Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Homem se entrega à polícia afirmando ter participado do assassinato de Bruno e Dom

Ele é o quarto preso pelo crime e afirma que Amarildo foi quem atirou nos dois

O Liberal

A Polícia Civil de São Paulo prendeu um quarto suspeito por envolvimento no assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. De acordo com o Estadão, Gabriel Pereira Dantas se apresentou nesta quinta-feira (23) às autoridades, confessando a participação no crime. Ele prestou depoimento e foi detido no 77º Distrito Policial, na região central da capital paulista.

Durante o depoimento, Gabriel argumentou que “não aguentava mais a situação” e que carregava “um sentimento de peso e culpa nas costas” por ter filhos pequenos.

VEJA MAIS

Caso Bruno e Dom: servidores e indígenas protestam na sede da Funai, em Brasília
O ato é por justiça para o indigenista e o jornalista inglês assassinados na Amazônia

Comunidades indígenas e movimentos sociais fazem homenagem a Dom e Bruno, em Santarém
As mortes causaram comoção no Brasil e no mundo

Suspeito volta atrás e nega ter matado Bruno Pereira e Dom Phillips
Amarildo afirma que foi Jeferson da Silva Lima quem matou o jornalista e o indigenista

Está prevista a realização de uma entrevista coletiva em São Paulo para esclarecer mais detalhes sobre o novo depoimento e a prisão.

O homem afirma que, no dia do assassinato, estava bebendo com Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, na embarcação do suspeito, quando eles avistaram Bruno e Dom passarem de lancha pelo rio e foram atrás da dupla.

Gabriel declarou ainda que Pelado puxou uma espingarda calibre 16 e apontou para o indigenista e o jornalista, tendo primeiro atirado em Dom e depois em Bruno, a uma distância de cerca de três metros.

Ainda durante o depoimento, o suspeito alegou que ficou responsável por esconder os pertences dos mortos na floresta, enquanto Pelado teria saído para buscar ajuda de moradores ribeirinhos e “dar destino aos corpos”.

Depois dos crimes, Gabriel fugiu para Santarém, no Pará, em seguida foi para Manaus (AM), Rondonópolis (MT), e por fim para a capital paulista, onde relatou que estava morando nas ruas.

O relato de Gabriel ainda não foi confirmado pela Polícia Federal e pela força tarefa no Amazonas, responsáveis pela investigação do caso. Também ainda não foi confirmado se ele é um dos cinco suspeitos identificados pela Polícia Federal.

Além de Amarildo e Gabriel, foram presos pelo crime o irmão de Amarildo, Oseney da Costa de Oliveira, e Jeferson da Silva Lima.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL