Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Casal abusador e assassino de bebê de 1 ano pega 129 anos de cadeia, em Parauapebas

O crime chocou o Pará, com repercussão na imprensa nacional, em janeiro de 2020

O Liberal

Foram dois dias de julgamento pelo Tribunal de Júri de Parauapebas até o anúncio da sentença de condenação do casal, Irislene da Silva Miranda, de 29 anos, e Deyvyd Renato Oliveira Brito, 32 anos, na noite desta quinta-feira (21). Somadas as penas chegam a quase 130 anos de prisão pelos crimes de tortura, estupro e morte de Carla Emanuele Miranda Correia, de um ano e oito meses de idade. A bebê era filha biológica de Irislene e enteada de Deyvyd. Com informações do site Ze Dudu.

VEJA MAIS

Bebê de um ano é espancada e estuprada pelo padrasto em Parauapebas Segundo Polícia Civil, mãe sabia dos abusos e também foi presa

Bebê estuprada e espancada pelo padrasto em Parauapebas pode ter sido vítima de ritual satânico Denúncias apontam que o casal praticava rituais

Bebê estuprada pelo padastro em Parauapebas era espancada até desmaiar Criança era vítima de constantes agressões e a mãe sabia de tudo

Acusados de matar bebê em Parauapebas são indiciados por tortura, estupro de vulnerável e feminicídio Padrasto e mãe da menina foram presos preventivamente

O crime aconteceu no dia 7 de janeiro de 2020, em Parauapebas, município do sudeste do Pará, com grande repercussão no Pará e na imprensa nacional. De acordo com a denúncia do Ministério Público do Pará (MPPA), a partir de um volumoso inquérito policial, a morte da menina foi provocada por hemorragia intracraniana.

Segundo os laudos periciais, a criança era vítima frequente de abusos sexuais, tortura e agressões. Em uma dessas sessões de perversão, a bebê ficou muito mal e foi levada pelo casal torturador para o Hospital Municipal de Parauapebas (HMP).

A mãe, Irislene, contou no hospital que a criança tinha caído e batido a cabeça, mas os exames comprovaram que ela tinha sofrido violência sexual e Irislene admitiu aos policiais que sabia dos abusos cometidos pelo companheiro Deyvyd Brito contra a bebê. Ela ainda disse que quando ela se recusava a manter relações sexuais com Deyvyd, ele abusava da criança.

O casal foi sentenciado pelos crimes de homicídio qualificado, estupro de vulnerável, lesão corporal grave e tortura. O juiz fixou a pena de 46 anos, cinco meses e 20 dias à Irislene Miranda; Deyvyd Brito pegou 83 anos e quatro meses de prisão, fechada.

CASA INCENDIADA

Logo que vizinhos e populares souberam do crime contra a menina de um ano e oito meses, em janeiro de 2020, a casa em que moravam Deyvyd Renato Oliveira Brito e Irislene Miranda foi incendiada, na rua Axixá, no bairro Liberdade II, em Parauapebas. A dona do imóvel, Lucivanir Ribeiro, contou à época que alugava a casa, há menos de dois meses, para o casal.

Lucivanir também disse que estava arrasada pelo assassinato da criança, e considerou o feito um ''crime bárbaro''. O imóvel estava alugado por R$ 100,00. ''Era um patrimônio do meu pai, construído com sacrifício. "Quando cheguei, os bombeiros já haviam dominado o fogo, mas, só a frente ficou inteira, o resto são destroços”, lamentou Lucivanir.

A titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), que também trata de crimes contra a Infância e Adolescência, delegada Ana Carolina Abreu, concluiu o inquérito policial que apurou os crimes cometidos contra a bebê Emanuelly Miranda Correia.

A peça policial confirma a prática dos crimes de abuso sexual e espancamentos. Segundo a delegada Ana Carolina Abreu, a criança passou por diversas sessões de tortura até que na noite do dia 7 de janeiro, ela morreu devido uma forte pancada na cabeça. 

MENTIRAS E HEMATOMAS

A delegada relatou detalhes das investigações, como o fato de um vizinho ter ouvido o choro da criança no dia do crime, no momento em que a mãe disse, em depoimento, que havia ido comprar carne.

Segundo a delegada Ana Carolina, as imagens das câmeras de monitoramento do comércio em que Irislene afirmou ter estado não a mostram no estabelecimento em momento algum. Ou seja, ela esteve em casa o tempo todo.

O laudo apontava, segundo a delegada, que o “número de hematomas na cabeça de Emanuelly era assustador”, o que levou a polícia supor que o padrasto, todas as vezes que ia abusar sexualmente da criança, dava uma pancada na cabeça dela, para que a garota desmaiasse.

Com a vítima indefesa, ele cometia o estupro. Assim, ela não choraria nem gritaria, evitando que chamasse atenção dos vizinhos. “Entretanto, na última pancada ela morreu. Ou a pancada foi mais forte ou morreu por causa da quantidade de lesões anteriores", informou a delegada.

Palavras-chave

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA