor Edson Pereira conta que o movimento está bom e espera que prossiga assim até a quadra junina. Na loja em que ele trabalha, os chapéus, por exemplo, podem ser encontrados por preços que vão de R$ 5 a R$ 17. "Muita gente compra em quantidade e aí rola aquele desconto. Mas está no começo ainda. A expectativa é que aumente o movimento", diz. 

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA