Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Censo 2022 começa coleta nas comunidades quilombolas do Pará nesta quarta-feira (17/08)

Ao todo, serão visitadas 516 localidades no território paraense

O Liberal

O Instituto Brasil de Geografia e Estatística (IBGE) inicia, nesta quarta-feira (17), a abordagem aos quilombolas para o Censo Demográfico 2022 – o primeiro que vai contar essa população. Em todo o País, serão visitadas 5.972 localidades, sendo que 516 delas ficam em território paraense.

Uma das localidades que vai iniciar a coleta de informações nesta quarta-feira é o Território Quilombola Guajará Miri, no município do Acará. Para marcar a abertura dos trabalhos, será realizado um evento que reunirá moradores e lideranças locais, além da imprensa.

Segundo o IBGE, a coleta junto às comunidade quilombolas tem o apoio da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), que ajudou no planejamento de operação censitária. Pela primeira vez, serão gerados dados oficiais de quantos são e como vivem os residentes quilombolas, em todas as unidades da federação.

VEJA MAIS

Grandes projetos favorecem racismo ambiental na Amazônia
Pesquisadora afirma que desastres ambientais afetam principalmente grupos étnicos

'Jogos Quilombolas' reúne mais de mil participantes no distrito do Baixo-Acará
Evento esteve suspenso nos últimos dois anos, por causa da pandemia da covid-19

IBGE inicia pesquisa do Censo Demográfico 2022 no Pará
Cerca de 6 mil recenseadores devem visitar mais de 2 milhões de casas em todo o estado

DPE acompanha comunidade quilombola intimidada por empresa produtora de dendê
Moradores da vila Gonçalves afirmam que materiais de pesca e de atividade agrária do local estariam sendo apreendidos pela Agropalma

O presidente da Associação de Moradores e Produtores Quilombolas de Guajará Miri, Joelson da Cunha, informou que 194 famílias vivem no TQ, distribuídas em seis vilas – Vila Central, Cruzeirinho, Matinha, São Miguel, Vila da Paz e Babacal – além dos ribeirinhos que vivem às proximidades do rio Arapiranga (braço do rio Guamá).

A maioria dos moradores, segundo Joelson, vive do extrativismo de bacaba, pupunha e, principalmente, açaí. Parte dos moradores também atua na produção de farinha e na pesca artesanal.

Ainda de acordo com o IBGE, para a coleta, foi definido como protocolo sanitário a ser seguido o uso de máscaras e de álcool em gel.

 

 

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA