Está no ar! Fruto Sensual comemora 24 anos de história no brega

A banda liderada por Valéria Paiva comemora a data com um show nesta quinta-feira (18)

Lucas Costa

Pode ser que no mundo todo, o momento em que começa a tocar o clássico “Total Eclipse of the Heart”, de Bonnie Tyler; a primeira frase que se ouve o público entoar junto é “turn around”. Mas no Pará esse som é diferente, e é graças a banda Fruto Sensual que por aqui, a canção imortalizada por diversos filmes, começa com um sonoro “Está no ar”.

A trajetória de sucesso começou em 1995, e este ano a banda comemora os 24 anos de carreira com um show nesta quinta-feira (18), no Pará Clube, às 22h. A celebração contará ainda com apresentações de Viviane Batidão, Banda Nsynck e DJ Dinho.

Sucesso em todo o Pará, o Fruto Sensual não deu seus primeiros acordes no estado. Valéria Paiva e Carlos Augusto (Neco) formaram a banda na cidade de Itinga, no Maranhão; na época Valéria estava grávida e os dois eram um casal. Ela relembra que no ano seguinte eles voltaram para Santa Isabel do Pará, onde continuaram o trabalho com a banda, tocando em barzinhos.

“Quando tive meu filho resolvi voltar para a casa dos meus pais. Alugamos um bar e ficamos tocando nele. Foi então que eu comecei a fazer músicas a convite dos DJs, para as aparelhagens deles. Como eu cantava muito midback e flashback, eu fazia as versões e colocava o nome das aparelhagens no meio. A gente fazia no teclado, com aquela batida que foi um divisor de águas do brega. Em 2001 começou a estourar as músicas que eu fazia e eu comecei a não dar mais conta de compor”, relembra Valéria, vocalista e compositora do Fruto Sensual.

Foram as músicas dedicadas às aparelhagens que foram base para o estouro do Fruto Sensual no Pará, e renderam o título de Rainha das Aparelhagens para Valéria. O sucesso refletiu no primeiro CD da banda, “Fruto Sensual na Onda das Aparelhagens vol. 1”, com 20 faixas gravadas de forma independente, o álbum incluía os hits “Príncipe Negro”, “Itamaraty” e “Está no Ar”. Foram mais de 100 mil cópias vendidas, “fora a pirataria”, como relembra Valéria.

Com quatro DVDs e mais de oito CDs lançados, Valéria conta que o Fruto Sensual não sentiu tanto os impactos das mudanças no mercado da música, como o crescimento dos streamings. O lugar onde o Fruto se entrega e domina é o palco, e prova disso é uma agenda sempre lotada. A vocalista diz que a banda tem nove shows agendados para nove dias consecutivos.

“O mercado da música hoje está muito disputado, mas ao mesmo tempo está carente, por isso a volta das marcantes; por isso hoje, mesmo com músicas gravadas há 18 anos, ainda estamos com a agenda lotada, e eu acho que é devido ao repertório, devido o tratamento com o público. É um mercado muito competitivo porque tem muita coisa boa, mas o público sente falta daquelas letras apaixonadas”, relata.

Mesmo com uma presença online tímida, o Fruto Sensual ainda tem números consideráveis. Em um canal não-oficial no YouTube, o primeiro álbum da banda conta com mais de 600 mil visualizações, e no Spotify o grupo soma mais de 24 mil ouvintes semanais. Isso tudo resulta em um público eclético, com faixas etárias e classes diversas.

“Hoje em dia as pessoas que vão para meus shows são as que naquela época não tinham idade para entrar nas festas. Elas chegam e falam para mim: ‘ah, naquela época eu era menor de idade, eu fugia’, e ainda tem pessoas que dizem: ‘eu vinha com meus pais’, ‘eu vou com minha mãe que era tua fã e ia para os teus shows’. Tem também pessoas que se conheceram naquela época nos meus shows, ou as que dizem: ‘eu fui feita ao som de Está no Ar’. Então é muito interessante esse público que eu alcanço. Hoje em dia eu canto em casamento de pessoas que se conheceram ao som de Fruto Sensual, em formaturas de pessoas que na época do ensino médio iam para os shows…”, conta Valéria.

A condição financeira do público da banda também é um dos destaques. Enquanto o movimento do tecnomelody saindo das periferias para ganhar as regiões mais elitizadas da cidade pe recente, Valéria conta que desde o sucesso do primeiro disco, chegou a tocar em grandes casas de show.

“Fomos a primeira banda a colocar uma aparelhagem dentro da Assembleia Paraense, imagina essa cena [...]. A gente tocava para classes mais baixas, mas já tocava para o público elitizado. Hoje a gente toca para diferentes públicos e é muito impressionante. No Círio do ano passado eu fiz seis shows, fui da periferia da periferia para um show em um daqueles portos que realizam festas caras, achei interessante essa diferença cultural. Uma viagem cultural em apenas uma noite”, brinca Valéria.

Mesmo com agenda lotada, a banda ainda encontra tempo para se dedicar a outros projetos. Esta semana eles lançaram o videoclipe da inédita “Veneno do Escorpião”,e Valéria conta que o plano é lançar um DVD inteiro de clipes, com composições inéditas. Ela conta entusiasmada um DVD acústico também está nos planos, para “a galera tomar uma gelada, curtir em casa de boa”. Próximo dos 34 anos de carreira, ela também planeja um espetáculo teatral contando sua trajetória na música.

Serviço:

Fruto Sensual 24 anos

Quinta-feira (18), às 22h

Local: Pará Clube (Tv. Lomas Valentinas, 1507 - Marco)

Música