'Quero fazer parte da comissão de investigação', diz Flávio Bolsonaro sobre atos radicais; vídeo

A motivação do parlamentar é impedir que a situação seja usada como o que ele chama de palanque eleitoral

Elisa Vaz

Durante votação da intervenção federal na segurança do Distrito Federal (DF), aprovada no Senado nesta terça-feira (10), o senador Flávio Bolsonaro (PL), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), disse que pretende fazer parte da comissão de investigação dos atos terroristas praticados por grupos radicais em Brasília, no último domingo (8). Veja o vídeo:

A motivação do parlamentar é impedir que a situação seja usada como o que ele chama de palanque eleitoral. "Faço questão de estar acompanhando para que isso não seja um momento de uso político-eleitoral. O momento é muito grave, é muito sério, não podemos mais uma vez usar uma sitação como essa como palanque com fins eleitorais", declarou durante as discussões, por volta de 12h.

VEJA MAIS

image Deputados bolsonaristas pedem garantia de direitos humanos a presos em Brasília
O documento foi elaborado pela deputada federal Carla Zambelli e enviado à Defensoria Pública Federal e ao Ministério dos Direitos Humanos

image Paraense Zequinha Marinho está entre os dez senadores que votaram contra a intervenção
Em nota, Zequinha explicou o motivo por ter sido contra a intervenção e indagou: "Por que só um tem que ter o mandato suspenso? Não posso ser injusto, temos que dividir essa culpa com todos responsáveis”

image Mourão defende manifestantes, critica governo Lula e pede 'direitos humanos'
O senador eleito pelo Rio Grande do Sul defendeu manifestantes presos durante a remoção dos suspeitos de invadir os prédios dos Três Poderes no domingo, em Brasília

O senador ainda criticou as associações feitas entre os atos terroristas e o ex-presidente Bolsonaro. "No dia de ontem, muitas pessoas tentaram vincular Bolsonaro ao que aconteceu, a esse ato triste, lamentável, injustificável na nossa Casa [...]. Não queiram criar a narrativa mentirosa como se tivesse alguma vinculação de Bolsonaro a esses atos irresponsáveis. O presidente Bolsonaro, como muitos falaram, ficou em silêncio, se recolheu e está 'lambendo as feridas', essa expressão, como muitos estão usando, quase incomunicável", contou o filho do ex-mandatário.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA