Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump, é condenado a prisão pela Justiça dos EUA

A sentença se refere às acusações foi condenado por se recusar a entregar documentos e a depor à comissão da Câmara que investiga a invasão do Capitólio

Luciana Carvalho
fonte

Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump e organizador da ultradireita global, foi condenado nesta sexta-feira (21) a 4 meses de prisão e multa de 6.500 dólares, o equivalente a R$ 33,6 mil, pela Justiça dos EUA por desacato ao Congresso. As informações são da Folha de S.Paulo.

A sentença se refere às acusações pelas quais Bannon, de 68 anos, foi condenado em julho, por se recusar a entregar documentos e a depor à comissão da Câmara que investiga a invasão do Capitólio.

Bannon chegou ao tribunal na manhã desta sexta-feira sob protestos de manifestantes, que gritavam palavras de ordem como "traidor" e insuflaram a imagem de um rato gigante com o topete de Donald Trump e um celular na mão.

VEJA MAIS

image EUA: Republicanos defendem invasão ao Capitólio
Os 168 membros do Comitê Nacional Republicano (RNC, por sua sigla em inglês) aprovaram uma censura formal, acusando os dois legisladores de comportamento "destrutivo da Câmara dos Deputados dos EUA"

image FBI diz ter apreendido documentos classificados na mansão de Trump
Papéis com segredos de Estado estão relacionados a suspeitas de violações da Lei de Espionagem

image FBI fez operação na casa de Donald Trump, na Flórida
Motivo das investigações estariam ligados à retirada de documentos da Casa Branca pelo norte-americano

Invasão do Capitólio

Em 6 de janeiro de 2021, apoiadores de Trump, induzidos pelo republicano, invadiram o prédio principal do Congresso para tentar impedir a certificação da vitória de Joe Biden. Cinco pessoas morreram durante a invasão.

Um comitê foi formado na Câmara por sete democratas e dois republicanos para apurar o episódio. Segundo as investigações do grupo, Bannon falou com Trump pelo menos duas vezes no dia anterior ao ataque e participou de uma reunião de planejamento em um hotel em Washington. O painel chegou a exibir um vídeo no qual Bannon diz, em seu podcast, no dia 5 de janeiro de 2021, que "o inferno vai acontecer amanhã".

Bannon foi intimado pelo comitê a entregar documentos e comunicações com Trump e aliados, mas se recusou sob a justificativa de que também teria direito ao chamado "privilégio executivo", que protege as comunicações do presidente e seus assessores. A comissão do Congresso rejeitou a alegação, mas mesmo assim o ex-estrategista de Donald Trump não respondeu às intimações.

Sentença

A promotoria havia pedido que o aliado de Trump fosse sentenciado a seis meses de prisão, enquanto seus advogados pleiteavam liberdade condicional. Durante a audiência, o promotor JP Cooney disse que Bannon desrespeitou o Congresso. "Ele não está acima de lei, e é por isso que esse caso tem importância."

Segundo os detalhes apresentados pelo juiz Carl Nichols, responsável pela sentença, a defesa de Bannon tem 14 dias para recorrer da decisão. Os advogados já indicaram que vão levar o caso a uma corte de apelação. Em um cenário improvável no qual não apresentasse o recurso, ele teria até o próximo dia 15 para se render voluntariamente.

Após o anúncio da pena, Bannon confirmou que vai recorrer da decisão. Ele também afirmou que a população americana vai julgar em 8 de novembro o governo de Biden que chamou de ilegítimo, repetindo alegações infundadas de fraude eleitoral.

O processo contra Bannon é o primeiro por desacato ao Congresso bem-sucedido desde 1974. A condenação de Bannon  ganha nova força agora, depois que o comitê que investiga o 6 de Janeiro aprovou uma moção, na última semana, para intimar Trump a prestar esclarecimentos sobre a invasão do Capitólio. Não há expectativa de que o ex-presidente compareça sem questionar a intimação, mas a força de uma condenação por desacato dá outro peso ao pleito.

Este não é, porém, o processo mais grave que Bannon enfrenta. No começo de setembro, ele foi acusado pela Justiça de Nova York de fraude, lavagem de dinheiro e conspiração em um suposto esquema na arrecadação de recursos para construir o muro que separa o país do México, bandeira de campanha do ex-presidente Donald Trump. Se condenado, pode pegar até 15 anos de prisão.

Ele chegou a ser preso em agosto de 2020 sob as mesmas acusações, mas foi liberado em seguida, após pagar fiança de US$ 5 milhões (R$ 26 milhões). Em 20 de janeiro de 2021, horas antes de passar o cargo de presidente para o democrata Joe Biden, Trump concedeu, durante a madrugada, perdão presidencial a Bannon e a outros 142 aliados. O perdão o livrou das acusações de fraude sob a Justiça Federal, mas outro processo foi aberto em Nova York.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO