Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Suspeito volta atrás e nega ter matado Bruno Pereira e Dom Phillips

Amarildo afirma que foi Jeferson da Silva Lima quem matou o jornalista e o indigenista

O Liberal

Em novo depoimento à Polícia Federal, nesta segunda-feira (20), o pescador Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como Pelado, que havia confessado participação no assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips, voltou atrás e agora nega ter cometido o crime, admitindo apenas a participação na ocultação dos corpos. Segundo ele, foi Jeferson da Silva Lima, também conhecido como Pelado da Dinha, quem matou o indigenista brasileiro e o jornalista britânico. As informações são do Portal UOL.

VEJA MAIS

Comissão da Câmara que vai acompanhar caso Bruno e Dom critica ‘pressa’ da PF
Grupo realizou a primeira reunião na manhã desta segunda-feira

Polícia encontra embarcação usada por Dom Phillips e Bruno Pereira
Lancha foi localizada a cerca de 20 metros de profundidade, emborcada com seis sacos de areia para dificultar a flutuação

Sobe para oito o número de suspeitos investigados no caso Bruno e Dom; três estão presos
Indigenista brasileiro e jornalista inglês foram mortos a tiros

Antes desse depoimento, Amarildo não apenas confessou o crime, como indicou para a polícia o local onde os corpos poderiam ser encontrados. Durante a reconstituição do dia do crime, ele admitiu ter jogado os corpos em uma parte da mata do Vale do Javari (AM), esquartejado e ateado fogo.

O pescador, o seu irmão, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos, e Jeferson da Silva Lima, estão presos. Porém, as investigações da PF apontam a possibilidade de envolvimento de pelo menos oito pessoas no crime. Oseney nega envolvimento no assassinato de Bruno e Dom.  

Bruno Pereira reagiu aos disparos 

Segundo Amarildo, Jeferson atirou pelo menos três vezes contra cada uma das vítimas, mas ele alega que não sabe quantos tiros acertaram Bruno e Dom. Amarildo falou que o indigenista chegou a atirar de volta. As vítimas foram mortas com tiros na cabeça e no tórax.

VEJA MAIS

Comunidades indígenas e movimentos sociais fazem homenagem a Dom e Bruno, em Santarém
As mortes causaram comoção no Brasil e no mundo

PF confirma que parte de restos mortais são do indigenista Bruno Pereira
A identificação foi possível após exame da arcada dentária no Instituto Nacional de Criminalística

19 assassinatos foram registrados em conflitos de campo em 2022, aponta Comissão Pastoral da Terra
Dados mostram que até maio deste ano, 5 indígenas e 3 ambientalistas foram mortos em confrontos; caso Bruno e Dom não estão inclusos

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL