Saiba se é vantajoso entrar em um consórcio de carro ou imóvel

Modalidade tem preço mais baixo que o financiamento, mas é preciso atenção

Elisa Vaz

Os sistemas de consórcios são uma modalidade muito popular para quem quer adquirir um imóvel ou veículo contando com a sorte. Segundo a Associação Brasileira de Administradores de Consórcios (Abac), trata-se da “arte de poupar em grupo”, já que é uma união de pessoas em que todos contribuem mensalmente para uma grande poupança e esse “fundo comum” é utilizado por todos os participantes do grupo para a aquisição do bem ou serviço desejado, em ordem definida por sorteio e lance. Ou seja, uma pessoa que fez a contratação de um determinado bem pode ser sorteada logo no início do contrato, mesmo que tenha pagado apenas uma parcela. Mas é sempre bom ficar atento às armadilhas.

A associação mostra que a venda de cotas de consórcios no Pará cresceu de 2020 para 2021, passando de 168.865 para 169.584, uma alta de 0,4%. Mas as contemplações, quando alguém é escolhido no consórcio, subiram 17,5% - 60.261 foram contempladas em 2020 e 70.829 em 2021. No caso de veículos, no entanto, foi observada uma queda na venda de cotas tanto dos leves, que incluem automóveis, utilitários e camionetas, quanto das motocicletas, respectivamente de 3% e de 1,6%. Foram 47.050 veículos leves vendidos em consórcios no Pará em 2020 e 45.637 em 2021, e foram vendidas 104.586 cotas de consórcios de motocicletas no Estado no ano passado, contra as 106.286 de um ano antes. Quanto às contemplações, houve um reajuste de 12,7% nas de veículos leves e de 19,3% nas de motocicletas.

Analista de produtos e serviços do Sicoob Coimppa, Irys Américo afirma que a alta procura pela venda de cotas de consórcios de veículos tem sido notada na cooperativa. Os números analisados por ela, no entanto, mostram um cenário mais positivo: apenas no primeiro semestre de 2021 houve uma alta de 60% nas vendas de cotas, na comparação com o mesmo intervalo de 2020, sendo que as vendas de consórcios de veículos leves cresceram cerca de 40% e as de motocicletas 100%. De acordo com Irys, as vendas mantiveram-se aquecidas durante o segundo semestre, mesmo com o cenário de retração econômica. E, em novembro de 2021, o setor bateu novos recordes, confirmando o comportamento de alta observado desde janeiro. Para ela, o resultado confirma um comportamento de confiabilidade e segurança dos consumidores em relação ao produto.

Como será o setor de consórcios em 2022?

Em 2022, a expectativa é de aumento nas vendas e, consequentemente, um cenário positivo, devido ao consumo consciente e responsável e maior conhecimento dos consumidores em relação ao consórcio. “Mas não podemos deixar de considerar que ainda estamos no curso de uma pandemia, de dificuldades econômicas, com juros elevados e com tendência ao aumento, somado às incertezas que o ano de eleições traz para o desenvolvimento econômico do país”, alerta a analista.

Como entrar em um consórcio?

O diretor de uma empresa de consórcios em Belém Ricardo Lira também notou uma grande procura pelos consórcios de veículos novos e seminovos. Segundo ele, isso ocorreu por conta do aumento na taxa de juros nos financiamentos bancários e por ser um investimento seguro. “Nossa administradora é de fábrica, tem garantia do Banco Central”, destaca. O plano mais procurado na empresa é o do Ônix, que custa acima de R$ 70 mil – de acordo com o empresário, e é o mais fácil. Para entrar em um consórcio, Ricardo explica que basta apresentar a documentação: RG, CPF e comprovante de endereço. Além disso, é preciso fazer o pagamento da primeira parcela do plano escolhido. Cada cliente pode fazer até cinco contratos, com um limite de R$ 300 mil em crédito.

Já a cooperativa Sicoob Coimppa ressalta que existem vários tipos de consórcios e, por ser um produto muito diversificado, engloba todos os perfis de consumidores, de veículos populares aos importados, de pequeno, médio e grande portes, novos ou usados. “A procura, normalmente, é por um valor e não por um bem em referência, e o valor mais comum é, em média, R$ 60 mil. Qualquer pessoa física, entre 16 e 80 anos, observando aos menores de 18 a anuência dos pais, e pessoas jurídicas podem fazer um consórcio. Não há limitação de crédito, o valor é escolhido pelo consumidor e será submetido à análise de capacidade de pagamento somente após contemplação. No entanto, há restrições quanto à utilização do crédito, não podendo ser utilizado para aquisição de veículos de sinistro, de leilão, com chassi remarcado ou envolvidos em competições e trilhas”.

Um dos sortudos que foram contemplados em consórcios de veículos foi o professor Alan Oliveira, de 50 anos. Ele já havia participado desta modalidade por achar muito atrativa e recebeu uma moto no ano passado, um mês após ter ingressado no sistema. “Decidi entrar pelos juros baixos, no financiamento, é muito mais alto, quase duas vezes o preço do veículo. Se você tem dinheiro para dar lance, melhor ainda. Dei praticamente a metade e economizei cerca de 50% do valor”, conta. A desvantagem, para Alan, é a grande burocracia, já que para pegar o veículo demorou cerca de três meses. Hoje, ele usa o veículo sorteado e vendeu um de seus carros – tinha dois. O objetivo é economizar com o combustível.

“Eu indico o consórcio para quem não tem pressa e para quem tem uma boa entrada, um bom dinheiro para dar de lance. Sem essa entrada, não compensa tanto. Como é um sorteio, é difícil ser escolhido. Mas se a pessoa não tiver pressa, vale a pena. O meu segredo é o seguinte: quando fiz meu consórcio, pedi a média de lance, ela disse e fui certo no valor”, lembra.

É preciso cuidado

Antes de adquirir um consórcio, é essencial entender como o sistema funciona. Segundo o economista Nélio Bordalo, esta é uma modalidade de crédito na qual várias pessoas se juntam para que cada uma delas pague uma parte do bem. Em uma explicação simples, ele diz que o consórcio funciona ao contrário do financiamento de veículo. Nesta última modalidade, a pessoa recebe o dinheiro do financiamento e depois paga mensalmente com juros. Já no consórcio, o consumidor paga o banco antes de comprar o veículo, mas também tem a opção de ser contemplado em um sorteio e receber o bem antes do prazo. Nesse caso, ele continua pagando o consórcio após a contemplação do bem.

Qual o mais vantajoso, consórcio ou financiamento?

Na avaliação de Nélio, é mais vantajoso fazer um consórcio do que um financiamento para carro ou moto, mas essa conclusão depende do perfil financeiro de cada pessoa, pois existem vantagens e desvantagens nas duas modalidades. Entre os benefícios estão: as parcelas são menores e o valor total mais baixo; não é considerado uma dívida financeira; existe a possibilidade de desistência e ter o dinheiro de volta, mas com descontos e multas estabelecidas em contrato; não tem taxa de juros; não exige valor a ser pago de entrada; é indicado para quem tem pouco autocontrole na hora de guardar dinheiro para adquirir bens de valores significativos; entre outros apontados pelo economista.

Quais as desvantagens do consórcio?

Em relação às desvantagens, Nélio ressalta que: não existem garantias de quando a pessoa vai receber a carta de crédito, já que isso vai depender da sorte; os prazos dos consórcios são menores que no financiamento; possui taxas e multas por desistência; e, após ser contemplado, o consórcio torna-se uma dívida e o veículo pode ser alienado para garantir inadimplência.

Quais os cuidados para entrar em um consórcio?

Antes de entrar em um consórcio, o principal cuidado, segundo o economista, é pesquisar sobre a credibilidade e regularidade da empresa. “É imprescindível fazer uma consulta no Banco Central do Brasil (Bacen), pois ele é a autarquia federal que fiscaliza e regulamenta o Sistema de Consórcios do Brasil. No BC, a pessoa pode verificar se a empresa está autorizada a funcionar como administradora de consórcios. O próprio Banco Central informa mensalmente um ranking das administradoras que mais têm problemas com seus consorciados no Brasil”, orienta.

Pelo lado do orçamento, é importante fazer um planejamento financeiro, ou seja, conhecer a capacidade financeira para assumir um compromisso mensal e por longo tempo. A pessoa tem que estar ciente de que o consórcio é uma compra programada, e que depende de sorte ou de lances para receber a carta de crédito, diz Nélio. Outra dica é ler atentamente o contrato e todas as informações sobre o veículo que pretende adquirir, além de procurar saber sobre os prazos, possíveis reajustes e os tipos de parcelas, se são lineares ou decrescentes.

Panorama dos consórcios no Pará

Dados gerais

Vendas de cotas:
2020: 168.865
2021: 169.584  
Variação: 0,4%

Contemplações:
2020: 60.261
2021: 70.829
Variação: 17,5%

Consórcios de veículos leves

Vendas de cotas:
2020: 47.050
2021: 45.637
Variação: -3%

Contemplações:
2020: 11.332
2021: 12.773
Variação: 12,7%

Consórcios de motocicletas

Vendas de cotas:
2020: 106.286
2021: 104.586
Variação: - 1,6%

Contemplações:
2020: 45.924
2021: 54.795
Variação: 19,3%

Fonte: Abac

Confira alguns cuidados:

1. Verifique a credibilidade da administradora
2. Compare os benefícios oferecidos
3. Avalie sua capacidade financeira
4. Verifique critérios de transferência
5. Informe-se sobre o tratamento dos inadimplentes
6. Compare custo benefício
7. Leia o contrato atentamente
8. Cuidado com as fraudes

Fonte: InfoMoney

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA