#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end
logo jornal amazonia

PF apura ataques de garimpeiros contra indígenas e agentes de segurança no Pará

As represálias tiveram início após uma primeira operação policial de combate a garimpos clandestinos nas terras indígenas de Munduruku e Sai Cinza

O Liberal

Uma ação conjunta da Polícia Federal, Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) e da Força Aérea Brasileira (FBA) apura ataques de garimpeiros contra agentes de segurança pública e lideranças indígenas no Pará. A Operação Mundurukânia 2, deflagrada na manhã desta quinta-feira (16), visa instruir os inquéritos policiais instaurados para apurar as manifestações violentas que culminaram, inclusive, em incêndios nas residências das lideranças indígenas Munduruku.

A ação mobilizou 45 policiais federais e 30 integrantes da FNSP, além de militares da FAB, que deram cumprimento a cinco mandados de busca e apreensão, além de seis mandados de prisão preventiva que foram expedidos pela Justiça Federal de Itaituba, no sudoeste paraense.

LEIA MAIS:

VÍDEO: Garimpeiros tentam invadir base de operação da PF no interior do Pará
Governador pede reforço das tropas estaduais após tentativa de ataque à base da PF no Pará
Indígenas denunciam violência de garimpeiros após operação da PF
Conflitos em Jacareacanga são encerrados após acordo, diz Segup
Forças federais de segurança devem retornar nesta segunda (31) a Jacareacanga, determina Justiça
Justiça determina retorno de forças de segurança a Jacareacanga
STF manda PF adotar medidas de proteção na terra indígena Munduruku

Os crimes investigados são de associação criminosa, incêndio, atentado contra a segurança de transporte marítimo, fluvial ou aéreo e coação no curso do processo, além outros crimes que venham a ser descobertos ao longo da investigação.

As represálias ocorreram entre os dias 25 a 27 de maio, logo após a deflagração da fase anterior da operação, intitulada Mundurukânia. Na ocasião, a força-tarefa visou combater a prática clandestina de garimpos nas terras indígenas Munduruku e Sai Cinza, no município de Jacareacanga, o que gerou a ira de garimpeiros da região.

A prática criminosa, além de provocar graves danos ao meio ambiente devido ao uso de produtos químicos altamente nocivos, como a poluição de rios e lençóis freáticos, também gera uma série de outros problemas sociais na região, como conflitos entre garimpeiros e indígenas.

Entenda o caso

Um clima tenso no sudoeste paraense se instaurou durante o curso da "Operação Mundurukânia", deflagrada no último dia 25 de maio. Na ocasião, o órgão informou em um comunicado que "as forças de segurança que participavam da ação foram surpreendidas por um grupo de garimpeiros, que iniciou um protesto contra a operação de proteção das terras indígenas" e tentou invadir a base das equipes e depredar o patrimônio da União, como aeronaves e equipamentos policiais.

Os ataques se estenderam a lideranças indígenas, conforme denunciaram a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). Segundo as entidades, "homens armados, que exibiam galões de gasolina, invadiram a aldeia da TI Munduruku onde se encontrava Maria Leusa Munduruku, coordenadora da Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn (organização que vem sendo atacada por denunciar os garimpeiros) e incendiaram" a casa dela.

No dia 26, o governador Helder Barbalho anunciou que pediu reforço ao Comandante Regional da Polícia Militar, "para fazer a mediação com os órgãos federais para uma negociação pacífica e preservar a população". No dia 27, o Ministério Público Federal (MPF) divulgou uma nota dizendo que, mesmo com a escalada de violência, as forças federais e estaduais tinham se retirado da região. Dois dias depois, a Justiça Federal determinou o retorno do efetivo de segurança pública ao município.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA