Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Seguranças particulares que agrediram pessoas em situação de rua serão investigados por tortura

Polícia Civil também aponta que não há indícios de que a empresa de segurança tenha autorização para funcionamento. Equipamentos usados pelos seguranças, que foram demitidos, demandam treinamento específico

O Liberal

Todos os agressores envolvidos no espancamento de pessoas em situação de rua na Feira da 25, em Belém, já foram identificados pela Polícia Civil. O titular da Diretoria de Polícia Metropolitana (DPM), Daniel Castro, confirmou que os vigilantes estão sendo investigados pelo crime de tortura. Ele também informou que a utilização de equipamentos como cassetetes, armas de choque e spray de pimenta ou gás necessitam de uma capacitação prévia para serem utilizados, e que não há indícios de que a empresa "Braga Segurança Patrimonial" seja legalizada.

VEJA MAIS

VÍDEO: Pessoas em situação de rua são espancadas por seguranças particulares em feira de Belém
Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso, que ocorreu na Feira da 25. Uma das vítimas, um idoso, é golpeado covardemente na cabeça com cassetetes

Empresa diz que vigilantes filmados espancando pessoas em situação de rua foram demitidos
'Braga Segurança Patrimonial' informou que apenas quatro homens eram funcionários do grupo e que não compactua com este tipo de procedimento

"Nós já identificamos as vítimas, os envolvidos e os responsáveis pela empresa. Infelizmente o fato aconteceu do dia 16 pro dia 17, então não tem mais como se impor um flagrante. Mas foi instaurado inquérito policial por tortura nas duas modalidades, a que você participa efetivamente da agressão a parte da omissão, porque todos acompanharam o vídeo e viram que o pessoal se deleita com aquela barbaridade", explicou o delegado Daniel Castro.

O titular da DPM disse ainda que equipamentos como cassetetes, que são utilizados pelos agressores no vídeo em questão, e outros como balas de borracha e spray de pimenta e gás são menos letais, mas ainda assim podem matar alguém. "Por exemplo, uma munição de borracha, se você fizer um disparo a menos de três metros, vai perfurar sensivelmente a vítima. Então é por isso que todo agente público tem que ser capacitado para manusear esse tipo de equipamento", pontuou.

Grupos clandestinos

Ainda de acordo com o delegado, a maioria dos grupos de vigilantes que atuam em Belém são clandestinos. "Inclusive, nós fizemos uma busca e não encontramos nada de legalidade nessa empresa, a gente crê que ela não esteja legalizada. Mas o responsável vai ser ouvido para verificar se ele possui ou não essa documentação", concluiu Daniel Castro.

O caso

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra a ação truculenta de um grupo de seguranças particulares na Feira da 25, no bairro de São Brás, em Belém. Dois homens em situação de rua, um deles idoso, são acordados e espancados por seis homens, com golpes de cassetete, porque estavam dormindo em um box, além de serem ameaçados.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA