Cocar asteca seria danificado em viagem ao México para exibição, diz museu austríaco

O artefato seria exibido em eventos que lembrarão o 500º aniversário da queda do império asteca diante da Espanha no ano que vem

Reuters

CIDADE DO MÉXICO - Atender o pedido do governo mexicano e enviar um famoso cocar asteca da Europa ao México para uma exibição danificaria seriamente o artefato pré-histórico frágil, afirmou o museu austríaco que o abriga na quarta-feira.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, solicitou nesta semana um empréstimo do cocar de penas colorido e cravejado de joias para poder exibi-lo em eventos que lembrarão o 500º aniversário da queda do império asteca diante da Espanha no ano que vem.

Uma avaliação da relíquia - que se diz ter pertencido ao imperador asteca Montezuma - concluiu que ele é frágil demais para se removido, explicou Sabine Haag, chefe da associação de museus KHM, que inclui o Museu de Etnologia de Viena, o lar atual da peça. A avaliação foi realizada sem representantes mexicanos entre 2010 e 2012.

O transporte, seja por terra, mar ou ar, danificaria imensamente o antigo cocar de penas mexicano", disse Haag em um comunicado à Reuters. Mesmo assim, ela disse que o pedido foi encaminhado ao Ministério da Cultura da Áustria para uma nova avaliação.

Com quase 1 metro de comprimento e feito com mais de 450 penas elegantes de cor verde brilhante, o cocar supostamente foi usado por Montezuma antes de ele ser deposto pelo conquistador espanhol Hernán Cortés.

O Museu de Etnologia de Viena disse que cidadãos mexicanos tem entrada livre para desfrutar da herança cultural.

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM CULTURA