Rússia não vê perspectiva de negociações de paz com a Ucrânia ‘no momento’

Declaração foi dada pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov

O Liberal
fonte

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou a repórteres nesta terça-feira (6), que concorda com a necessidade de uma paz entre Rússia e Ucrânia, mas não acredita negociações no momento. "Que o resultado deve ser uma paz justa e duradoura - pode-se concordar com isso. Mas quanto às perspectivas de algum tipo de negociação, não vemos nenhuma no momento", declarou. As informações são do Portal UOL.

As declarações de Peskov foram dadas em resposta às afirmações apresentadas na véspera pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, de que o conflito na Ucrânia terminará "quase certamente com diplomacia" e negociações, e que "uma paz justa e duradoura" é necessária.

VEJA MAIS

image Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky é a pessoa do ano de 2022 do 'Financial Times'
Jornal citou a decisão de Zelensky de permanecer no seu país no início da guerra com a Rússia, apesar da oferta de evacuação dos Estados Unidos

image Rússia endurece leis contra propaganda LGBTQIA+
Medida restringe na prática qualquer tipo de manifestação

image Embaixadas e consulados ucranianos recebem embalagem com sangue e órgão de animais
Os pacotes foram entregues a sete países da Europa: Hungria, Holanda, Polônia, Croácia, Itália e Áustria. O governo ucraniano disse que está atento às ameaças. Todas as embaixadas e consulados da Ucrânia tiveram a segurança reforçada.

image Rússia rejeita condições dos EUA para encerrar guerra na Ucrânia
Putin diz que está aberto a negociações, mas não está disposto a aceitar as condições dos EUA

image Carta-bomba explode na Embaixada da Ucrânia em Madri
Desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, esta é a primeira vez que uma Embaixada da Ucrânia sofre uma tentativa de ataque. Uma pessoa ficou ferida

De acordo com o porta-voz do Kremlin, para que as negociações aconteçam com potenciais parceiros, a Rússia precisaria cumprir os objetivos de sua "operação militar especial".

O país governado por Vladimir Putin alega, desde a invasão à Ucrânia, em 24 de fevereiro, que sua meta é desmilitarizar o país vizinho, impedindo sua entrada na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), e a desnazificação do país. 

Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO