Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Hackers invadem site de empresa investigada pela CPI e declaram guerra contra Bolsonaro

Os invasores convocaram a população para ato contra o presidente no dia 7 de setembro

O Liberal

O grupo de hackers Anonymous, conhecidos por se intitularem “ativistas da liberdade digital”, invadiram o site da empresa FIB Bank, investigada na CPI da Covid por oferecer uma quantia financeira de R$ 80,7 milhões no contrato entre a Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde, no caso dos acordos da venda da vacina indiana Covaxin. 

 

No vídeo, divulgado na última sexta-feira (3) no site da empresa e que viralizou nas redes sociais, o grupo faz ameaças contra o presidente e convoca a população para irem às ruas participar da manifestação contra o governo no dia 7 de setembro. O presidente também convocou os seus apoiadores para manifestação no feriado. 

VEJA MAIS

Brasília terá reforço na segurança para atos de 7 de setembro
PM fará linhas de revistas pessoais e bloqueios em vias da Esplanada

Políticos de 26 países alertam sobre 'insurreição' contra democracia do Brasil
Leia a íntegra da carta que expõe preocupação com 'um golpe de Estado'

“O que resta ao presidente é a mensagem de que nós não ficaremos parados enquanto você flerta com o golpe. A guerra está declarada e faremos você pagar por seus crimes. As pessoas que você está matando são as pessoas das quais você depende. Nós fazemos o pão que você come, nós arquivamos os seus documentos, nós entregamos suas encomendas, nós estamos em todo lugar”, diz o hacker no discurso.

7 de setembro: independência do Brasil e seu simbolismo
"No Pará a data é associada à independência, mas esta adesão só ocorreu após resistência, em 15 de agosto e se tornou também uma data comemorativa", explica Antropóloga

Apoiadores do presidente vão às ruas em Belém
Mobilização tem como lema 'Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil'

O discurso completo:

“Saudações, cidadãos do mundo. Muitos acontecimentos recentes do Brasil nos chamaram a atenção. O presidente Jair Bolsonaro sabe que sua aprovação tem caído entre a população que tem sido massacrada pelas atrocidades cometidas por seu desgoverno. Desde então, ele vem flertando cada vez mais com a possibilidade de um golpe.

 Assim como Trump, depois de ter colocado o processo eleitoral em suspeita sem nenhum tipo de evidência plausível e ser derrotado, tudo que restou a Bolsonaro foi ser vago em suas recentes declarações em seu chiqueirinho: "Pode ter certeza, vamos ter uma fotografia para o mundo do que vocês querem. Eu só posso fazer alguma coisa se assim vocês desejarem". O que Bolsonaro pretende com este chamado é preparar uma narrativa onde o povo deseja que ele permaneça no poder uma vez que as eleições não são confiáveis de acordo com ele. Como se o povo quisesse o fim da pouca, imatura e limitada democracia que ainda possuem.

Nós, no entanto, acreditamos que o caminho para uma sociedade ideal vem com mais democracia, e não menos. Com a participação popular nas tomadas de decisão, ao invés de uma carta branca sendo entregue a cada 4 anos. Acreditamos na autogestão, e não na falácia de um ditador benevolente. O povo merece poder, não um coturno em sua cara. Por isso, é importante que neste 7 de setembro, nós tomemos as ruas para mostrar que o queremos fora do governo, derrotado. Em suas próprias palavras, restarão apenas duas opções para ele: prisão ou uma cova.

 Precisamos mostrar que as minorias, quando juntas sob a mesma bandeira, são a maioria. Precisamos de um grito real de independência para fazer esta data entrar mais uma vez para a história. E nós estaremos entre vocês. O que resta ao presidente é a mensagem de que nós não ficaremos parados enquanto você flerta com o golpe.

 A guerra está declarada e faremos você pagar por seus crimes. As pessoas que você está matando são as pessoas das quais você depende. Nós fazemos o pão que você come, nós arquivamos os seus documentos, nós entregamos suas encomendas, nós estamos em todo lugar. Nós somos Anonymous.”

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA