Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Amazônia: Pará, Mato Grosso e Amazonas concentram 77% do desmatamento em junho

O primeiro semestre de 2022 foi o pior da série histórica em 15 anos, com aumento de 20% da destruição de florestas

Victor Furtado

De janeiro a junho de 2022, a Amazônia teve o pior índice de desmatamento do primeiro semestre em 15 anos. Foram devastados 4.789 km² de florestas, o que representa cerca de 20% a mais do que no mesmo período do ano passado. Somente no mês de junho, Pará, Mato Grosso e Amazonas concentraram 77% de toda a área desmatada dentre os nove estados que compõem a Amazônia Legal. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgados nesta segunda-feira (18).

O Pará foi o estado que teve a maior área destruída em junho, como aponta o Imazon: 497 km². Isso representa um aumento de 48% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram registrados 336 km² de devastação. Em relação aos municípios paraenses, Altamira foi o que mais desmatou na Amazônia em junho (102 km²), seguido de São Félix do Xingu (69 km²) e Itaituba (64 km²).

De cada quatro hectares desmatados no Brasil em 2021, um foi no Pará, onde o desmate alcançou 402.492 ha (24,3% do total), segundo o Relatório Anual do Desmatamento (RAD), da MapBiomas, também lançado nesta segunda. O outro estudo confirma a mesma tendência dos que lideram a área desmatada da Amazônia, como apontou o Imazon.

O Amazonas, que era o quarto no ranking em 2020, apareceu agora em segundo lugar, com 194.485 ha desmatados, que representam 11,8% do total. O Mato Grosso apareceu em terceiro, com perda de 189.880 ha (11,5%), seguido do Maranhão, com 167.047 ha (10,1%), e Bahia, com 152.098 (9,2%). Juntos, esses 5 estados responderam por 67% da área desmatada no Brasil em 2021.

VEJA MAIS

MPF aciona Justiça federal para cobrar fiscalizações emergenciais em terras indígenas no Pará
O objetivo é conter as invasões e o desmatamento que tornaram a área, nos últimos três anos, uma das mais desmatadas da Amazônia

Pará lidera ranking com mais de mil processos contra desmatadores na Amazônia
Estudo inédito do Imazon aponta que jurisprudência criada a partir de ações do MPF dentro do Programa Amazônia Protege pode acelerar punições e mudar o rumo da impunidade

Apenas 8% das ações do MPF de combate ao desmatamento na Amazônia resultaram em punições
Levantamento do Imazon leva em conta resultados de processos encaminhados entre 2017 e 2020

Desmatamento em terras indígenas e áreas preservadas chama atenção

“No Pará, temos o grande problema do desmatamento que está avançando sobre áreas protegidas. Em junho, 6 das 10 unidades de conservação e 5 das 10 terras indígenas mais desmatadas na Amazônia ficam no estado, inclusive as que lideram os rankings, a APA Triunfo do Xingu e a Terra Indígena Apyterewa”, explica a pesquisadora do Imazon Bianca Santos.

A TI Apyterewa foi alvo de invasões de supostos grileiros em maio. Esse território concentrou 52% de todo o desmatamento ocorrido nas terras indígenas da Amazônia em junho. Foram devastados 14 km² no mês, o que corresponde a 1,4 mil campos de futebol.

“Esse novo recorde de desmatamento na Amazônia representa uma maior ameaça à vida de povos e comunidades tradicionais, como indígenas, quilombolas e ribeirinhos, os deixando reféns dos crimes e da violência. Além disso, a derrubada da floresta também contribui para o agravamento das mudanças climáticas, que está relacionado com a maior frequência e intensidade de fenômenos extremos como secas e chuvas fortes”, alerta Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon.

VEJA MAIS

Desmatamento: Pará tem metade das áreas protegidas mais devastadas da Amazônia, aponta Imazon
O período de janeiro a maio de 2022 teve o pior índice de desmatamento em 15 anos anos, diz o estudo do instituto

Maior explorador ilegal de florestas no sul do Pará é preso em São Félix do Xingu
Geraldo Daniel de Oliveira responde por 10% do desmatamento no Estado, diz a polícia  

Pará reduziu em quase 50% o desmatamento no mês de maio, aponta Inpe
Os dados foram levantados pelo Sistema Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real (Deter) e divulgados pela Semas

Verão amazônico e eleições contribuem para tendência de alta

Pela avaliação do Imazon, a tendência para os últimos seis meses do ano é de que a destruição siga em ritmo acelerado por três motivos principais. O primeiro é a continuidade do período seco na região até outubro, o chamado “verão amazônico”, quando a ação de derrubada da floresta se torna mais fácil do que nos meses da estação chuvosa.

O segundo é a realização das eleições, quando, historicamente, as fiscalizações federais, estaduais ou municipais costumam diminuir, como afirma o Imazon. E o terceiro é a falta de sinalização dos órgãos ambientais de que haverá ações mais duras de combate ao desmatamento neste segundo semestre.

“Isso funciona como um incentivo para que os desmatadores ilegais sigam atuando na região, principalmente através do processo de grilagem de terras”, conclui Larissa.

Semas

Em nota, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) disse que, de acordo com dados oficiais do INPE, o desmatamento caiu 18% no Pará entre 2021 e 2022. "Os números são do estudo público mais completo disponível, que é o Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). A repressão aos crimes ambientais no Pará tem influência direta na queda dos índices de desmatamento ilegal. Desde junho de 2020, foram 23 edições da Operação Amazônia Viva, que embargou mais de 294 mil hectares de terras onde eram realizadas atividades ilegais. Lembramos que 70% de áreas do Pará são de jurisdição Federal e 30% de responsabilidade do Estado", detalhou a nota.

A Redação Integrada de O Liberal demandou e ainda não conseguiu retorno das prefeituras de Altamira e Itaituba. A reportagem ainda não conseguiu contato com a Prefeitura de São Félix do Xingu.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ