Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Caso Yasmin: lancha segue apreendida pela Polícia Civil, afirma defesa do dono da embarcação

Uma denúncia sobre o suposto desmonte e venda da lancha havia sido feita pelo perfil do Instagram “Justiça por Yas”, criado pela mãe de Yasmin, a professora Eliene Fontes, para pedir justiça ao caso, cujas investigações já passam dos cinco meses e está na fase da reconstituição

O Liberal

A defesa do empresário e suspeito Lucas Magalhães de Souza, proprietário da lancha onde estava a jovem Yasmin Fontes Cavaleiro de Macêdo antes de morrer, no dia 12 de dezembro do ano passado, se manifestou, na tarde desta quarta-feira (25), negando o suposto desmanche e venda da embarcação. Procurada pela reportagem, a defesa de Lucas afirmou que a lancha continua apreendida pela Polícia Civil do Pará (PCPA). Também foi feito contato com a PC, para que se manifestasse sobre o caso. Por nota, a corporação apenas informou que “o inquérito segue sob sigilo”.

VEJA MAIS

Caso Yasmin: Questionada sobre o que houve com influencer, amiga dispara: 'Não preciso responder'
Bárbara Ramos, considerada pela família uma amiga próxima de Yasmin Cavaleiro, foi indagada sobre o ocorrido durante uma live no Instagram

Caso Yasmin: mãe de influencer questiona testemunhas e demora na conclusão das investigações
Eliene Fontes cobra das autoridades por justiça pela morte da filha

​​Caso Yasmin: Dono da lancha não corre o risco de ser preso, justifica defesa sobre habeas corpus negado
Lucas Magalhães de Souza teve três pedidos negados pelo Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) e, recentemente, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília

A defesa de Lucas Magalhães, em nota enviada à reportagem de OLiberal.com, afirma que a lancha segue sob tutela da PC. “A embarcação permanece apreendida pela Polícia Civil do Estado do Pará e tendo seu legítimo proprietário como fiel depositário, devendo cuidar e zelar pelo bem que é objeto de investigação, como assim tem feito”, diz o comunicado, assinado pelos advogados Antônio Tourão, Paulo Maia e Frank de Souza.

“Dessa forma, frisamos as inverdades quanto à informação deste suposto desmonte e venda da lancha, a mesma continua apreendida, preservada em sua integridade, em local certo e sabido por partes das autoridades policiais”, garante a nota.

A denúncia havia sido feita no perfil do Instagram “Justiça por Yas”, criado pela mãe de Yasmin, a professora Eliene Fontes, para pedir justiça ao caso, cujas investigações já passam dos cinco meses e está na fase da reconstituição.

De acordo com a publicação do perfil “Justiça por Yas”, no último dia 11 de maio, quando equipes da Polícia Civil e Polícia Científica do Pará teriam chegado à marina particular, pertencente à família de Lucas, para realizar a terceira etapa da reprodução simulada dos fatos supostamente haviam se deparado com um mecânico retirando os bancos e a estrutura de som que a embarcação possuía, possivelmente para vendê-la.

Um mecânico teria removido os bancos e estrutura de som que ela lancha possui. (Thiago Gomes/ Arquivo/ O Liberal)

A publicação diz, ainda, que o mecânico e o gerente da marina, Hugo Magalhães, primo de Lucas, foram conduzidos à delegacia de Polícia Civil para prestar depoimento sobre o que seria um “descumprimento de ordem judicial” e “do local de prova”, segundo a publicação, uma vez que na noite do dia 12 de dezembro tudo, inclusive disparos de arma de fogo, teria acontecido dentro da lancha.

Procurado, o advogado da família de Yasmin, Luiz Araújo, disse que tem acompanhado os desdobramentos do caso e que a polícia tem tomado todas as providências cabíveis para a conclusão do Inquérito Policial (IPL). A reportagem de OLiberal.com entrou em contato com Eliene Fontes, mãe de Yasmin.

Ela confirmou o que diz a publicação. “A reconstituição final não aconteceu dia 11, porque ele desmontou a lancha. Mais um crime para ele. Mas a polícia não pode prender, porque se prender terá somente dez dias para acabar o inquérito e a terceira fase da reconstituição já está marcada”, explicou Eliene Fontes. “A polícia e os peritos chegaram lá e estava sem som, sem bancos e o desmontador estava lá. Foram para a delegacia prestar depoimento. Agora ele tem que remontar a lancha”, completou.​

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA