Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Polícia Federal prende cinco membros de suposta seita em Tucuruí

Vários crimes estão relacionados aos membros do grupo, entre eles trabalho em condição análoga à escravidão, tortura e estupro

O Liberal

Uma suposta seita está sendo investigada na cidade de Tucuruí, sudeste do Pará. Na manhã desta quinta-feira (30), o grupo foi alvo de uma segunda operação, denominada "São Lucas", que contou com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Trabalho (MPT) e outras instituições. Entre os possíveis crimes investigados estão trabalho em condição análoga à escravidão, formação de quadrilha, estupro, tortura e tentativa de forjar a morte de um dos membros. As diligências ocorreram em três endereços.

Cinco mandados de prisão foram cumpridos, sendo três de prisão temporária e dois de prisão preventiva. E ainda, quatro mandados de busca e apreensão também foram cumpridos nos municípios de Tucuruí e Baião. As buscas foram feitas em uma comunidade que se denomina religiosa e existe desde 1997, como aponta a Polícia Federal.

Num dos endereços do grupo, havia uma sala com visual sugestivo, que seria reservada para práticas sexuais. Foram apreendidos 10 celulares e uma quantia em dinheiro ainda sendo analisada. Um sapatinho de criança foi encontrado no local, mas a PF não confirmou se é indício ou pista dos crimes sexuais contra crianças que estão sendo investigados.

"No início, supostamente havia uma espécie de "regra igualitária", em que o resultado do trabalho de todos seria dividido entre todos os participantes da comunidade. Porém, com o tempo, os líderes da comunidade começaram a explorar o trabalho de todos os demais participantes", diz a nota da Polícia Federal. Os órgãos envolvidos na operação realizando o atendimento dos trabalhadores que se encontravam supostamente submetidos ao trabalho em condição análoga à escravidão. 

VEJA MAIS

Líder de seita sexual condenado a mil anos de prisão tinha harém
Comandando com mão de ferro, Adnan decidia quais cirurgias plásticas as seguidoras tinham que fazer

Atriz de 'Smallville' é condenada por envolvimento em caso de culto sexual
Em 2019, Alisson foi acusado de ameaçar duas mulheres como parte da obrigações da seita

Advogado da família Bolsonaro integrou caso dos meninos emasculados de Altamira
Frederick Wassef foi o defensor de Valentina de Andrade, indiciada como líder de uma seita e mentora intelectual dos homicídios

Allison Mack, de "Smallville", se declara culpada em caso de culto sexual
As mulheres da seita eram marcadas na pele, proibidas de se alimentar e sofriam punições físicas caso não recrutassem escravas para o grupo

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA