Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Varíola de macaco: entenda sobre a doença que tem se espalhado no mundo

Já são 131 casos confirmados da doença segundo a OMS; Sespa diz ainda não há indicação de barreira sanitária no Pará

Camila Guimarães

Desde o dia 7 de maio, quando o Reino Unido relatou o primeiro caso de varíola de macaco, outros registros da doença vêm sendo detectados em vários países, sobretudo na Europa e América do Norte. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta terça-feira (24) já foram confirmados 131 casos da doença e outros 106 ainda constam como suspeitos.

VEJA MAIS

Anvisa pede uso de máscara para adiar a chegada da varíola de macaco no Brasil
Agência reforçou a necessidade das medidas "não farmacológicas", como distanciamento físico, uso de máscaras e etc.

Argentina tem primeiro caso suspeito de varíola de macaco
O paciente procurou uma clínica após apresentar bolhas pelo corpo e febre

OMS confirma 92 casos de varíola de macaco em 12 países não endêmicos para a doença
Informações disponíveis sugerem que a transmissão está ocorrendo entre pessoas que tiveram contato físico próximo com casos sintomáticos

Na noite do último domingo (22), a Argentina informou que um paciente, morador de Buenos Aires, procurou uma clínica para relatar sintomas típicos da doença: bolhas pelo corpo e febre. Se confirmado, o caso seria o primeiro da América do Sul. Na visão da pesquisadora da Seção de Virologia do Instituto Evandro Chagas, Mônica Silva, o espalhamento da doença deve servir de alerta às autoridades em saúde.

“Está havendo uma transmissão, como foi descrito no Reino Unido, e é importante nos alertarmos. Há um caso suspeito na Argentina, então nós vemos a aproximação do território brasileiro. Os profissionais de saúde devem se atentar para essas condições de alterações dérmicas com pápulas, vesículas, ulcerações, mesmo que não tenha vínculo epidemiológico com a África”, diz a especialista.

Sespa diz que ainda não há indicação da necessidade de barreira sanitária. (CDC/ Brien W.J Mahy)

Características da varíola de macaco

Mônica explica que a varíola de macaco é uma doença endêmica da República Democrática do Congo, na África Central, por isso, sua ocorrência em outros países não é natural: “Os casos que estão acontecendo fora da África têm algum vínculo epidemiológico com aquela região. Provavelmente alguém que viajou para África e teve contato com animal ou pessoa contaminada e, quando voltou para o seu país de origem, acabou manifestando essa doença”.

Apesar do nome, a pesquisadora esclarece que esse tipo de varíola não é causada por macacos, mas acabou ficando conhecida desta maneira porque o primeiro surto foi identificado em macacos de laboratório, em 1958. O primeiro caso em humanos data de 1970. Além disso, a varíola de macaco teria uma transmissibilidade baixa, viabilizada por contato direto com gotículas e secreções da pessoa infectada: “Através daquelas pápulas e ulcerações características da doença, as secreções contaminam objetos como lençóis de cama, por exemplo. Mas ainda assim é preciso um contato prolongado para ser infectado pelo vírus”, diz Mônica Silva.

Apesar de preocupante, a pesquisadora conta que a varíola de macaco é um tipo mais brando do que a varíola erradicada pela vacinação. Além disso, essa versão da doença também é autolimitada:

“Ela dura de duas a quatro semanas, após o início dos sintomas e depois desaparece. A taxa de letalidade também é bem menor, chegando a 10%, em pessoas que foram vacinadas”.

Medidas contra a doença no Pará

De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado do Pará (Sespa), ainda não há indicação de instituir barreira sanitária no estado, porque não há nenhum caso registrado no Brasil e a OMS não recomenda nenhuma restrição para viagens e comércio com o Reino Unido ou outros países com base nas informações disponíveis até o momento.

Sobre a providência de algum mecanismo para evitar que a doença chegue ao estado, a Sespa diz, em nota, que “o Ministério da Saúde emitiu alerta epidemiológico, está monitorando a situação no país e em processo de desenvolvimento de instrumentos de notificação e investigação para uso no território nacional. O CIEVS estadual está elaborando nota de alerta com orientações para a notificação dentro do Pará”.

O Instituto Evandro Chagas (IEC) diz que já está providenciando os insumos necessários para o diagnóstico laboratorial da doença e seguirá dando apoio à vigilância epidemiológica.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ