Festival de Cinema Brasileiro terá 50% de filmes produzidos por mulheres

Público francês poderá alugar os filmes por plataforma digital facilitando difusão de produção brasileira

Redação Integrada

Neste ano o Festival do Cinema Brasileiro em Paris trará algumas inovações. “Este ano teremos duas grandes novidades, fundamentais no mundo atual: pela primeira vez, 50% de filmes feitos por mulheres, e a JangadaVOD, uma plataforma exclusiva de longas brasileiros na França, dando assim continuidade ao nosso trabalho em defesa do cinema nacional fora do Brasil”, explica Katia Adler, idealizadora e diretora do Festival. Além disso, o documentário paraense "Amazônia Groove" encerrará o evento.

Leia mais:

"Amazônia Groove" encerrará Festival do Cinema Brasileiro em Paris

A JangadaVOD permitirá o aluguel de longas brasileiros em todo o território francês, ampliando o alcance do Festival que há duas décadas lota o cinema L’Arlequin com um público fiel. “Todos esses anos de Festival fomos questionados pelos espectadores sobre onde poderiam assistir aos filmes brasileiros. A plataforma facilitará esse acesso”, conta Katia. A seleção para assistir online inclui ficções como “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, e “Elis”, de Hugo Prata, além de documentários como “Estamira”, de Marcos Prado, e “Meninas” de Sandra Werneck.

Na edição deste ano o filme de abertura será “O Beijo no Asfalto”, de Murilo Benício, adaptação da peça de Nelson Rodrigues, que está na competição. E os filmes de encerramento são: “Marighella”, de Wagner Moura, a cinebiografia de Carlos Marighella, ex-deputado, poeta e militante comunista; e o documentário “Amazônia Groove”.

Além de “O Beijo no Asfalto”, a mostra competitiva inclui filmes consagrados em festivais no Brasil e no Mundo: “Tinta Bruta”, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon (vencedor do prêmio Teddy no Festival de Berlim e eleito melhor filme no Festival do Rio, entre outros), “Aos Teus Olhos”, de Carolina Jabor (arrematou quatro prêmios no Festival do Rio 2017 e o prêmio de melhor longa ficção nacional na Mostra São Paulo no mesmo ano, entre outros), “Deslembro”, de Flavia Castro, (Melhor longa pelo voto popular e pela FIPRESCI no Festival do Rio e prêmio do Sindicato Francês dos Críticos de Cinema no Festival Biarritz América Latina, todos em 2018) e “Temporada”, de André Novais Oliveira (vencedor do Festival de Cinema de Brasília de 2018), “Todas as canções de amor”, de Joana Mariani, e “Sócrates” de Alex Moratto.

Nesta edição foram selecionados 11 documentários de diversas temáticas, alguns abordam questões sociais e políticas como “A Última Abolição”, de Alice Gomes, e “Torre das Donzelas”, de Susanna Lira (premiado como melhor documentário no Festival do Rio 2018); e outros são retratos culturais do Brasil como “My name is now, Elza Soares”, de Elizabeth Martins Campos, e “Orlamundo”, de Orlando Morais.

Como parte integrante da programação do festival, ocorrerá o 2º Forum Audiovisual França-Brasil, no dia 16 de abril de 2019, na Embaixada do Brasil em Paris, que visa incentivar o intercâmbio entre os dois países neste setor. Serão realizadas master classes, painéis e encontros profissionais com a presença de representantes de entidades, criadores, produtores e executivos brasileiros e franceses. Em 20 anos, o festival permitiu que cerca de 530 filmes fossem vistos na França, diante de uma plateia de mais de 73.000 espectadores que puderam debater com quase 500 convidados.

Cinema
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!