Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Presidente do Remo fala sobre abaixo-assinado da FPF: 'Não faz sentido algum'

Fábio Bentes disse que não foi informado sobre a existência do documento. Clubes protocolaram na Federação pedido de eleições para o cargo de presidente da entidade.

O Liberal

O presidente do Remo, Fábio Bentes, disse que não teve conhecimento sobre o abaixo-assinado, recebido pela Federação Paraense de Futebol (FPF), que solicitava a convocação de eleições para o cargo de presidente da entidade. De acordo com o mandatário azulino, o documento "não é necessário", devido às diretrizes do estatuto da Federação. 

VEJA MAIS

FPF recebe abaixo-assinado de clubes solicitando eleições para o cargo de presidente
Oito dos 12 presidentes de equipes participantes do Parazão assinaram o documento, que foi protocolado na Federação na noite de terça-feira (28)

Presidente da Tuna assume FPF de forma interina; Graciete é a primeira mulher a liderar a Federação
Informação foi confirmada pela própria Graciete Maués

"Eu, particularmente, não fui avisado de abaixo-assinado nenhum. Além disso, não vejo sentido nesse documento. A Graciete assumiu a presidência com a obrigação de convocar eleições, devido ao estatuto. Ela tem oito dias para convocar uma Asssembleia Geral e fazer um novo pleito. Tenho certeza que isso será cumprido", disse Bentes. 

Na noite da última terça-feira (25), os clubes participantes do Campeonato Paraense protocolaram um abaixo-assinado solicitando a convocação de eleições para a presidencia da FPF. O documento contou com as assinaturas dos presidentes de oito dos 12 clubes participantes da competição. 

Segundo Fábio, a elaboração deste documento faz parte de um movimento político dentro da Federação. 

"Não posso assinar algo que não tive conhecimento. Ainda está no prazo pra Graciete convocar eleições. O que deve estar acontecendo é um movimento político, que é natural no período de eleições", disse Fábio. 

Entenda o caso

Graciete Maués, que também é presidente da Tuna Luso, assumiu o cargo na Federação pelo fato da Águia Guerreira ser a afiliada mais velha da FPF. A medida foi tomada devido à vacância no comando da entidade. 

Após o fim do mandato do presidente da FPF, Adelcio Torres, que terminou no dia 31 de dezembro, novas eleições não foram convodadas. Às vésperas do pleito, a Justiça suspendeu a escolha do novo comandante, que ocorreria no dia 28 de dezembro do ano passado. No dia anterior à decisão judicial, a chapa do candidato Paulo Romano, então impugnada da eleição, entrou com uma ação na Justiça para voltar ao pleito.

De acordo com a desembargadora Eva do Amaral, que decidiu suspender a eleição, os motivos foram a violação da Lei Pelé, que estabelece que a comissão eleitoral que deve convocar o pleito - o próprio Adelcio foi quem o fez.

A partir disso, Adelcio seguiu na presidencia da FPF, apoiado no artigo 127 da entidade. Segundo a norma, o mandato do atual presidente deve ser prorrogado automaticamente até a posse dos novos eleitos. A manobra também recebeu a chancela da CBF. 

No entanto, apesar dos apoios legais, Adelcio disse que convidou Graciete para assumir o cargo, de forma interina. Ele disse que, juridicamente, não poderia assinar nenhum documento como presidente. Com a proximidade do início do Parazão, Adelcio disse que chamou a presidente da Tuna para ser presidente interina.

Remo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM REMO

MAIS LIDAS EM ESPORTES