‘Narciso em Férias’, filme de Caetano selecionado para o Festival de Veneza, estreia no Globoplay

No filme, Caetano também lê e comenta uma série de documentos secretos da ditadura que estavam inéditos até hoje

Redação Integrada do Grupo Liberal, com informações da TV Globo

‘Narciso em Férias’ fez sua estreia mundial no Festival de Veneza nesta segunda-feira, dia 7 e também está disponível, com exclusividade, no Globoplay.

No filme, Caetano Veloso faz um relato íntimo e detalhado de sua prisão pela ditadura militar em dezembro de 1968: os dias na solitária, as canções que marcaram o período de confinamento, os episódios vividos com seu amigo Gilberto Gil, preso no mesmo dia.

Em ‘Narciso em Férias’, Caetano também lê e comenta uma série de documentos secretos da ditadura que estavam inéditos até hoje.

Selecionado para o 77º Festival de Veneza, que está acontecendo até o dia 12 de setembro na Itália, o filme é dirigido por Renato Terra (“Uma Noite em 67”) e Ricardo Calil (“Cine Marrocos”), sendo uma realização Uns Produções, produzido por Paula Lavigne, e coproduzido pela VideoFilmes, de Walter Salles e João Moreira Salles.

No longa, Caetano Veloso relembra sua prisão na ditadura militar, quando ele e Gilberto Gil foram retirados de suas casas em São Paulo por agentes à paisana no dia 27 de dezembro de 1968, 14 dias depois de decretado o AI-5. Sem receber explicações do regime, foram levados ao Rio de Janeiro, deixados em duas solitárias por uma semana e depois transferidos para celas. Caetano ficou 54 dias encarcerado.

Dos dias na solitária, Caetano lembra: "Eu tinha que comer ali no chão mesmo. Isso durou uma semana, mas pareceu uma eternidade. Eu comecei a achar que a vida era aquilo ali. Só aquilo. E que a lembrança do apartamento, dos shows, da vida lá fora era uma espécie de sonho que eu tinha tido. Me lembro muito de uma frase que o Rogério Duarte me disse logo que eu fui solto: 'Quando a gente é preso, é preso para sempre'. Acho que é assim mesmo", afirma Caetano no documentário.

“A beleza deste filme está na maneira como Caetano Veloso, hoje com 78 anos, é capaz de nos levar de volta àquela cela e nos fazer partilhar da impotência do rapaz preso. A simplicidade da encenação - um homem sentado de pernas cruzadas diante de uma parede de concreto, nada mais - dá voz ao essencial, uma escolha ao mesmo tempo estética e moral. Diante da violência, qualquer excesso seria injustificado. Este é um filme sobre o Brasil de antes e talvez de amanhã. Os fantasmas continuam entre nós”, analisa o coprodutor João Moreira Salles.

“'Narciso em Férias' respeita e amplifica cada palavra, memória, gesto, silêncio de Caetano", afirma o diretor e roteirista Renato Terra. "Narciso em Férias' é um filme que fala do passado do Brasil, por meio das memórias de Caetano Veloso sobre sua prisão na ditadura, mas também tem muito a dizer sobre o presente do país", complementa o diretor e roteirista Ricardo Calil.

O título "Narciso em Férias", que também dá nome ao capítulo sobre a prisão de Caetano em seu livro "Verdade Tropical", foi tirado do romance “Este Lado do Paraíso”, do escritor norte-americano F. Scott Fitzgerald.

Ele se refere ao fato de Caetano ter passado quase dois meses sem se olhar no espelho. Foi na prisão que o compositor recebeu de sua então esposa Dedé um exemplar da revista Manchete, com fotos inéditas da Terra vista do espaço, o que inspirou a composição da música "Terra" dez anos depois. Na cadeia, compôs "Irene", lembrando a risada de sua irmã mais nova.

Cinema
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM CINEMA

MAIS LIDAS EM CULTURA