Pará registra mais de 6,7 mil casos de dengue em 2022

Segundo o Ministério da Saúde, o estado é o terceiro da região Norte com maior número de casos

Fabyo Cruz
fonte

O Pará registrou 6.719 possíveis casos de dengue em 2022 - que são os confirmados e os sob análise, conforme evidenciou o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde (MS), que monitora casos de arboviroses no Brasil. O documento também aponta que a região teve 344 casos de chikungunya e 101 de zika. As três doenças são transmitidas pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. Entre os sete estados da região Norte, o Estado é o terceiro com maior número de casos.

VEJA MAIS

image Brasil tem aumento de 180,5% nos casos de dengue em 2022; Pará tem aumento de 60%
Mesmo com o cenário nacional, a região Norte ficou em 5º lugar no ranking das áreas com mais casos da doença

image Alerta: casos de dengue no Pará crescem mais de 58% em 2022, diz Sespa
Segundo a Sespa, os cinco municípios com mais casos confirmados de dengue são Parauapebas, Conceição do Araguaia, Santarém, Canaã dos Carajás e Belém

Ainda no Norte do país, o estado do Tocantins é o que tem o maior número de casos de dengue (22.598); seguido de Rondônia (13.557); Pará (6.719); Amazonas (5.440); Acre (3.730); Amapá (276); e, por último, Roraima (84). A incidência de diagnósticos de dengue na região está em 277,2 por 100 mil habitantes.

Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), em meados de janeiro deste ano, apontaram que no Pará foram diagnosticadas com dengue, ano passado, 4.620 pessoas, um aumento de 150,2% em relação ao número de casos registrados em 2020. Neste intervalo de tempo, cerca de 10.679 pessoas foram acometidas pela doença. Segundo a assessoria de comunicação do Ministério da Saúde, a diferença entre o levantamento da Sespa é o do MS é porque o estudo do governo federal engloba “possíveis casos ou prováveis casos”, ou seja, os casos que ainda estão em investigação.

Cenário nacional

A nível Brasil, quando os dados são comparados com 2021, todas as arboviroses apresentam aumentos preocupantes: a dengue com crescimento de 162,5% nos registros, a chikungunya com 78,9% de crescimento e a zika com 42% a mais de casos prováveis. Não existem medicamentos contra o vírus da dengue, zika e chikungunya e nem vacina preventiva, por isso, a participação da sociedade é fundamental no processo de prevenção contra o Aedes aegypti

Como prevenir? 

A medida mais efetiva é a eliminação das condições de reprodução do mosquito. O combate ao mosquito é feito com ações simples.

O que fazer para evitar a reprodução do mosquito?

  • retirar galhos e folhas das calhas,
  • guardar as garrafas viradas com a boca para baixo,
  • guardar os pneus em locais cobertos,
  • manter em dia a manutenção das piscinas,
  • tapar os tonéis e caixa d’água,
  • manter as lajes limpas,
  • preencher os pratinhos de plantas com areia,
  • esticar as lonas de proteção para evitar o acúmulo de lixo,
  • limpar a bandeja de ar-condicionado,
  • fechar bem os casos de lixo.

Saiba como identificar as doenças

Existem diferenças nos sintomas que podem ajudar na distinção das doenças. A dengue se destaca por dores no corpo e a chikungunya por dores e inchaço nas articulações. A zika costuma apresentar febre mais baixa (ou ausência de febre), manchas na pele e coceira no corpo.

Pará
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ