Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Justiça fixa em R$ 60 mil fiança de marinheiro acusado de atirar contra adolescente, em Vigia

Defesa de Gabriel Norberto de Almeida Lobo, de 25 anos, pede redução do valor alegando falta de condições financeiras do marinheiro

O Liberal

O advogado de defesa do marinheiro Gabriel Norberto de Almeida Lobo, Everton Bezerra, protocolou pedido de reconsideração do valor da fiança fixado em R$ 60.600,00, pela Justiça, em audiência de custódia no município de Vigia, nordeste do estado. O marinheiro é o principal suspeito de ter dado um tiro no rosto de uma adolescente de 15 anos de idade, dentro de um motel de Vigia, na madrugada de 22, deste mês. 

O militar de 25 anos de idade, e cinco na corporação, foi ouvido em audiência de custódia no sábado (23). O advogado Heverton Bezerra, que acompanhou a audiência, informou na tarde deste domingo (24), que a fiança não foi paga até agora por falta de condições financeiras da família do militar.

VEJA MAIS

Adolescente é baleada no rosto dentro de motel em Vigia
Ela foi transferida para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua; o estado de saúde dela não foi informado

Motel onde adolescente foi baleada na boca diz que marinheiros burlaram controle de acesso
A adolescente que levou um tiro continua internada em estado grave.

Em geral, as audiências de custódia são rápidas, mas o advogado informou que a de Gabriel durou 2h20, basicamente, porque ele teria apresentado o contexto do caso, que ele define como um acidente. "Em minhas alegações finais apresentamos o contexto da história e conseguimos convencer o representante do Ministério Público em decidir pela liberação mediante fiança", disse Heverton.

"A família não tem esse dinheiro todo. Gabriel não tem casa, carro nem moto e mora com os pais dele, quem ajuda financeiramente, além do filho de 5 anos de idade e da mãe da criança, com quem ele vive", contou o advogado. 
Heverton Bezerra também afirmou que o disparo feito contra a garota de 15 anos de idade foi acidente.

"O Ministério Público acatou o nosso pedido de liberdade condicional à fiança porque o Gabriel é réu primário, tem residência fixa, profissão definida, aliás, na Marinha, nós já levantamos isso, não há nenhum registro, uma nota que desabone a conduta dele. O que aconteceu foi um acidente", enfatizou Heverton Bezerra.

"Enquanto defesa nós pedimos, gentilmente, que o juízo local (em Vigia) reconsidere para menor o valor da fiança. Esse pedido foi protocolado no plantão online do Ministério Público, neste domingo, após o MP tomar conhecimento, o órgão tem o prazo de cinco dias para se manifestar, em seguida, o juiz toma conhecimento e, assim, ele pode decidir se reduz o valor ou o mantém. Estamos nessa expectativa. Possivelmente, o MP deve se manifestar só nesta segunda-feira (25), detalhou Heverton Bezerra.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA