Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Inflação: para 93% dos brasileiros, o preço dos produtos aumentou neste ano, aponta pesquisa

77% dos brasileiros estão pessimistas com a recuperação da economia

O Liberal

Segundo pesquisa da Federação Brasileira de Bancos, 93% dos brasileiros avaliam que o preço dos produtos que consomem aumentou ou aumentou muito em relação ao começo do ano de 2022. Os números ficam acima de 90% em todas as faixas salariais e chega a 96% entre os pesquisados que ganham mais de cinco salários mínimos. O peso da inflação foi apontado principalmente nos alimentos, categoria que 78% dos entrevistados indicou como a mais impactada pela disparada dos preços. Os dados negativos não param por aí: 51% dos entrevistados acreditam que a vida financeira e familiar só vai se recuperar após 2022 ou que isso nem mesmo acontecerá. 77% estão pessimistas com a recuperação da economia e 66% têm expectativas negativas para o crescimento do país.

“A inflação é o inimigo número um do Brasil. É um fenômeno mais sério aqui porque, há nove meses consecutivos, anualizada, vem ultrapassando a faixa dos dois dígitos", afirma em nota o presidente da entidade, Isaac Sidney.

VEJA MAIS

Preço do botijão de gás de cozinha continua em alta no Pará, aponta Dieese
Nos últimos doze meses, o valor acumulado no produto supera a inflação alcançando quase 31%

Inflação em Belém desacelera, mas ainda registra alta de 0,36% em maio
Saúde e Cuidados Pessoais (1,49%) e Comunicação (1,42%) foram os grupos que puxaram a alta de inflação no último mês

Cesta básica paraense teve maior alta em maio
Variação dos preços detectada em Belém é maior do que a inflação deste ano

"Além disso, está bastante disseminada e vem atingindo sobretudo as classes menos favorecidas. É mais sério também porque a inflação tem fatores estruturais, que estão entre nós, como o quadro fiscal débil que, vez por outra, volta a inspirar cuidados”, completa Sidney.

Investimentos e desemprego

A pesquisa perguntou, ainda, o que os entrevistados pretendiam fazer caso sobre algum dinheiro no bolso: 31% deles disseram que comprariam um imóvel; 16% utilizariam os recursos para reformas; e 20% afirmaram que aplicariam o dinheiro na poupança. Outros 18% citaram aplicações em outros investimentos. O pessimismo em relação ao desemprego no Brasil diminuiu: 40% dos entrevistados acreditam que o desemprego irá aumentar, número que em setembro de 2021 alcançou 54% e em março do mesmo ano bateu os 70%. 37% esperam aumento do crédito para as pessoas e as empresas contra 26% que acham que irá diminuir. Já 26% creem em aumento do poder de compra da população, frente a 46% que pensam o contrário.

VEJA MAIS

Mais de cem mil crianças e adolescentes trabalham no Pará
Pandemia e falta de políticas públicas contribuem para agravamento da situação

Levantamento aponta recorde de pedidos de demissão no Brasil em março de 2022
Das 1.816.882 demissões registradas no mês de março, cerca de 603.136 dos desligamentos foram voluntários

Taxa de desemprego recua para 11,2% em janeiro, aponta IBGE
Em um ano, população desocupada caiu de 14,7 milhões para 12 milhões

Para a enfermeira Gisele Amaral, todos os aspectos da vida ficaram mais caros e os salários não acompanharam a escalada dos preços no Brasil. Ela faz parte dos 46% que acreditam que o poder de compra da população só irá diminuir. "Acho que quem diz que vai aumentar é quem é empresário, que cobra mais caro por produtos e serviços na medida que a inflação sobe. Esses últimos tenho visto meu dinheiro encolher, mas minhas necessidades não mudaram. É difícil demais ter casa, filha e ter que calcular o que dá e o que não dá", lamenta. 

Percepção sobre bancos

A pesquisa também fez questionamentos sobre a avaliação dos bancos pelos brasileiros. Segundo o levantamento, 57% dos brasileiros confiam nos bancos, número menor que os 60% constatados na pesquisa anterior. 55% confiam nas fintechs e 50% têm confiança em empresas privadas. 54% dos entrevistados veem contribuição positiva do setor bancário para o desenvolvimento da economia brasileira, e 50%, um auxílio no enfrentamento à pandemia de covid-19.

VEJA MAIS

‘Safadinha do Pix’ é presa por aplicar golpes em ‘homens carentes’
Além de dinheiro, a mulher convencia os homens a pagarem diversos procedimentos estéticos com a promessa de manter relação sexual com eles

'Estelionatária do iPhone' é presa em Tucuruí; vítima relata golpe com cheque sem fundo
Luana Beliche de Assis é acusada de aplicar golpes de venda de celular que somam um valor estimado de R$ 50 mil

Golpe do emprego: criminosos buscam as pessoas 'pela necessidade'; saiba como se proteger
Com mais de 100 tentativas de golpe por hora, criminosos utilizam diversas maneiras de aplicar o golpe; vagas que parecem muito boas devem ser desconfiadas


O levantamento aferiu que aumentou o porcentual de brasileiros que foram vítimas de golpes ou tentativas de fraude. O total passou de 21% em setembro do ano passado para 31% no levantamento atual. Os homens foram os mais atingidos (33%), assim como indivíduos com renda acima de cinco salários mínimos (41%) e com mais de 60 anos (35%). A clonagem de cartão foi o golpe mais comum, tendo atingido 64% dos entrevistados, 16 pontos porcentuais acima do levantamento de dezembro do ano passado. As citações a golpes via WhatsApp cresceram de 24% para 25% no mesmo período. A pesquisa foi feita em parceria com o Ipespe, entre os dias 21 de maio e 2 de junho, e entrevistou três mil pessoas nas cinco regiões do país.

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA